INTERNET

Com 100 Acórdãos, STJ começa a firmar jurisprudência sobre internet no Brasil

Luís Osvaldo Grossmann* ... 18/09/2017 ... Convergência Digital

O Superior Tribunal de Justiça, corte máxima para interpretação das leis federais brasileiras, já tem pelo menos 100 Acórdãos sobre disputas que envolvem a responsabilidade, remoção, ou indenização por conteúdos postados na internet, mostra um levantamento divulgado pelo tribunal nesta segunda, 18/9. 

O balanço resgata ações movidas desde 2007, mas que começam a ganhar volume efetivamente a partir de 2010 – portanto quatro anos antes do Marco Civil da Internet, a Lei 12.965/14. Como indica o STJ, algumas teses, como a responsabilidade subjetiva de provedores de conteúdo, já eram de algum modo adotadas, ainda que tenham sido ajustadas pela legislação específica. 

“Após o início da vigência do Marco Civil, o marco temporal para atribuição da responsabilidade do provedor foi deslocado da comunicação realizada pelo usuário para a notificação efetuada pelo Poder Judiciário, após a provocação do ofendido. A modificação guarda relação com o artigo 19 da lei, que dispõe que o provedor de aplicações só pode ser responsabilizado por danos decorrentes do conteúdo gerado por terceiros se, após ordem judicial específica, não tomar providências para remover o conteúdo apontado como infringente”, diz o STJ.

Entre pontos recorrentes dos Acórdãos, os provedores  “(i)  não  respondem objetivamente  pela  inserção no site, por terceiros, de informações ilegais;  (ii)  não podem ser obrigados a exercer um controle prévio do  conteúdo  das  informações  postadas  no site por seus usuários; (iii) devem, assim que tiverem conhecimento inequívoco da existência de  dados  ilegais  no  site,  removê-los imediatamente, sob pena de responderem  pelos  danos  respectivos; (iv) devem manter um sistema minimamente   eficaz   de   identificação  de  seus  usuários,  cuja efetividade será avaliada caso a caso”. 

Lista ainda o STJ que a “necessidade de indicação clara e específica do localizador URL do conteúdo  infringente para a validade de comando judicial que ordene sua  remoção  da  internet. A  necessidade  de indicação do localizador URL não é apenas uma garantia   aos  provedores  de  aplicação,  como  forma  de  reduzir eventuais questões relacionadas à liberdade de expressão, mas também é  um  critério  seguro  para  verificar  o cumprimento das decisões judiciais  que determinarem a remoção de conteúdo na internet”. 

A pesquisa do Tribunal inclui ainda casos em que houve alguma forma de responsabilização de provedores de conteúdo, em disputas que não raro envolvem grandes empresas da internet como Google ou Facebook. Um deles é a indenização de R$ 200 mil da Google ao piloto Rubens Barrichello, ao fim de uma briga judicial iniciada em 2006 mas que chegou ao STJ em 2011. O piloto reclamava de perfis difamatórios no ainda Orkut. 

* Com informações do STJ


Black Friday dá gás às vendas, mas fica longe do desempenho de 2016

Segundo levantamento da Ebit, vendas online cresceram 10,3%, contra alta de 17% em 2016. Nas lojas físicas, alta foi de 4,9%, conforme a Serasa, enquanto chegou a 11% no ano passado. 

Em Goiás, homem é condenado à prisão por compartilhar fotos no You Tube e no WhatsApp

Pena, no entanto, foi revertida para a prestaçaõ de serviços à comunidade. Homem divulgou fotos da ex-namorada em listas nas redes sociais por vingança.

'Vingança pornográfica" vai dar cadeia de dois a quatro anos

Avançou na CCJ do Senado o PL 18/2017, que adota punição mais rigorosa para o registro ou divulgação, não autorizada, de cenas de intimidade sexual de uma pessoal. PL seguiu em regime de urgência para o Plenário do Senado.

Consumidores ignoram termos de privacidade de dados no Brasil

E o consentimento tem sido a base legal para o processamento das informações, observou o sócio sênior da Accenture, José Moscati.

FCC apresenta proposta que acaba com neutralidade de rede nos EUA

O presidente da agência reguladora americana, Ajit Pai, disse que “sob a minha proposta, o governo federal vai parar de microgerenciar a internet”. 

Revista Abranet 22 . set/nov 2017
Veja a Revista Abranet nº 22 Reforma trabalhista: impactos para os ISPs. Conheça o novo cenário e saiba o que muda para as empresas de Internet. E mais: Os robôs chegaram pra valer; A incerteza dos 450 MHz; TIC Educação: o papel dos provedores.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G