INTERNET

Multissetorialidade é consenso, mas não há acordo sobre operação do CGI.br

Ana Paula Lobo ... 17/11/2017 ... Convergência Digital

Sem a presença do responsável pela Consulta Pública - Maximiliano Martinhão, agora, à frente da Telebras, e com um governo mais ouvindo do que participando, a audiência pública sobre as diretrizes da governança da Internet no Brasil reiterou as diferenças existentes entre os segmentos participantes do Comitê Gestor da Internet.

Sociedade Civil, Empresas, Governo e Comunidade Científica mantiveram suas posições e a proposta apresentada pela Associação Brasileira da Internet (Abranet) despontou como um caminho para se chegar ao consenso a ser encaminhado ao Governo, pelo próprio Comitê Gestor da Internet. A proposta da Abranet destaca cinco pontos:

1. Multissetorialismo, com a participação significativa de todos os setores.
2. Lógica bottom-up no funcionamento da estrutura e na formulação de políticas e posicionamentos.
3. Abertura das comunidades constituintes para todos os interessados.
4. Transparência e accountability de todas as comunidades constituintes.
5. Consenso como regra de operação em todas as instâncias decisórias.

O texto da Abranet estrutura o Comitê Gestor em três instâncias. Na base, cada um dos setores (governo, empresas, Terceiro Setor e academia) organiza sua própria composição de ‘membros associados’. O caráter é amplo mesmo, de forma a criar um canal permanente das comunidades com o CGI.

Em seguida, em uma camada intermediária, conselhos setoriais (de cada um dos quatro) funcionariam como instâncias deliberativas para as questões surgidas na base, cuidando de coordenar os trabalhos de sua respectiva comunidade.  A ideia aqui é que esses conselhos tem de 12 a 15 membros, no máximo. 

Finalmente, o que a Abranet chama de ‘Conselho Superior’ do CGI.br. Ou seja, aquilo que é mais ou menos o comitê gestor de hoje viraria esse ‘Pleno’ ou ou instancia decisória. A ideia é mudar um pouco o desenho atual, passando a 5 representantes por setor, em um total de 20 membros.

A Coalização Direitos na Rede, formada por entidades da sociedade civil, até concorda com parte da proposta da Abranet, mas defende a escolha do pleno do CGI.br por meio de eleição direta. A ideia de uma transição de 12 meses foi bem-recebida pela Coalização, que também defende um CGI.br com participação paritária, ou seja, todos com a mesma quantidade de representantes.

Os jovens do programa Youth@ForumBR cobraram mais transparência do CGI.br, com transmissão ao vivo das reuniões do Comitê Gestor. Também cobraram participação efetiva dos representantes. Por meio de dados abertos, o Observatório da Juventude, por exemplo,comprovou, por exemplo, a ausência do Ministério da Industria e Comércio de 19 das 29 reuniões realizadas.

Para Flávia Lefrèvre, da Proteste e do Terceiro Setor no CGI.br, a realização de uma audiência pública aberta no 7º Fórum da Internet é referência. “A consulta pública nasceu da necessidade de mudar. Essa audiência pública está ouvindo parcela significativa da sociedade. Esperamos que o Governo ouça e leve em conta o que foi debatido”, completou.


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Com covid-19, conectividade vira item essencial nas corporações

Digitalização obrigou as empresas a repensarem suas estratégias de conectividade, revela pesquisa com 2000 executivos no Brasil.

Em acordo com TSE, WhatsApp cria chatbot e canal de denúncias para Fake News

Robô vai responder questões relacionadas ao processo eleitoral e ainda esclarecer temas alvo de desinformação. 

Instagram passa Facebook Messenger e está em 81% dos celulares no Brasil

WhatsApp continua como o aplicativo mais popular no país, instalado em 99% dos dispositivos móveis. Telegram cresce e está em 35%. 

LGPD: Anatel cria página para explicar quais dados são coletados de usuários de telecom

Segundo agência, dados podem ser compartilhados com as operadoras quando houver reclamação junto ao regulador, com órgãos públicos ou em ações de órgãos de controle ou juidiciais, para realização de estudos, etc. 

Sebrae e Magazine Luiza planejam treinar 100 mil PMEs para vendas online

Programa oferece cursos de transformação digital e já capacitou 1,5 mil pequenas e médias empresas. Iniciativa abre frente para participação em marketplaces.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G