Home - Convergência Digital

Franquia quer fomentar a construção de robôs nas escolas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 29/09/2017

Uma franquia do Piauí, que começa a chegar a São Paulo e Rio de Janeiro, está disseminando um método de ensino de robótica para crianças e jovens, pelo qual a disciplina é inserida no calendário escolar normal. Os programas envolvem crianças de dois a seis anos, em uma primeira etapa, e a partir de sete anos.

“As crianças que nascerem em 2017 jamais vão tirar carteira de habilitação. Serão conduzidas por robôs. Mas o maior bloqueio hoje é cultural, de pessoas que não aceitam ser ‘operadas’ por máquinas. Temos que trabalhar a geração atual para esse novo contexto”, diz o professor Gildário Lima, fundador da Tron Ensino de Robótica Educativa que nesta semana está no Rio de Janeiro para a Expo Franchising.

O sistema funciona em duas modalidades: robótica passiva e ativa. “De dois a seis anos as crianças recebem o que a gente chama de robótica passiva. Não vai aprender especificamente, mas utilizar a robótica para aprender o conteúdo de sala de aula. Para isso tem um conjunto de robôs pedagógicos com competências construídas de forma a atender exigências do MEC. É uma nova experiência, além da robótica em si, mas que envolve concentração, atividade lúdica, linguagem”, explica Lima. 

Na Robótica Ativa, destinada a estudantes entre sete e 21 anos, Lima explica que os alunos são desenvolvedores que resolvem problemas e desafios cotidianos, com foco em aplicações. “Eles aprendem a criar robôs e soluções tecnológicas. E acaba sendo robótica profissional, pois o aluno pode criar soluções de verdade, criar serviços, criar sua empresa e desenvolver.”

As escolas parceiras não precisam contratar novos profissionais. Segundo explica o fundador da Tron, além de material de capacitação, o sistema inclui roteiros e apostilas para alunos e professores, laboratório com mobília, computadores, ferramentas, impressora 3D, insumos eletrônicos e kits de robôs destinados às aulas práticas. O custo varia de acordo com o perfil da escola e é, em média, de R$ 70 a R$ 150 por aluno, por aula. 

“Hoje estamos em seis escolas no projeto piloto. Mas para 2018 vamos crescer muito. Além de Teresina, em São Paulo estamos entrando com um parceiro muito forte e estamos na feira do Rio de Janeiro com promessas de parcerias também.  Ano que vem estaremos em pelo menos 10 capitais, com estimativa de 30 mil a 50 mil alunos.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/02/2018
Facebook busca startups para segunda etapa da estação Hack em São Paulo

08/02/2018
Governo publica, enfim, a regulamentação do Marco Legal de Ciência e Tecnologia

22/01/2018
Finep e EMBRAPII se unem para financiar projetos de inovação

10/01/2018
Finep prorroga inscrições para programa de apoio a startups

10/01/2018
Brasil é reprovado nas ações políticas e tributárias de incentivo à Inovação

09/01/2018
Estudo identifica as top 5 tendências em Inovação

14/12/2017
Dois anos depois, Kassab diz que regulamentação do marco legal de C&T está pronta

01/12/2017
Inovação que dá certo é a que une a grande empresa à startup

01/12/2017
Oi investe em startups para ter 'inovação correndo nas veias'

28/11/2017
CCT aprova fim do contingenciamento para inovação e tecnologia em 2020

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Área de TI volta a contratar depois de dois anos de retração no Brasil

Pesquisa diz que as empresas estão retomando a contratação de profissionais seniores por conta dos projetos de IoT, Segurança da Informação e Inteligência Artificial.

Um em cada cinco trabalhadores dependerá da Inteligência Artificial

Confundir IA com automação por conta das previsões pessimistas de perdas de emprego ofusca o maior benefício da tecnologia, adverte o Gartner. Consultoria projeta a criação de dois milhões de novos postos de trabalho, por conta da IA, até 2025.

Linguagem C desbanca Java e Python e assume liderança entre os desenvolvedores

Índice Tiobe mostra ainda que há novas linguagens ganhando força, entre elas, a R, que subiu do 16º lugar para o 8º lugar.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site