Home - Convergência Digital

Mulheres rejeitam o rótulo 'hacker' e se distanciam da cibersegurança

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 30/01/2018

Um novo estudo realizado pela Kaspersky Lab revela que, antes dos 16 anos de idade , a maioria das jovens do sexo feminino dos EUA, Europa e Israel já decidiu não seguir uma carreira na área de cibersegurança. Essa tendência é um fator importante que afeta a constante dificuldade do setor de atrair mulheres a fim de tentar reduzir a diferença de gênero na área de segurança de TI e lidar com a crescente falta de qualificações.

O Global Information Security Workforce Study, realizado pela (ISC)² e seu Centro de Educação e Segurança cibernética, mostrou que, hoje, elas representam apenas 11% da força de trabalho em cibersegurança. Para começar a incentivar mais mulheres a ocupar posições nesse segmento, a Kaspersky Lab reforça a necessidade de renovar a imagem da cibersegurança entre as jovens.

O estudo descobriu que a terminologia das funções deste setor – como 'hacker' – tem conotação negativa e dificilmente atrairia jovens do sexo feminino, sendo que dois terços delas declaram querer seguir uma carreira que desperte sua paixão. Além disso, um terço das jovens acha que os profissionais de cibersegurança são 'geeks', e um quarto os considera 'nerds'. Talvez isso contribua para que 78% das meninas nunca pensem na possibilidade de uma carreira nessa área.

"De acordo com a pesquisa, as jovens mulheres não enxergam a cibersegurança como uma opção de carreira viável ou atraente para elas e, por isso, excluem muito cedo as profissões do setor de TI. Assim, é muito difícil convencê-las do contrário", disse Todd Helmbrecht, vice-presidente sênior de marketing, da Kaspersky Lab para a América do Norte.

"O prévio conhecimento sobre a área é essencial para quebrar certas barreiras, mas é também preciso mudar a imagem do setor como um todo e promover as carreiras envolvidas. Uma parte importante desse processo é dar visibilidade às funções e torná-las atraentes, além de desmitificar o estereótipo dos 'geeks' da segurança de TI sentados em um quarto escuro invadindo computadores", completa.

Somado a isso, 42% de todos os participantes concordam que é importante ter um modelo do próprio gênero em suas carreiras, e metade das mulheres prefere trabalhar em um ambiente com uma distribuição igualitária entre homens e mulheres.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/02/2018
Crimes cibernéticos: No Brasil, 30% das vítimas têm relação pessoal com o cibercriminoso

30/01/2018
Mulheres rejeitam o rótulo 'hacker' e se distanciam da cibersegurança

29/01/2018
Netshoes descarta invasão à estrutura de tecnologia

26/01/2018
Falso vídeo de prisão de Lula espalha vírus no Facebook

26/01/2018
Mais de 350 mil incidentes cibernéticos registrados em 2017

24/01/2018
Mais de 1 milhão de brasileiros acessam golpe de emprego pelo WhatsApp

24/01/2018
Dispositivos Internet das Coisas viram armas e ataques DDoS crescem 50%

22/01/2018
Sessenta e dois milhões de brasileiros foram vítimas do cibercrime

11/01/2018
Mais de 1 milhão de brasileiros caem em golpe de emprego via WhatsApp

18/12/2017
Botnet que infectou mais de 100 mil câmeras IP foi disseminado por hackers de 20 anos de idade

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Área de TI volta a contratar depois de dois anos de retração no Brasil

Pesquisa diz que as empresas estão retomando a contratação de profissionais seniores por conta dos projetos de IoT, Segurança da Informação e Inteligência Artificial.

Um em cada cinco trabalhadores dependerá da Inteligência Artificial

Confundir IA com automação por conta das previsões pessimistas de perdas de emprego ofusca o maior benefício da tecnologia, adverte o Gartner. Consultoria projeta a criação de dois milhões de novos postos de trabalho, por conta da IA, até 2025.

Linguagem C desbanca Java e Python e assume liderança entre os desenvolvedores

Índice Tiobe mostra ainda que há novas linguagens ganhando força, entre elas, a R, que subiu do 16º lugar para o 8º lugar.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site