Home - Convergência Digital

SINDPD/SP: Nova Lei trabalhista não 'matou' sindicatos nem a CLT

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 06/10/2017

O presidente da Central do Sindicato Brasileiro (CSB) e do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto, afirmou, em evento na capital paulista, que a nova Lei Trabalhista, que entra em vigor no dia 11 de novembro, aumenta a responsabilidade para as partes envolvidas na relação capital-trabalho.

"Agora é hora da nossa responsabilidade aumentar, lógico que vocês não devem esperar que vamos mudar nossa convenção coletiva para piorar as condições dos trabalhadores. Os sindicatos não farão, mas poderemos ter uma relação mais igual, com mais segurança jurídica. É bom lembrar que negociação é uma rua de duas mãos, não é mão única. Vamos ter que ter responsabilidade na hora de negociar", disse Neto, que ainda falou de compensação na hora de negociação.

"A nova lei diz que você pode trocar o benefício, mas tem que incluir outro. Quer retirar um benefício, precisa garantir uma substituição, uma compensação. Isso vai criar alternativas para passarmos por cima de algumas dificuldades", completou. Antonio Neto também refutou a afirmação dos parlamentares, de que a reforma diminuirá os processos trabalhistas e ainda reforçou os pontos inconstitucionais da nova lei.

"Essa reforma tem pontos inconstitucionais, temos o ordenamento jurídico, que foi rompido em vários pontos. Além disso, eles se esqueceram também que somos signatários de convenções internacionais, e a maioria delas de antes de 1988. Teremos um caos, teremos muitos mais processos trabalhistas", completou o presidente do Sindpd, que lamentou a maneira como a reforma está sendo divulgada.

"É uma pena que a maneira que a reforma está sendo vendida tenha gerado no empresariado brasileiro o mesmo assolamento que tiveram os parlamentares, e agora mudou tudo. Disseram que iria acabar os sindicatos e a CLT, mas vamos utilizar a negociação coletiva para fortalecer a negociação. É muito importante que as empresas saibam que é possível fazer acordo, e o Sindpd está aberto para fazer negociações, temos feito grandes negociações e procuramos ajudar o mercado. A partir de 11 de novembro, estaremos em um novo momento, estamos de portas abertas para fazer os acordos que forem necessários, para que a gente consiga continuar a ter uma relação de capital-trabalho de olho no olho", finalizou Neto.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/09/2018
Anatel: Políticas públicas de telecom estagnaram no Governo

10/09/2018
Justiça aceita denúncia e Kassab vira réu em ação que cobra R$ 21 milhões

16/08/2018
ABES defende rediscussão sobre autoridade de dados

15/08/2018
Erro obriga edição extra do Diário Oficial com vetos na Lei de Dados

15/08/2018
Coalizão Direitos na Rede diz que vetos enfraquecem Lei de Proteção de Dados

14/08/2018
Michel Temer: Autoridade de Dados como estava era inconstitucional

14/08/2018
Vetos à Lei de Proteção de Dados Pessoais atingem sanções e compartilhamento

15/05/2018
Paralisado, satélite da Telebras entra em balanço de Temer

09/05/2018
Cortes do orçamento vão ficar piores para Ciência, Tecnologia e Inovação

17/04/2018
Big data: Órgãos federais já podem contratar Serpro e Dataprev para cruzar dados

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Empregos em TI dobram em 10 anos e passam de 500 mil no Brasil

O Panorama do Setor de TICs 2018, elaborado pela Assespro Nacional, em parceria com a Assespro Paraná e a Universidade Federal do Paraná avaliou o período de 2006 a 2016. São Paulo lidera com 43% dos empregos, bem à frente dos demais Estados.

Decisão do STF a favor da terceirização não respalda a pejotização

Advogados procurados pelo portal Convergência Digital sustentam que a dispensa de empregados para a contratação como terceirizados pode caracterizar a subordinação e punição à corporação

'Jogo de cintura' não é balela. É sobrevivência

Mas toda flexibilidade exige limite. Um profissional precisa ter uma meta, um plano de carreira bem claro. A inflexibilidade também tem um custo para o profissional que se recusa a ver os novos tempos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site