TELECOM

Nova proposta para 450 MHz prevê TACs para autorizar uso de satélite

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/10/2017 ... Convergência Digital

A Anatel tem uma nova proposta para endereçar o pedido das operadoras de usar conexões via satélite para cumprir as metas de cobertura associadas ao primeiro leilão do 4G, das faixas de 450 MHz e 2,5 GHz, em 2012. A sugestão é usar multas convertidas em obrigações de fazer como forma de permitir o uso do satélite, desde que 60% da cobertura seja feita com redes terrestres. 

A primeira proposta, do realtor Otávio Rodrigues, previa dar dois anos para o cumprimento na forma do edital. No segundo voto sobre o tema, Leonardo de Morais sustenta que não faz sentido cobrar o uso do 450 MHz com CDMA 2000, como era a expectativa à época, visto se tratar de uma tecnologia abandonada. E tampouco entende viável exigir LTE em 450 MHz por se tratar de tecnologia incipiente. 

“Hoje a situação é diferente. A referência em conectividade rural não é mais a faixa de 450 MHz, mas satélites em banda Ka. A enorme redução do custo em gigabits por segundo tem contribuído para tornar o satélite como alternativa cada vez mais interessante, inclusive como instrumento de política pública e massificação de acesso em banda larga”, defende Morais. 

A partir dessa premissa, o conselheiro sustenta a mecânica pela qual seria juridicamente viável adotar uma solução de conectividade diversa do que previa o edital 4/2012 da Anatel. A ordem é para que a superintendência de controle de obrigações instaure processos administrativos para cada operadora para apurar o cumprimento dos compromissos assumidos no leilão. Como, por óbvio, não haverá cumprimento total, visto ser essa a origem do pleito das teles, as vencedoras daquele leilão serão sancionadas. “Ao constatar inadimplemento, a área técnica deverá priorizar sanções de obrigações de fazer, sem prejuízo de outras sanções pertinentes”, aponta o conselheiro. 

A conversão de sanções por descumprimento de compromissos em “obrigações de fazer” é a base dos acordos de troca de multas por investimentos na forma de Termos de Ajustamento de Conduta. Na prática, portanto, a solução sugerida vai direto ao que seriam sanções com jeitão de TACs. Mas já com critérios específicos para a cobertura rural prevista no leilão de 2012. 

Em resumo, cada operadora terá que cobrir pelo menos 60% da meta com redes terrestres. Os 40% restantes poderão ser cobertos com conexões via satélite, sendo que metade disso devem ser áreas de implantação complexa, consideradas aí unidades de conservação ambiental, áreas de proteção, parques, etc, regiões de difícil acesso, com acidentes geográficos que dificultem excessivamente a operação terrestre, ou ainda com densidade demográfica inferior a 10 habitantes por quilômetro quadrado. 

Como pontuou o também conselheiro Igor de Freitas, “há dúvidas se é possível deixar de cumprir algo de forma diversa, ainda que obviamente tecnicamente inferior”. Ele lembrou que ao avaliar o TAC da Telefônica, o Tribunal de Contas da União não atacou o tema da troca de obrigações de 2G que o acordo prevê serem cumpridos com 4G. A agência, porém, voltou a adiar uma decisão, por conta de novo pedido de vista, agora do presidente Juarez Quadros. 


Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

Celulares terão que indicar taxa de radiação emitida

Ao revisar o regulamento que trata da exposição eletromagnética, Anatel prevê 120 dias para que os equipamentos vendidos tragam a informação nas caixas ou manuais.

Bloqueio de celular pirata será estendido a mais 10 estados

A partir de domingo, 23/9, quem tiver aparelho sem IMEI válido vai começar a receber mensagens de que o celular será bloqueado a partir de dezembro. Ativo em Goiás e no Distrito Federal desde fevereiro, sistema bloqueou cerca de 41 mil aparelhos.

TV paga: pirataria tem mais 'assinantes' que a Netflix no Brasil

Consultoria Business Bureau diz que a OTT possui 18% do mercado de assinatura de streaming de vídeo. A Globo Play fica na segunda posição, mas com apenas 4%. Pirataria no Brasil fica bem acima da média da América Latina.

Justiça mantém Pharol e Nelson Tanure fora da Oi até aporte de capital

Juiz Fernando Viana, da 7ªVara Empresarial do Rio de Janeiro, manteve a suspensão dos direitos políticos dos conselheiros e diretores da Oi ligados aos grupos.



Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G