INTERNET

Apps coreanos que monitoram vida online dos filhos põem usuários em risco

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/09/2017 ... Convergência Digital

Em meados de 2015, o governo da Coreia do Sul determinou às operadoras móveis do país que instalassem aplicativos nos celulares de crianças e adolescentes de forma a permitir o bloqueio de conteúdo considerado impróprio assim como o monitoramento de atividades online pelos pais. Dois anos depois, auditorias mostram que pelo menos três dos apps que se tornaram populares contém graves riscos de vazamento ou uso malicioso dos dados dos usuários.

“Auditorias de segurança realizadas pelo Citizen Lab, Cure 53 e OpenNet Korea descobriram que um aplicativo popular de monitoramento, ‘Xerife Espero’, custeado pelo governo da Coreia, têm sérios problemas de segurança e privacidade”, alertam as entidades, que agora buscam apoio para que a determinação da Comissão de Comunicações da Coreia, o regulador de telecom do país, seja revogada. 

Os estudos ressaltam que a Coreia foi o primeiro país do mundo a exigir filtros de conteúdo a menores de idade instalados em seus telefones celulares. O ‘Xerife Esperto’ tem o objetivo de bloquear pornografia. Ele chegou a ser relançado com outro nome (Cyber Security Zone), mas segundo o Citizen Lab “têm muitos dos mesmos problemas de segurança”. 

Além desses, outro app, Smart Dream, permite que os pais monitorem a troca de mensagens e o histórico de navegação dos filhos. “A análise revelou sérias vulnerabilidades que permitem acesso não autorizado às mensagens armazenadas e o histórico de buscas”, diz o alerta das entidades. 


PL de Dados Pessoais tem de olhar para as pequenas e médias empresas

Equilíbrio deve ser a palavra-chave da legislação de forma a assegurar o desenvolvimento tecnológico. "Não temos só as grandes companhias", adverte Ciro Freitas, advogado da Pinheiro Neto.

Economia digital: 'Sem dados, regulamentação fica muito emocional'

A afirmação é do professor da FGV e ex-conselheiro e superintendente-geral do CADE, Carlos Ragazzo. Segundo ele, falta uma discussão estruturada sobre a regulamentação de novas tecnologias no país.

BRFibra: ISPs fazem o trabalho das operadoras, mas faltam backbones e sistemas DWDM

"Ter a fibra óptica no acesso não é tudo. Precisamos ter condições de distribuir as informações", observa o José Paulo Linné, presidente da BRFibra Telecomunicações.

Em 12 meses, internet fixa ganhou 1,5 milhão de novas conexões

A alta foi de 5,92% no período. Brasil tem 28,1 milhões de acessos ativos a internet fixa. Provedores Internet responderam por 66% dessas novas conexões.

PEC inclui acesso à Internet entre os direitos fundamentais

Medida, aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara Federal, será analisada por uma Comissão Especial a ser criada. Irá ainda a Plenário para votação.

Revista Abranet 22 . set/nov 2017
Veja a Revista Abranet nº 22 Reforma trabalhista: impactos para os ISPs. Conheça o novo cenário e saiba o que muda para as empresas de Internet. E mais: Os robôs chegaram pra valer; A incerteza dos 450 MHz; TIC Educação: o papel dos provedores.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G