Home - Convergência Digital

Oi avança com Internet das Coisas para 'jogar um novo jogo'

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 19/03/2018

Internet das Coisas é um 'novo jogo para ser jogado' e a Oi tem diferenciais em relação à concorrência: capilaridade e presença operacional e de serviços em mais de 4 mil municípios do País. A operadora lançou na semana passada a plataforma Oi M2M, que possibilita os usuais serviços de POS (point of sale), rastreamento, telemetria, entre outros. A solução viabiliza a adição de linhas e upgrade de franquias, sem a necessidade de contato com áreas comerciais ou call center – novidade que gera autonomia, reduz custos e aumenta a produtividade das empresas.

A oferta M2M da companhia para grandes e médias empresas incorpora franquia compartilhada e dinâmica – facilitando a adição de novas linhas ao automatizar o somatório destas à franquia total –, além de envio grátis de 5 SMS por linha e funcionalidade de alerta de fraude. Junto aos benefícios mencionados, a Oi concede o Trade In, uma opção para o cliente ativar o serviço em até 60 dias, evitando faturas antes da utilização das linhas.

“O mercado de M2M deve crescer 13,5% ao ano até 2021, segundo projeções da Frost & Sullivan. Com o Oi M2M, planejamos seguir essa tendência e aumentar a nossa base em 70%. Apostamos na nossa presença, no nosso time, na nossa transformação digital para avançar muito", afirma em entrevista ao portal Convergência Digital, Rodrigo Shimizu, diretor de Marketing do Corporativo da Oi.

O diretor de SI e TI do Corporativo da Oi, Luiz Carlos Faray, observa que Internet das Coisas é um ' novo jogo' onde as aplicações não estão ainda pensadas e mais ainda: elas terão de ser customizadas de acordo com as necessidades do cliente. "A área de meio de pagamentos é uma grande usuária do nosso M2M, mas quando falamos de M2M temos muita conectividade. IoT precisa de conectividade, mas exige soluções específicas. Não há como ter uma prateleira de oferta, percebemos isso nas provas de conceito que estamos fazendo", diz.

Para os executivos da Oi, 2018 será o ano onde as provas de conceito de Internet das Coisas serão finalizadas e as contas começarão a fechar. "Vamos ter um amadurecimento do mercado, de definições de padrões", salienta Shimizu. "É o ano do plano nacional de IoT se apresentar concretamente. De termos mais demandas", acrescenta Faray.

A área B2B foi a que mais sentiu a crise financeira da Oi, mas para Shimizu, o posicionamento da tele em relação à transformação digital, aliada à sua capilaridade e oferta de serviços, permitirá o avanço não só em IoT, mas em cloud, big data e segurança. "Os clientes querem serviços personalizados e vamos oferecer", salienta.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/03/2019
Oi testa 5G na faixa de 3,5GHz em Búzios, no Rio de Janeiro

22/03/2019
Oi quer licença da Anatel para investir em redes que União terá que indenizar

21/03/2019
Mais de 400 mil ataques DDoS por meio de IoT aconteceram no 1º trimestre

21/03/2019
Oi reforça portfólio para transformação digital da gestão pública

19/03/2019
Chapecó, em SC, é a primeira cidade com rede própria de IoT da Vivo

19/03/2019
BNDES elege três municípios para serem transformados, via IoT, em cidades inteligentes

19/03/2019
Oi quer aumentar lojas por meio de franquias

18/03/2019
TIM ativa rede NB-IoT com alcance de 100 Km em Goianésia, interior de Goiás

15/03/2019
Oi faz campanha para consumidor escolher nome para chatbot de atendimento

15/03/2019
Internet das Coisas é prioridade e vai muito além da oferta de conectividade

Destaques
Destaques

Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

Presidente da fabricante para a América do Sul, Eduardo Ricotta, diz que uma operadora com 50 Mhz a 80 Mhz terá espectro para oferecer bons serviços, especialmente, o da banda larga fixa móvel. "Há cidades no Brasil, com menos de 100 mil habitantes, com conexões de 2 Mbits. O 5G vai chegar oferecendo bem mais", observa.

5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

O ecossistema 5G está em ebulição e demandará muita mão de obra, afirma o diretor da Huawei, Carlos Roseiro. Segundo ele, vão surgir aplicações, muitas ainda inimagináveis, nos próximos seis anos. "O 5G começa hoje. A frequência virá para dar mais capacidade", observa o especialista.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site