SEGURANÇA

Uber usa machine learning para reforçar prevenção de riscos no Brasil

Convergência Digital ... 10/04/2018 ... Convergência Digital

A Uber adotou a tecnologia de machine learning para identificar riscos com base na análise, em tempo real, dos dados das milhões de viagens realizadas diariamente por meio do aplicativo. A ferramenta, que usa algoritmos que aprendem de forma automatizada a partir dos dados, bloqueia as viagens consideradas potencialmente mais arriscadas, a menos que o usuário forneça detalhes adicionais de identificação. Essa tecnologia foi desenvolvida por uma equipe de cientistas de dados, engenheiros e especialistas para ajudar a antecipar e reduzir a probabilidade de incidentes de segurança. 

Os dados coletados durante as viagens, incluindo comentários feitos no aplicativo por usuários e motoristas, são  utilizados nessas análises. Tendo completado mais de um bilhão de viagens na América Latina, a tecnologia da Uber utiliza informações de viagens anteriores para proporcionar uma compreensão mais abrangente do cenário de segurança.

A ferramenta se junta a outras tecnologias e processos de segurança que o aplicativo já oferece para serem usados antes, durante e depois de cada viagem - incluindo a verificação de antecedentes criminais do motorista, nos termos da lei, e o rastreamento via GPS de cada viagem (veja mais abaixo), tornando todas as viagens no aplicativo de mobilidade ainda mais seguras.

Com mais de 500 mil motoristas parceiros e 20 milhões de usuários no Brasil, a Uber entende que tem a responsabilidade de contribuir com a segurança. A empresa oferece, ao toque de um botão, uma opção de mobilidade que já chegou à periferia das maiores cidades brasileiras, evitando que as pessoas dessas regiões tenham que caminhar tarde da noite nas ruas tentando encontrar alternativas de transporte. O aplicativo permite que o usuário aguarde seu carro em um local seguro e monitore a hora de chegada e a localização do motorista no mapa.

A Uber também ajuda a reduzir o número de pessoas que bebem e dirigem, por oferecer uma alternativa de transporte confiável e acessível para chegar em casa tarde da noite, quando outras opções de transporte podem ser mais limitadas. Em Porto Alegre, uma pesquisa realizada recentemente pela Fundação Thiago Gonzaga, apontou que entre os jovens que admitem ter dirigido depois de beber, 46% justificaram a atitude por não contar com uma alternativa de transporte disponível à época. E 85% deles consideram os aplicativos de mobilidade urbana a melhor opção de transporte depois de beber.

Segurança antes, durante e depois de cada viagem

As ferramentas começam a agir já no cadastramento das pessoas no aplicativo.Todos os motoristas parceiros cadastrados na Uber passam por uma verificação de antecedentes criminais, nos termos da lei, realizada por empresa especializada. A partir dos documentos fornecidos para registro na plataforma, a empresa consulta informações de diversos bancos de dados oficiais e públicos de todo o País, em busca de registros de crimes que possam ter sido cometidas antes do profissional começar a dirigir utilizando o app. Além disso, o candidato a motorista precisa ter carteira com licença para exercer atividade remunerada - EAR e os carros precisam ser cadastrados com a apresentação de Certidão de Registro e Licenciamento do Veículo do ano corrente.

Os usuários da plataforma também são verificados, seja pelos dados do cartão do banco, seja pelo CPF, solicitado dos que fazem o pagamento de suas viagens somente em dinheiro. Para o usuário, ao chamar um Uber, é possível acompanhar o trajeto do motorista parceiro até a chegada no ponto de partida, permitindo que o usuário aguarde a chegada do carro em local seguro. Se o usuário precisa contatar o motorista ou vice-versa, o número de telefone de ambos é mantido em sigilo, preservando a privacidade de ambos.

O usuário também tem acesso à foto e ao nome do motorista, além do modelo, cor e placa do carro. Orientamos sempre os usuários a verificarem esses dados antes de embarcarem, para sua própria segurança. A Uber possui também uma ferramenta para verificação de identidade em tempo real, que usa selfies para ajudar a manter a integridade da conta de motoristas parceiros. De tempos em tempos, o aplicativo pede, aleatoriamente, para que os motoristas parceiros tirem uma selfie antes de aceitar uma viagem ou de ficar on-line, para ajudar a garantir que a pessoa que está usando o aplicativo corresponde àquela da conta que temos no arquivo. Isso ajuda a evitar fraudes e proteger as contas dos condutores de serem comprometidas.

Ao longo do trajeto é possível compartilhar localização e o tempo de chegada em tempo real com quem o usuário ou o motorista desejarem, além do caminho sendo feito. Caso o usuário tenha um Perfil Familiar, cada vez que uma pessoa cadastrada em seu perfil começa uma viagem, ele pode automaticamente acompanhar o percurso diretamente de seu celular. Ao utilizar o aplicativo, tanto os motoristas parceiros quanto os usuários estão  cobertos por um seguro APP da Uber para acidentes pessoais.

Passageiros e motoristas podem e devem avaliar um ao outro depois de cada viagem, de forma anônima. Essa é a principal medida de qualidade do serviço prestado pelos motoristas parceiros da Uber aos usuários e do tratamento dado pelos usuários aos parceiros. Temos uma equipe que monitora essas informações e pode banir da plataforma usuários ou motoristas que tiverem uma média baixa de avaliações ou conduta que viole os termos de uso, como por exemplo, comportamento inapropriado ou perigoso. 

*Com informações do Uber


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.

Brasileiro desconfia que Lei de Proteção de Dados não vai 'pegar'

Pesquisa mostra que 58% não estão confiantes de que a legislação trará os avanços necessários para a proteção dos dados. Maioria se mostrou bastante preocupada com ataques hackers e de vírus cibernéticos.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G