Home - Convergência Digital

Vivo cria plataforma para ser a operadora dos gamers no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 11/10/2017

Ser a primeira opção como operadora pelos usuários de games, um negócio bilionário no mundo e no Brasil. Essa é a estratégia da Vivo com o lançamento nesta quarta-feira, 11/10, da plataforma Vivo Games4U, em parceria com o Terra, na primeira solução conjunta desde a incorporação do portal à subsidiária brasileira ocorrida em julho.O anúncio aconteceu no Brasil Game Show, evento que acontece em São Paulo.

Em entrevista ao portal Convergência Digital, o diretor de serviços digitais e inovação da Vivo, Fernando Luciano, revela que conquistar o jovem usuário é crucial na estratégia para ampliar o consumo de dados. "Ele faz a diferença hoje e fará a diferença quando for adulto. A fidelização por um bom serviço é o diferencial nos serviços digitais", reforça.

Para a diretora do Terra, Carla Beltrão, o Game4U nasceu para ser um hub de conteúdo e entretenimento e que já na largada reúne mais de 300 jogos que podem ser 'jogados' online ou offline. Há também acordos exclusivos com youTubers ligados à área, como o Zangado, um dos mais famosos no País. A iniciativa terá conteúdo gratuito - sem publicidade - e um Premium, com custo de R$ 12.90 por mês ou R$ 4,90 por semana. "Teremos um conteúdo sempre atualizado, exclusivo e 100% feito para o mundo móvel", explica a executiva.

Ao Convergência Digital, Carla Beltrão revelou ainda que a marca Terra não será descontinuada pela Vivo. Ela segue como um produto da operadora com atuação em três áreas de negócios: publicidade, transmissão ao vivo de eventos e serviços digitais para B2B, segurança e educação. E, agora, com o Games4U também nessa área. "O trabalho é desenvolver mais e mais para o mundo móvel".

A Vivo também anunciou o patrocínio ao clube de eSports, ao Vivo Keyd; e a nova temporada do documentário Game Changers, que conta a história e os desafios de grandes gamers brasileiros que estão transformando o mercado. No primeiro episódio, Naná Fraga, uma das principais pró-players femininas do Brasil, jogadora de Counter Strike aborda o cenário competitivo profissional de Counter-Strike (e dos eSports) e a dificuldade de ingressar neste mercado sendo mulher.

Serão cinco episódios com os gamers: Wendell Lira, brasileiro que recebeu o Prêmio Puskas de futebol e hoje é conhecido pelos apaixonados de futebol virtual como WLPSKS; Eric “Atchiin” Wu, game changer campeão latino americano de Clash Royale (mobile); Brolynho, melhor jogador de Street Fighter do Brasil, representando o país nas cabeças de torneios internacionais; Roxy Rose, speedrunner especializada em jogos de terror e blogueira do Resident Evil Data Base. "Toda a estratégia foi e está sendo desenvolvida para sermos, sim, a operadora dos gamers no Brasil", resume Fernando Luciano.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/09/2019
Telefônica diz à CVM que desconhece planos para comprar Oi

09/09/2019
Vivo quer carro conectado até para não cliente

04/09/2019
Vivo fecha contrato de SD-WAN com franquia do McDonald's

03/09/2019
Bolsonaro recebe presidente global da Telefónica

02/09/2019
Vivo investe em redes 4G privativas para o mercado B2B

20/08/2019
Vivo coloca IA Aura para atender clientes pelo WhatsApp

16/08/2019
Levantamento elege a rede da Vivo a melhor do Brasil

15/08/2019
Bolsonaro reduz impostos sobre jogos eletrônicos. Zona Franca reage

01/08/2019
MP do Distrito Federal vai à Justiça para suspender serviço Vivo Ads

30/07/2019
Tencent e Qualcomm negociam chips para jogos em 5G

Destaques
Destaques

Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

Estudo global da GSMA mostrou ainda que, em 2018, 31 milhões de empregos, entre diretos e indiretos, foram criados pela economia móvel, que gerou US$ 3,9 trilhões, ou R$ 15,8 trilhões. O 4G se tornou o padrão da telefonia móvel.

Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

O Brasil é o país que lidera esse tipo de ataque, especialmente por meio do adware.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site