Home - Convergência Digital

Construção civil projeta uso de Internet das Coisas para recuperar mercado

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 10/04/2018

Depois de alguns anos de retração por conta da crise econômica, o segmento da construção busca se reerguer. Dentre os aspectos que estão sendo analisados pelas empresas para que essa recuperação seja possível, está a promoção da inovação tecnológica e digitalização do setor. Prova disso é a Rede Construção Digital, núcleo de relacionamento, pesquisa e negócios criado pelo CTE (Centro de Tecnologia em Edificações).

A iniciativa já rendeu seus primeiros frutos: um grupo de empresas focado na ampliação do movimento de Internet das Coisas (IoT). Composto por uma projetista, três incorporadoras, cinco indústrias e duas fornecedoras de TI, o grupo – que é o primeiro no Brasil voltado para o IoT na construção – tem nomes como Alphaville Urbanismo, Schneider Eletric, Amanco, Autodoc e Mega Sistemas (única desenvolvedora de ERPs).

"Estamos focados em promover estudos e possíveis projetos para a IoT, sempre com foco na inovação da construção civil. Nosso objetivo é encontrar solução para necessidades ou situações para as quais o mercado ainda não encontrou uma resposta, como, por exemplo, a conferência ágil e precisa de materiais recebidos nos canteiros de obras, ou a medição exata da qualidade no processo produtivo", pontua o Arquiteto de Sistemas e representante da Mega no grupo, Renato Arruda.

Rede Construção Digital

Promovida pelo CTE, a iniciativa busca promover a cultura de inovação tecnológica e digitalização na área da construção e reúne diferentes incorporadoras, construtoras, projetistas, fabricantes de materiais e fornecedoras de soluções digitais.

O objetivo com o projeto é, por meio de 10 passos, realizar pesquisas de mercado para identificar o status atual de desenvolvimento digital do setor, analisar cases e, por fim, aumentar o acesso a soluções tecnológicas que façam sentido dentro do cenário brasileiro atual.

Além da Mega e das outras empresas participantes do grupo sobre IoT, a Rede Construção Digital conta com a participação de empresas de renome, como Thyssenkrupp, BKO, Tarjab e Eztec.

*Com assessoria de Imprensa

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/11/2018
Amazon prepara rede privada de LTE na nuvem na faixa de 3,5 GHz

29/11/2018
Parque Tecnológico Itaipu adota plataforma dojot para Internet das Coisas

23/11/2018
IoT se transforma em aplicação crítica para o negócio da Engemix

19/11/2018
Inteligência artificial, 5G e novos chips vão turbinar internet das coisas

08/11/2018
TIM ativa rede para Internet das Coisas em Minas Gerais

06/11/2018
BNDES, Senai e Embrapii destinam R$ 15 milhões para IoT na indústria

06/11/2018
Internet das Coisas exige imposto zero no Brasil

06/11/2018
Autoridade nacional de dados é fundamental para IoT

19/10/2018
Só com conectividade, teles não vão ganhar dinheiro com IoT

18/10/2018
Sigfox vai fabricar módulo de IoT no Brasil para reduzir custo dos dispositivos

Destaques
Destaques

5G exige pelo menos 100 MHz para cada operadora no Brasil

O tema preocupa a coordenação de espectro do 5G Brasil, uma vez que foram destinados 300 MHz na faixa intermediária e há quatro operadoras nacionais.

Segurança cibernética é crítica para o avanço do 5G

O tema é considerado polêmico - até em função das questões políticas que o envolvem como a briga China x EUA -, mas precisa ser debatido, observa Gustavo Correa Lima, engenheiro do CPqD.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site