INTERNET

Pressionado, Conselho de Comunicação Social renega projeto sobre ‘fake news’

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/03/2018 ... Convergência Digital

Diante da repercussão negativa, o Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional rejeitou o anteprojeto de lei sobre combate às notícias falsas, elaborado pela consultoria legislativa do Senado Federal e que foi divulgado como fruto de um pedido do próprio CCS. 

“O presidente Eunício Oliveira pediu que nós estudássemos a questão das ‘fake news’. Mas houve um encaminhamento inadequado, ou até ‘fake’. O tema não deveria ter sido encaminhado como anteprojeto ou mesmo uma minuta, mas sim uma nota técnica relacionada à questão”, afirmou o presidente do Conselho, Murillo Aragão, ao abrir os trabalhos do CCS nesta segunda, 5/3. 

Na semana anterior, começou a circular a tal minuta de um anteprojeto de lei que sob o argumento de combater notícias falsas abria a possibilidade de remoção de conteúdo da internet sem decisão judicial, ao obrigar provedores de aplicação a “remover ou o bloquear, no prazo de até vinte e quatro horas do recebimento da reclamação”. 

O anteprojeto provocou imediata reação de repúdio. Em carta aberta, a Coalizão Direitos na Rede destacou que “a ideia de remoção automática de conteúdo deve ser imediatamente repelida” e que o CCS “não possui competência para propor minutas ou analisar, previamente, o mérito de futuros projetos de lei antes que eles sejam protocolados e tenham sua autoria conhecida”. 

Como apontou o conselheiro José Francisco Araújo Lima na reunião desta segunda, “o problema foi causado pela correspondência ao dizer que ‘de ordem do presidente Murillo de Aragão, encaminho anexo de minuta de anteprojeto de lei elaborada pela Consultoria Legislativa do Senado à pedido do CCS, por solicitação do presidente do Congresso Nacional senador Eunício Oliveira”. 

Como resultado, destacou, criou-se a “situação constrangedora” e de “repercussão indesejada” de uma proposta que resvala na censura. Aragão rebateu que “não caberia jamais ao Conselho propor um projeto que advogue em favor da censura”, mas que “existem projetos de lei sobre o tema em tramitação no Congresso e nosso papel é de debater, de trazer os temas à discussão”. 

Como resultado, o CCS espera enterrar o malfadado anteprojeto e ato contínuo criou uma comissão, com seis membros, que deverá analisar e propor posicionamento sobre quatro projetos de lei que tramitam sobre o mesmo assunto, os PLs 473/17, 6812/17, 7604/17 e 9532/18. Os autores, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) e os deputados Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) e Francisco Floriano (DEM-RJ) serão convidados para uma audiência pública. 


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G