INCLUSÃO DIGITAL

Brasil precisa investir R$ 200 bi para expandir a banda larga

Por Roberta Prescott ... 22/09/2017 ... Convergência Digital

O Brasil precisa investir aproximadamente R$ 200 bilhões para atingir a penetração de banda larga de 90% em dez anos. O montante inclui investimentos tanto da iniciativa privada como do governo, este último essencial para criar políticas de incentivo para levar a internet para as áreas remotas e pouco ou nada atraentes para os provedores de serviço de telecomunicações, conforme explicou Marcos Aguiar, diretor do BCG, em palestra durante o Painel TeleBrasil, que ocorre nesta semana em Brasília.

O especialista deixou claro que os subsídios são essenciais para viabilizar a oferta de internet banda larga nas regiões mais remotas. "Investimentos históricos da indústria precisam ser incrementados em 38% para democratização da banda larga. Os R$ 15 bilhões investidos pelas operadoras não são suficientes para a expansão desejada", sinalizou.

Ainda de acordo com Aguiar, a viabilização dos investimentos e o aumento da penetração da banda larga passam por dez princípios regulatórios, incluindo o compartilhamento de infraestrutura, o valor percebido pelos usuários e empresas e a garantia de competição. "É preciso reconhecer que há regiões em que há baixa atratividade e não tem espaço para nenhum player e conseguirão assegurar [a banda larga] por meio de subsídios. As melhores práticas mundiais para aumentar o dinamismo e a atratividade do setor apontam para financiar áreas que não são atraentes."

O diretor do BCG criticou, mais uma vez, a alta carga tributária do setor e a baixa rentabilidade da indústria, cujo retorno ficou em 4% em 2016, abaixo do que investidores podem obter em outros investimentos. Assistam a apresentação do diretor da BCG, Marcos Aguiar.


MPF recomenda que instituto cancele compra de MacBooks de R$ 12 mil e use PCs mais baratos

Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte (IFRN) quer 20 notebooks da Apple para o setor administrativo, em custo superior a R$ 250 mil. MPF diz que licitação deve incluir outras marcas. 

Covid-19 aumentou o uso da internet nas classes C, D e E

Segundo a pesquisa TIC Covid-19, do Cetic.br, a pandemia aumentou o uso da rede em todas as classes e faixas etárias. O que já era hábito entre os mais ricos, passou a ser mais comum entre os mais pobres para compras e serviços.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Saúde pública padece de acesso à Internet e de segurança de dados

Processo de levar acesso à Internet para as Unidades Básicas de Saúde(UBS) não avança e apenas 23% delas disponibilizam agendamento de consultas pela Internet. Nas unidades privadas, o atendimento online está em 100% do segmento. Diferença é evidente na comparação do Norte e Nordeste com o Sul e Sudeste.

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.

MEC exige energia elétrica nas escolas para levar banda larga

Escolas precisam também estar  em área de cobertura terrestre ou via satélite, e ter mais de 14 matrículas em 2020. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G