Home - Convergência Digital

Serpro perde ação no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 04/10/2017

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, por meio da desembargadora Ana Maria Moraes Barbosa Macedo, concedeu aos trabalhadores do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) o direito da permanência do fretamento de ônibus gratuito oferecido pela empresa, que justificou a decisão por conta da crise orçamentária do governo federal.

Na decisão, o TRT - 2ª Região salilenta que "a alegação relativa à crise orçamentária não é suficiente para justificar a supressão de vantagem concedida pela empresa, não se podendo admitir que o risco do empreendimento seja transferido ao empregado".

O documento reitera ainda que "apesar de não ter natureza salarial, o transporte fretado fornecido, no caso concreto, constitui um direito adquirido do grupo de empregados substituídos e uma obrigação contratual do empregador, que se aderiu ao contrato, não podendo ser alterado ou suprimido unilateralmente, em prejuízo do empregado, de acordo com o que dispõe o artigo 468 da CLT. (...)".

Desdobramentos

O Serpro disponibiliza para 320 funcionários serviço gratuito de ônibus e vans há mais de 30 anos. Porém, em 1º de maio de 2016, a companhia anunciou a suspensão do benefício alegando que o orçamento sofreria cortes e consequentemente a contenção de gastos se aplicaria ao fretamento.

Antes de propor a ação, o Sindpd/ São Paulo pediu uma audiência ao Ministério Público para que a companhia se manifestasse sofre o que seria oferecido para suprir a falta do benefício, mas o Serpro não indicou que disponibilizaria outro recurso. Por esse motivo, o Sindicato entrou com a Ação Pública e pedido de tutela antecipada para que o serviço continuasse até o julgamento da liminar.

Em 26 de setembro, data do penúltimo recurso aplicado, a juíza do Trabalho Titular Sandra dos Santos Brasil julgou como procedente as indicações formuladas na Ação Civil Pública pelo Sindpd. Com a decisão, o Serpro passou a ser obrigado a continuar oferecendo o fretamento.

O coordenador do Departamento Jurídico do Sindpd São Paulo, José Eduardo Furlanetto, disse que cabe recurso ao Tribunal Superior do Trabalho, porém dificilmente as sentenças definidas anteriormente seriam anuladas, já que as alegações são de caráter legal. "Então você pega o direito adquirido, a supressão do benefício, porque não consta uma substituição para o vale-transporte no início do processo, e sim uma supressão e a súmula do próprio Tribunal sobre o empregado não assumir o risco do empreendimento, o TST dificilmente optaria por outra sentença. Apresentamos três fundamentos legais e estamos vitoriosos. O serviço nunca foi interrompido e tem veredito favorável aos funcionários", concluiu. Leia a íntegra da decisão do TRT.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/06/2018
Serpro vai ao Senado e diz que não vende dados pessoais

04/06/2018
Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

01/06/2018
MP do Distrito Federal pede investigação sobre suposta venda de dados pessoais feita pelo Serpro

26/04/2018
Carteira de motorista pelo smartphone já está disponível em todo o país

23/04/2018
Serpro é a primeira empresa a vender certificado digital na nuvem

20/04/2018
Serpro estuda redução de jornada para cobrir eventual reoneração da folha

10/04/2018
Serpro economiza mais de R$ 300 milhões com isenção de ICMS

04/04/2018
Trabalhadores do Serpro reivindicam 3% de aumento real

26/03/2018
TCU: custo operacional alto coloca Serpro e Dataprev em risco de colapso financeiro

22/03/2018
TCU manda Serpro e Dataprev mudarem planos de negócio

Veja mais artigos
Veja mais artigos

eSocial desafia a rotina dos Recursos Humanos

Por Juliana Andrade*

Chegou a hora de as empresas tirarem proveito da robotização, especialmente, na análise de cadastros para observar se há ou não alguma informaçaõ que destoe da atualidade. O regime fiscal online exige a reparação dos dados.

Destaques
Destaques

Juízes do Trabalho: Reforma trabalhista só vale depois da sua entrada em vigor

Decisão foi tomada por mais de 700 juízes e desembargadores. Para eles, a Lei 13.467/2017 só deve valer para processos e contratos iniciados após 11 de novembro de 2017, quando a legislação entrou em vigor.

Lei Trabalhista: TST decide que demissão só pode ser homologada no sindicato

Tema é controverso, mas o ministro Alexandre Agra Belmonte decidiu em setença que "se o empregado tiver mais de um ano de serviço, o pedido de demissão somente terá validade se assistido pelo seu sindicato".

Os 10 cargos em alta na TI para 2018

Conhecimento técnico não é mais o diferencial. Habilidades no relacionamento e de liderança estão pesando muito na hora da contratação.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site