Home - Convergência Digital

Para o CADE, regulação e confronto prejudicaram reação dos táxis ao Uber

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 13/04/2018

O impacto do Uber é forte do curto prazo, mas tende a ser menor com a recuperação gradual dos taxistas, especialmente se os incumbentes forem capazes de reagir com descontos ou reduções de tarifa. Segundo mediu o Cade, entre 2014 e 2016 a chegada do Uber comeu 56,8% das corridas de aplicativos de táxis. Mas nas cidades onde o app atua há mais tempo, o baque foi reduzido para 26,1%.

Para o departamento de estudos econômicos (DEE) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a análise reforça um argumento anterior à lei federal (13.640/18) que regulamenta os apps de transporte no país: “É necessário o amadurecimento do debate na direção da desregulamentação gradual dos serviços de táxi, em especial, nos aspectos relacionados a barreiras à entrada e a liberdade tarifária”.

O Uber foi o primeiro a festejar. “O estudo publicado pelo Cade mostra que a cada 1% de aumento de viagens por Uber, houve uma diminuição de apenas 0,09% nas viagens de aplicativos de táxi - dado que mostra claramente que mais pessoas passaram a usar esta alternativa complementando outras soluções de transporte, tal como o carro particular”, diz nota divulgada pela empresa.

Na análise de fundo, o estudo aponta que nas praças onde chegou mais recentemente (fim de 2016), notadamente no Norte e Nordeste, a redução de corridas de aplicativos de táxi – que valem também para serviços de rádio-táxi – chega a 42,7%. Mas naquelas cidades onde está há mais tempo (desde 2014), no Sudeste, Sul e Centro-Oeste, o efeito já é menos intenso, com queda de 26,1% nas corridas dos concorrentes.

“Essa evidência indica que inicialmente a entrada da Uber em um município pode ter um efeito grande, reduzindo substancialmente o número de corridas de táxi mas, com o passar do tempo, ocorre uma recuperação gradativa do número de corridas do setor incumbente. O setor de táxi por aplicativo reagiu oferendo descontos nos valores das corridas após um período mais longo de exposição a um ambiente competitivo.”

Aí pesaram a regulação que recai sobre os táxis e a escolha do confronto como primeira resposta. “O setor incumbente não adotou uma estratégia de redução de preços como reação imediata ao aumento da concorrência . Dois fatos podem ajudar a explicar esse tipo de comportamento. Em primeiro lugar, a regulação demasiadamente rígida – que impõe tarifas fixas – tende a dificultar ou proibir a aplicação de descontos em corridas de táxi .

Em segundo lugar, observa-se que houve um grande esforço do setor incumbente em reagir à intensificação da concorrência buscando contestar a legalidade dos aplicativos junto à esfera pública, o que também tende a desencorajar ou postergar a adoção de reações via preço.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/08/2018
Receita Federal libera o aplicativo e-Processo

09/08/2018
Publicidade em aplicativos gira R$ 12 bilhões por ano no Brasil

06/08/2018
iFood, do Movile, compra parte do rival Pedidos Já

06/08/2018
Robôs viram os novos fiscais do Governo

06/08/2018
CADE adota inteligência artificial para agilizar combate aos cartéis

01/08/2018
Anatel lança aplicativo que compara preços de telefonia, TV paga e internet

05/07/2018
Cade arquiva investigação de taxistas proposta pela Uber

26/06/2018
Google Play não tem que pagar cliente que teve conta invadida

18/06/2018
Marcio Mattos assume comando da empresa nacional M2M Solutions

13/06/2018
CADE condena cartel no mercado de recarga para telefones celulares

Destaques
Destaques

4G já alcança metade dos celulares no Brasil

No fim do primeiro semestre de 2018, país contava com 118 milhões de chips de quarta geração.

Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

"Políticas de espectro que aumentam os preços e concentram-se em ganhos de curto prazo são incompatíveis com a economia digital", adverte o diretor da GSMA, Sebastián Cabello.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site