Home - Convergência Digital

Linguagem Swift é, de longe, a preferida para o desenvolvimento móvel no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 02/02/2018

Ao contrário do que muitos acreditam, o mercado de desenvolvimento mobile não é dominado pelos mais jovens. A Quaddro Treinamentos, especializada em ensino para profissionais que lidam com a mobilidade, realizou uma pesquisa inédita em novembro deste ano com 169 desenvolvedores de apps para descobrir mais sobre o perfil desses profissionais e as empresas onde trabalham. Uma das descobertas foi que 43% dos desenvolvedores têm mais de 31 anos, o que contradiz o mito de que esse é um mercado exclusivo para os mais jovens.
 
O perfil médio do profissional da área é: homem, idade entre 31 e 40 anos, trabalha no estado de São Paulo, já trabalhava com programação antes de entrar no mercado mobile e está na área há menos de um ano. Não possui um negócio próprio, mas pretende abrir um nos próximos anos. É o único profissional de desenvolvimento móvel na empresa onde atua, tem salário fixo de mais de R$ 8 mil por mês e sua linguagem de programação preferida é Swift.
 
Perfil do profissional
 
A esmagadora maioria dos entrevistados é do sexo masculino (92%), sendo que 33% têm idade entre 31 e 40 anos, 30% estão na faixa entre 18 e 24 anos, 28% têm de 25 a 30, 8% têm entre 41 e 50 anos e os outros 2%, mais de 51 anos. Destes profissionais, 72% trabalham no estado de São Paulo, 7% no Paraná e a mesma porcentagem, no Rio de Janeiro. “Já era esperada uma maioria nas regiões Sul e Sudeste por essas regiões concentrarem uma grande quantidade de empresas de tecnologia”, explica Roberto Rodrigues, CEO da Quaddro Treinamentos.
 
A maioria (57%) já trabalhava com programação antes de partir para a área mobile. “Ter uma porcentagem de 43% de pessoas que atuavam em diferentes profissões entrando para o mundo mobile prova como esse é um mercado rico, capaz de comportar rapidamente profissionais que desejam uma virada na carreira”, comenta Rodrigues. Quando perguntados qual a sua área profissional de origem, 15% vêm da Engenharia, 14% do Design e 13% da área Administrativa.
 
A maioria dos desenvolvedores está há menos de 1 ano na área (44%). Entre 1 e 2 anos, temos 26%; 15% têm entre 3 e 4 anos e 15% têm 5 anos ou mais no mercado. Quanto à linguagem de programação, Swift ganha como a linguagem preferida de 67% dos entrevistados. Em seguida, temos: Java (46%), Objective-C (27%) e Kotlin (11%). Outras linguagens ficaram com 15%.
 
Mercado de Trabalho e Remuneração
 
Quanto ao salário, existe uma polarização: enquanto 22% ganham mais de R$ 8 mil por mês, praticamente a mesma porcentagem (21%) tem um salário entre R$ 2 e R$ 3 mil. “Isso confirma os altos salários presentes na área, mas também mostra que temos uma grande quantidade de profissionais que ainda estão longe de receber essa quantia”, explica o CEO da Quaddro. “Vale ressaltar que 17% dos desenvolvedores ainda recebem um salário menor de R$ 2 mil.”
 
A esmagadora maioria das empresas remunera o desenvolvedor com um salário fixo mensal (76%), 10% recebem por hora trabalhada, 9% por entrega de projeto e 5% recebem de acordo com a receita obtida com o app.
 
O número de profissionais de desenvolvimento mobile nas organizações ainda é pequeno. Na maioria das empresas, o profissional é o único que trabalha na área, representando 32% dos entrevistados, 27% dividem o trabalho com mais 1, 2 ou 3 profissionais mobile e 18% trabalham com de 4 a 6 colegas. Em contrapartida, 11% dos entrevistados atuam em uma empresa com mais de 20 desenvolvedores mobile.
 
Um quarto dos entrevistados possui um negócio próprio e essa parece ser uma tendência no setor, já que 81% dos entrevistados pretendem abrir uma empresa própria nos próximos anos. Mais da metade dos desenvolvedores, 55%, trabalha na área de Serviços. Em segundo lugar estão os Bancos, com 21%, e em terceiro vem a área de Educação, com 19%.
 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/02/2019
Anatel terá app para comparação de preços, mas ele só fica pronto em 2020

30/01/2019
Bradesco viabiliza aluguel de carro pelo aplicativo

24/01/2019
Easy Taxi e Cabify unem operações para brigar com Uber e 99

23/01/2019
Telegram ignora Fake News e aumenta número máximo de pessoas em grupo

22/01/2019
Depois dos táxis, Uber enfrenta,agora, a ira das empresas de ônibus

18/01/2019
Brasileiro usa cerca de 30 aplicativos nos smartphones

16/01/2019
Nova licitação do TaxiGov abre portas para apps e locadoras de veículos

20/12/2018
Aplicativo e drone auxiliam no combate ao desmatamento no Amapá

13/12/2018
Justiça manda Uber entregar dados de passageiro a motorista

10/12/2018
STF: Relatores dizem que é inconstitucional barrar apps de transporte

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

Decisão aconteceu em uma ação de uma atendente contratada pela Contax, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site