Home - Convergência Digital

Pegou na mentira? Dançou a vaga de emprego...

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 09/04/2018

As entrevistas de emprego tendem a deixar os candidatos nervosos. Exigências, análises, uma série de perguntas e um ambiente repleto de formalidades que aumenta a tensão e pode incentivar o profissional a cometer alguns deslizes, como contar mentiras. De acordo com a Pesquisa dos Profissionais Brasileiros realizada pela Catho, 92,2% dos recrutadores afirmaram que já flagraram mentiras de candidatos em etapas

do processo seletivo. Um inglês avançado aqui, o domínio do Excel ali são algumas das mais conhecidas, segundo a psicóloga e assessora de carreira Elen Souza, da Catho. Ela listou as cinco mentiras mais comuns contadas por candidatos. Confira, abaixo:

1. Mentir sobre experiências profissionais

Muitos profissionais, quando inseguros, costumam aumentar a descrição e/ou explicação sobre suas atividades.
Por que não fazer: É muito fácil do recrutador descobrir essas informações, seja pelas redes sociais ou buscando referências do profissional ligando na empresa.

Dica: Segundo Souza, o melhor a se fazer é resumir em seu CV as atividades desenvolvidas em suas experiências, o que ajuda o recrutador a entender o seu perfil e competências, não havendo a necessidade de "inflar" suas experiências.

2. Formação

Muitos profissionais colocam no currículo cursos de especialização que não fizeram ou aumentam a carga horária de cursos pequenos - como se fossem de longa duração.
Por que não fazer: É possível verificar junto ao MEC se a informação é verdadeira ou ainda, pedir a apresentação de um certificado para confirmação.

Dica: Ao invés de mentir, diga que ainda não conseguiu investir em determinado curso, mas que tem interesse em fazer caso surja uma oportunidade.

3. Habilidades técnicas

Muitos candidatos acreditam que quantidade é o que importa e, por isso, acabam aumentando seu nível de conhecimento e até mesmo, mentindo sobre suas habilidades.
Por que não fazer: O recrutador pode submetê-lo a um teste prático e pedir que você execute a tarefa.

Dica: Em seu currículo, dê relevância para as habilidades técnicas que você mais domina.

4. Idioma

Muitos profissionais colocam em seus CVs que têm um segundo idioma fluente e avançado, mas quando chega a hora da entrevista fica claro que isso não é verdade.
Por que não fazer: O entrevistador pode pedir que o candidato responda no idioma que disse dominar - podendo gerar uma situação constrangedora.

Dica: Deixe claro seu nível de fluência e, caso não seja fluente/avançado, mostre que está disposto a melhorá-lo.

5. Resultados

Alguns profissionais falam de resultados que não obtiveram, que não são reais ou que foram atingidos por outra pessoa da equipe.Por que não fazer: O selecio nador pode pedir mais detalhes de como o resultado foi alcançado e, se você não for o executor, será muito difícil de explicar.

Dica: Antes da entrevista, avalie os resultados obtidos em sua carreira e, mesmo se forem pequenos, vale a pena contar suas contribuições.

Fonte: portal Info Money

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/07/2018
Inscrições para o vestibular de inverno do Inatel seguem até o dia 19

10/07/2018
Brasileiro revela pavor de perder o emprego

28/06/2018
Eles ainda assustam, mas os tabus estão caindo na hora de preencher uma vaga

25/06/2018
Quebéc, no Canadá, abre mais vagas para profissionais brasileiros de TI e games

11/06/2018
Provedora de TI nacional abre vaga de emprego na Austrália

04/06/2018
Empresa de TI abre 50 vagas para trainees em Londrina e São Paulo

29/05/2018
Copa do Mundo está aí. Sua empresa já definiu a rotina de trabalho?

28/05/2018
Freelancers no Brasil: data mining, segurança e Web em alta. Software e apps em baixa

24/05/2018
Não deixe os maus hábitos destruir a sua rotina de trabalho

23/05/2018
Greve na BBTS, ex-Cobra Tecnologia, afeta caixas eletrônicos do Banco do Brasil

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Expatriação une patrões e empregados

Por Marcos Santos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Profissional do futuro simplesmente não existe

A advertência foi feita pela futurista Lala Deheinzelin, criadora do movimento "Crie Futuros". Segundo ela, já não se pode mais pensar em uma profissão ou em um profissional. É preciso imaginar células, cada uma com sua capacidade. A união de todas elas é que será, de acordo com a especialista, capaz de nos levar a um mundo desejável.

Flexibilização no trabalho: prática bem longe da realidade no Brasil

Pesquisa mostra que 75% dos brasileiros ainda trabalham no formato tradicional: no escritório e no horário comercial. Estudo mostra ainda que 58% das empresas não fornecem recursos suficientes para viabilizar o home office.

Juízes do Trabalho: Reforma trabalhista só vale depois da sua entrada em vigor

Decisão foi tomada por mais de 700 juízes e desembargadores. Para eles, a Lei 13.467/2017 só deve valer para processos e contratos iniciados após 11 de novembro de 2017, quando a legislação entrou em vigor.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site