Home - Convergência Digital

Franquia quer fomentar a construção de robôs nas escolas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 29/09/2017

Uma franquia do Piauí, que começa a chegar a São Paulo e Rio de Janeiro, está disseminando um método de ensino de robótica para crianças e jovens, pelo qual a disciplina é inserida no calendário escolar normal. Os programas envolvem crianças de dois a seis anos, em uma primeira etapa, e a partir de sete anos.

“As crianças que nascerem em 2017 jamais vão tirar carteira de habilitação. Serão conduzidas por robôs. Mas o maior bloqueio hoje é cultural, de pessoas que não aceitam ser ‘operadas’ por máquinas. Temos que trabalhar a geração atual para esse novo contexto”, diz o professor Gildário Lima, fundador da Tron Ensino de Robótica Educativa que nesta semana está no Rio de Janeiro para a Expo Franchising.

O sistema funciona em duas modalidades: robótica passiva e ativa. “De dois a seis anos as crianças recebem o que a gente chama de robótica passiva. Não vai aprender especificamente, mas utilizar a robótica para aprender o conteúdo de sala de aula. Para isso tem um conjunto de robôs pedagógicos com competências construídas de forma a atender exigências do MEC. É uma nova experiência, além da robótica em si, mas que envolve concentração, atividade lúdica, linguagem”, explica Lima. 

Na Robótica Ativa, destinada a estudantes entre sete e 21 anos, Lima explica que os alunos são desenvolvedores que resolvem problemas e desafios cotidianos, com foco em aplicações. “Eles aprendem a criar robôs e soluções tecnológicas. E acaba sendo robótica profissional, pois o aluno pode criar soluções de verdade, criar serviços, criar sua empresa e desenvolver.”

As escolas parceiras não precisam contratar novos profissionais. Segundo explica o fundador da Tron, além de material de capacitação, o sistema inclui roteiros e apostilas para alunos e professores, laboratório com mobília, computadores, ferramentas, impressora 3D, insumos eletrônicos e kits de robôs destinados às aulas práticas. O custo varia de acordo com o perfil da escola e é, em média, de R$ 70 a R$ 150 por aluno, por aula. 

“Hoje estamos em seis escolas no projeto piloto. Mas para 2018 vamos crescer muito. Além de Teresina, em São Paulo estamos entrando com um parceiro muito forte e estamos na feira do Rio de Janeiro com promessas de parcerias também.  Ano que vem estaremos em pelo menos 10 capitais, com estimativa de 30 mil a 50 mil alunos.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/05/2018
Brasília ganha comunidade que discute código aberto e ciências de dados

14/05/2018
Saúde ultrapassa TICs no programa Start-up Brasil

10/05/2018
Conflito entre sócios contribui para mortalidade de startups

04/05/2018
IoT, Fintech e Agritech dominam lista de empresas que vão receber R$ 18,5 milhões da FINEP

13/04/2018
Governo do DF oferece primeiras 8 salas do Parque Tecnológico

09/04/2018
Finep reduz juros de suas linhas de crédito para inovação

27/03/2018
Brasileiros têm carro autônomo como objeto de desejo

21/03/2018
Banco Daycoval e seguradora Zurich aderem ao Torq para fazer Inovação virar projeto

13/03/2018
Robô brasileiro é contratado para ajudar no Imposto de Renda

23/02/2018
No Brasil, 30% das startups morrem por falta de acesso ao capital

Veja mais artigos
Veja mais artigos

eSocial desafia a rotina dos Recursos Humanos

Por Juliana Andrade*

Chegou a hora de as empresas tirarem proveito da robotização, especialmente, na análise de cadastros para observar se há ou não alguma informaçaõ que destoe da atualidade. O regime fiscal online exige a reparação dos dados.

Destaques
Destaques

Juízes do Trabalho: Reforma trabalhista só vale depois da sua entrada em vigor

Decisão foi tomada por mais de 700 juízes e desembargadores. Para eles, a Lei 13.467/2017 só deve valer para processos e contratos iniciados após 11 de novembro de 2017, quando a legislação entrou em vigor.

Lei Trabalhista: TST decide que demissão só pode ser homologada no sindicato

Tema é controverso, mas o ministro Alexandre Agra Belmonte decidiu em setença que "se o empregado tiver mais de um ano de serviço, o pedido de demissão somente terá validade se assistido pelo seu sindicato".

Os 10 cargos em alta na TI para 2018

Conhecimento técnico não é mais o diferencial. Habilidades no relacionamento e de liderança estão pesando muito na hora da contratação.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site