SEGURANÇA

Botnet que infectou mais de 100 mil câmeras IP foi disseminado por hackers de 20 anos de idade

Da redação ... 18/12/2017 ... Convergência Digital

A Justiça dos Estados Unidos acusou três homens de serem os responsáveis por um ciberataque generalizado que paralisou a internet em vários países no fim de 2016.  O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou que um dos hackers, o ex-estudante de Informática de 21 anos Paras Jha, admitiu ter codificado o programa malicioso usado para disseminar o golpe e se declarou culpado. Josiah White e Dalton Norman, de 20 e 21 anos, respectivamente, também se declararam culpados por ajudar Jha no ataque. O ciberataque paralisou muitos sites nos EUA e em outras partes do mundo em 21 de outubro, incluindo Twitter e Amazon.

Segundo documentos judiciais tornados públicos, Paras Jha admitiu ter codificado o "botnet" Mirai. Essa rede lhe permitiu controlar 100 mil objetos conectados. Esse exército de máquinas foi usado hackers para lançar os ataques de negação de serviço a vários servidores. Durante essas investidas, milhares de computadores tentam acessar um único serviço conectado com o objetivo de inundá-lo com solicitações e tirá-lo do ar.

O Mirai contamina câmeras de segurança IP e gravadores digitais de vídeo (DVRs). A firma de segurança Imperva estimou que 11,8% dos dispositivos infectados por esse vírus estavam no Brasil, segundo país mais afetado pelo malware. A fatia brasileira só era menor que a do Vietnã, que é de 12,8%. Após o golpe, o ex-estudante publicou o código-fonte do malware em um fórum para permitir que outras pessoas usassem. Os três enfrentam condenações de prisão e multas por várias acusações, incluindo fraude.


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Novo golpe do boleto já distribuiu quase 300 mil e-mails no Brasil

Malspam (spam malicioso) foi criado especialmente para vítimas brasileiras, revela a Unit 42. Os boletos falsos são para roubar dados, senhas e nomes de usuários.

Ataques DDoS aumentam 138% e ficam, em média, em 300 Gbps no Brasil

A amplificação dos ataques de negaçaõ de serviço acendeu o sinal vermelho nas autoridades de segurança de rede do País. Os ataques mais comuns são os botnets de Internet das Coisas.

PROTESTE reprova antivírus usados nos celulares brasileiros

Associação de Consumidores testou 22 versões pagas e gratuitas de marcas como Eset, Bitdefender, GData, Kaspersky, Norton, Avira, Avast, McAffe e 360 Security. Nenhum atendeu a todos os requisitos técnicos testados.

Tokelau, com 1,5 mil habitantes, é o domínio mais usado para golpes

Código de país da ilha polinésia, ‘.tk’, é largamente utilizado para golpes na rede, segundo pesquisa global sobre phishing.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G