SEGURANÇA

No combate às fraudes, bancos abrem dados para a Polícia Federal

Convergência Digital* ... 27/02/2018 ... Convergência Digital

O combate às fraudes bancárias eletrônicas (cartão de débito, cartão de crédito, internet banking, call center e boletos) cometidas por organizações criminosas deve ganhar novo impulso com a renovação do acordo de cooperação técnica assinada nesta segunda-feira (26/02) entre os principais bancos do País, a Polícia Federal, e a FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos, em São Paulo.

A Polícia Federal e a FEBRABAN - Federação Brasileiro de Bancos- renovaram o acordo de cooperação técnica para o combate às fraudes bancárias eletrônicas - cartão de débito, cartão de crédito, internet banking, call center e boletos. A novidade é um envolvimento direto das instituições financeiras, o que permitirá compartilhar informações e as mais recentes tecnologias no combate aos crimes eletrônicos, para garantir a segurança das transações financeiras realizadas de forma eletrônica pelos clientes no setor bancário.

No total, 14 bancos assinaram o acordo: Banco Agiplan, Banco do Brasil, BRB - Banco de Brasília, Basa – Banco da Amazonia, Banrisul, Banese, Banco Neon, Bradesco, Banco Inter, Banestes, Itaú Unibanco, Original, Santander e Sicredi. O convênio regulamenta os procedimentos dos bancos para comunicar, à Polícia Federal, suspeitas ou confirmação de práticas de ilícitos penais. Ele também trata do compartilhamento de informações sobre movimentação de recursos financeiros relacionados a crimes contra instituições financeiras.

Um primeiro acordo foi assinado em 2009 entre o sistema financeiro e a Polícia Federal. Com o termo assinado hoje, deve aumentar o número de instituições financeiras fornecedoras de informações importantes e privilegiando, dessa forma, as ações de inteligência e de tecnologia, imprescindíveis no combate às fraudes bancárias.“A tecnologia bancária avançou muito. Antes a troca de informações era pautada por documentos, papéis e relatórios. Hoje, trabalhamos com sistema interligados, repassando automaticamente para a PF com detalhes importantes da investigação”, afirma Adriano Volpini, diretor adjunto da Comissão de Prevenção a Lavagem de Dinheiro da FEBRABAN.

Outro avanço desse convênio é a disponibilização de equipe da FEBRABAN e dos bancos, em conjunto com a Polícia Federal para se entender dinâmica do crime nas transações bancárias. Dessa forma, fecha-se o círculo (bancos, PF e FEBRABAN) que possibilitará identificar os fraudadores com maior rapidez e dessa forma reprimir o crime organizado por meio das ações do Serviço de Repressão ao Crime Cibernético da Policia Federal - SRCC-PF, afirma o executivo.

O diretor ressaltou que a segurança para a realização das operações financeiras é uma das preocupações centrais dos bancos brasileiros. O setor bancário destina cerca de 10% dos investimentos anuais em tecnologia da informação, cerca de R$ 2 bilhões, em ferramentas destinadas a evitar possíveis tentativas de fraudes, além de garantir a confidencialidade dos dados dos clientes e a eficiência no uso dos canais eletrônicos.

*Com informações da Febraban

 


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Mais de 120 milhões de CPF de brasileiros vazaram de servidor mal configurado

O fato aconteceu em março deste ano e foi detectado pela empresa InfoArmor. O dono do servidor mal configurado não foi identificado. Os vazamentos se multiplicam no País. Só essa semana foram três: TIVIT, Sicredi e SKY.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G