Home - Convergência Digital

Franquia quer fomentar a construção de robôs nas escolas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 29/09/2017

Uma franquia do Piauí, que começa a chegar a São Paulo e Rio de Janeiro, está disseminando um método de ensino de robótica para crianças e jovens, pelo qual a disciplina é inserida no calendário escolar normal. Os programas envolvem crianças de dois a seis anos, em uma primeira etapa, e a partir de sete anos.

“As crianças que nascerem em 2017 jamais vão tirar carteira de habilitação. Serão conduzidas por robôs. Mas o maior bloqueio hoje é cultural, de pessoas que não aceitam ser ‘operadas’ por máquinas. Temos que trabalhar a geração atual para esse novo contexto”, diz o professor Gildário Lima, fundador da Tron Ensino de Robótica Educativa que nesta semana está no Rio de Janeiro para a Expo Franchising.

O sistema funciona em duas modalidades: robótica passiva e ativa. “De dois a seis anos as crianças recebem o que a gente chama de robótica passiva. Não vai aprender especificamente, mas utilizar a robótica para aprender o conteúdo de sala de aula. Para isso tem um conjunto de robôs pedagógicos com competências construídas de forma a atender exigências do MEC. É uma nova experiência, além da robótica em si, mas que envolve concentração, atividade lúdica, linguagem”, explica Lima. 

Na Robótica Ativa, destinada a estudantes entre sete e 21 anos, Lima explica que os alunos são desenvolvedores que resolvem problemas e desafios cotidianos, com foco em aplicações. “Eles aprendem a criar robôs e soluções tecnológicas. E acaba sendo robótica profissional, pois o aluno pode criar soluções de verdade, criar serviços, criar sua empresa e desenvolver.”

As escolas parceiras não precisam contratar novos profissionais. Segundo explica o fundador da Tron, além de material de capacitação, o sistema inclui roteiros e apostilas para alunos e professores, laboratório com mobília, computadores, ferramentas, impressora 3D, insumos eletrônicos e kits de robôs destinados às aulas práticas. O custo varia de acordo com o perfil da escola e é, em média, de R$ 70 a R$ 150 por aluno, por aula. 

“Hoje estamos em seis escolas no projeto piloto. Mas para 2018 vamos crescer muito. Além de Teresina, em São Paulo estamos entrando com um parceiro muito forte e estamos na feira do Rio de Janeiro com promessas de parcerias também.  Ano que vem estaremos em pelo menos 10 capitais, com estimativa de 30 mil a 50 mil alunos.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/09/2018
Brasil falha na capacitação de mão de obra para indústria 4.0

12/09/2018
Realidade Virtual para arquitetos e designers chega com exclusividade em Brasília

04/09/2018
Wayra, da Telefônica, e Liga Ventures vão acelerar o programa BNDES Garagem

30/08/2018
Hackathon de aplicações voltadas à indústria 4.0 têm prêmios de até R$ 6 mil

27/08/2018
MCTIC terá bônus tecnológico de R$ 2 milhões para inovação nas PMEs

10/08/2018
Prefeitura de São Paulo lança prêmio para fomento à inovação

06/08/2018
Empreendedorismo brasileiro não pode ficar refém de 'sabores políticos'

24/07/2018
Brasil tem 117 startups de Tecnologia da Informação

13/07/2018
Finep vai investir até R$ 280 milhões em infraestrutura brasileira de pesquisa

10/07/2018
Brasil fica atrás do Chile, Costa Rica e México, mas sobe cinco posições em ranking de Inovação

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Empregos em TI dobram em 10 anos e passam de 500 mil no Brasil

O Panorama do Setor de TICs 2018, elaborado pela Assespro Nacional, em parceria com a Assespro Paraná e a Universidade Federal do Paraná avaliou o período de 2006 a 2016. São Paulo lidera com 43% dos empregos, bem à frente dos demais Estados.

Decisão do STF a favor da terceirização não respalda a pejotização

Advogados procurados pelo portal Convergência Digital sustentam que a dispensa de empregados para a contratação como terceirizados pode caracterizar a subordinação e punição à corporação

'Jogo de cintura' não é balela. É sobrevivência

Mas toda flexibilidade exige limite. Um profissional precisa ter uma meta, um plano de carreira bem claro. A inflexibilidade também tem um custo para o profissional que se recusa a ver os novos tempos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site