Home - Convergência Digital

Franquia quer fomentar a construção de robôs nas escolas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 29/09/2017

Uma franquia do Piauí, que começa a chegar a São Paulo e Rio de Janeiro, está disseminando um método de ensino de robótica para crianças e jovens, pelo qual a disciplina é inserida no calendário escolar normal. Os programas envolvem crianças de dois a seis anos, em uma primeira etapa, e a partir de sete anos.

“As crianças que nascerem em 2017 jamais vão tirar carteira de habilitação. Serão conduzidas por robôs. Mas o maior bloqueio hoje é cultural, de pessoas que não aceitam ser ‘operadas’ por máquinas. Temos que trabalhar a geração atual para esse novo contexto”, diz o professor Gildário Lima, fundador da Tron Ensino de Robótica Educativa que nesta semana está no Rio de Janeiro para a Expo Franchising.

O sistema funciona em duas modalidades: robótica passiva e ativa. “De dois a seis anos as crianças recebem o que a gente chama de robótica passiva. Não vai aprender especificamente, mas utilizar a robótica para aprender o conteúdo de sala de aula. Para isso tem um conjunto de robôs pedagógicos com competências construídas de forma a atender exigências do MEC. É uma nova experiência, além da robótica em si, mas que envolve concentração, atividade lúdica, linguagem”, explica Lima. 

Na Robótica Ativa, destinada a estudantes entre sete e 21 anos, Lima explica que os alunos são desenvolvedores que resolvem problemas e desafios cotidianos, com foco em aplicações. “Eles aprendem a criar robôs e soluções tecnológicas. E acaba sendo robótica profissional, pois o aluno pode criar soluções de verdade, criar serviços, criar sua empresa e desenvolver.”

As escolas parceiras não precisam contratar novos profissionais. Segundo explica o fundador da Tron, além de material de capacitação, o sistema inclui roteiros e apostilas para alunos e professores, laboratório com mobília, computadores, ferramentas, impressora 3D, insumos eletrônicos e kits de robôs destinados às aulas práticas. O custo varia de acordo com o perfil da escola e é, em média, de R$ 70 a R$ 150 por aluno, por aula. 

“Hoje estamos em seis escolas no projeto piloto. Mas para 2018 vamos crescer muito. Além de Teresina, em São Paulo estamos entrando com um parceiro muito forte e estamos na feira do Rio de Janeiro com promessas de parcerias também.  Ano que vem estaremos em pelo menos 10 capitais, com estimativa de 30 mil a 50 mil alunos.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/10/2017
Bradesco lança quarta edição do programa inovaBra startups

10/10/2017
Start-up Brasil: 367 empresas se inscrevem e disputam 50 vagas

09/10/2017
Inovação: Governo investe menos, empresas um pouco mais. Recursos caem R$ 2,8 bilhões

29/09/2017
Franquia quer fomentar a construção de robôs nas escolas

18/09/2017
Fapesp e Microsoft têm R$ 4,5 milhões para pesquisas com inteligência artificial

04/09/2017
Banco do Nordeste vai repassar financiamentos da Finep para PMEs

01/09/2017
Falta de dinheiro pode parar o supercomputador Santos Dumont em outubro

25/08/2017
MCTIC mantém aceleradoras para nova fase do Startup Brasil

14/08/2017
São Paulo busca investimento para se tornar um hub global de Inovação

14/08/2017
FINEP vai financiar 100% de projetos de empresa e universidades

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Profissional do futuro é um análogo do canivete suíço

Esse especialista terá de reunir capacidades polivalentes, diz o consultor Marcos Semola. O especialista também decreta: O RH que pensa na caixinha está morto.

Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

BI, big data e cientista de dados: salários entre R$ 12 mil a R$ 30 mil no Brasil

Pesquisa revela que corporações brasileiras buscam especialistas nessas áreas para conduzir seus negócios.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site