TELECOM

Celulares piratas: Teles dizem que bloqueio estimula mercado de segunda mão

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/12/2017 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações desconfiam que o sistema de bloqueio de celulares irregulares, ou ‘piratas’, terá um sucesso enganoso, na melhor das hipóteses, e ainda vai estimular um mercado paralelo de aparelhos de segunda mão. É que o sistema como colocado para funcionar não conseguirá impedir a clonagem dos números de identificação dos celulares. 

“A rede hoje identifica esses aparelhos através do IMEI. Se ela enxerga o IMEI da base da GSMA, diz que não é ‘xing-ling’. Só que clonar IMEI é uma atividade relativamente simples. Nós mesmos fizemos a experiência de comprar aparelhos na ‘Feira do Paraguai’. Nenhum deles é certificado pela Anatel. Mas todos têm nota fiscal. E todos têm IMEI”, afirmou o presidente-executivo do Sinditelebrasil, Eduardo Levy, em encontro com a Imprensa, em Brasília para um balanço de 2017.

Ele afirma que o setor é favorável a eliminação de aparelhos clandestinos. Mas a dúvida é o funcionamento do sistema de bloqueio na prática. Pelo raciocínio, enquanto houver facilidade para a clonagem dos IMEIs (o número internacional que em tese identifica cada aparelho como único), o resultado provável é que o sistema considere que todos os aparelhos em uso no país são legais porque todos terão esse código internacional, que é administrado pela Associação GSM. 

“Entendo o lado da indústria, que não quer aparelhos clandestinos no mercado. Só que esta vacina que está sendo dada pode trazer uma consequência danosa. Esta medida pode estimular o mercado de segunda mão. Além disso, o sistema não como saber qual é o aparelho legal. Se tiver quatro telefones com o mesmo IMEI e eu tiver que bloquear os quatro, vou estar tirando o serviço de alguém que comprou legitimamente. E com que direito?”, insiste o presidente do Sinditelebrasil. 

No fim de novembro, a Anatel aprovou um cronograma para a entrada em funcionamento do que chama SIGA, para Sistema Integrado de Gestão de Aparelhos. Ele começa em maio de 2018 por Brasília, Goiânia e regiões (DDDs 61 e 62), com previsão de chegar gradativamente a todo o país até março de 2019. A ideia é que aparelhos sem IMEI recebam um aviso de irregularidade e, em seguida, sejam bloqueados. 

“Conseguimos convencer a Anatel a fazer essa experiência porque acredito que não vamos encontrar aparelhos fraudulentos. Por conta da clonagem, todos vão ter IMEI. Só que não se pode, como consequência disso, achar que acabou o ‘xing-ling’ no Brasil. Então ficamos relativamente satisfeitos em convencer a Anatel a fazer um processo parcelado. E não é um processo que começa para concluir. Começa para avaliar.”


Eletrosul testa suporte por satélite com Telebras e Hughes

Com 11 mil km de linhas de transmissão, a empresa é responsável por aproximadamente 10% do sistema de transmissão do País. Piloto terá duração de 60 dias.

Oi unifica mainframes para acelerar serviços digitais

Tele também montou o Centro de Gerência de Serviços, em Brasília, com a missão de unificar as ações em áreas como recarga de pré-pago e faturamento.

Sercomtel terá 90 dias para se defender da caducidade das outorgas

Novo presidente da operadora paranaense foi à Anatel pedir autorização para vender imóveis e gerar caixa, mas uma decisão depende do processo de extinção das licenças em curso, que pode levar 12 meses. 

Anatel nega cautelar para afastar fundo da Oi, mas vai apurar controle da Nextel

Para a agência, controle da tele não passa de hipótese e depende da conversão da dívida por ações como proposto pelo fundo. Em Nova York, Aurelius foi derrotado na tentativa de tirar a recuperação judicial do Brasil. 

Comissão aprova projeto que obriga teles a fazerem bloqueio de telemarketing

Proposta original para cadastro de ‘não perturbe’ deixava a tarefa com os Procons. Mas substitutivo aprovado na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara transfere a responsabilidade para as operadoras de telecomunicações.

Atenta à Internet das coisas, Anatel quer mudar certificação de equipamentos

Como defendeu o relator da proposta que vai à consulta pública, Leonardo de Morais, o crescimento exponencial esperado com a IoT exige mudanças. “A certificação de conformidade na forma atualmente estabelecida seria ineficiente e mesmo impraticável”, afirmou.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G