INTERNET

Teles propõem uma reformulação geral no modelo de votação do Comitê Gestor

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/09/2017 ... Convergência Digital

As principais empresas de telecomunicações do Brasil, também as principais fornecedoras de conexões à internet no país, propõem uma forte reformulação na composição do CGI.br. Na consulta sobre o tema aberta pelo governo, a sugestão concentra o peso dos votos em apenas três grupos, sendo as próprias operadoras um deles, além de governo e Terceiro Setor.  

 “Claramente há necessidade de mudanças. Essas mudanças devem ser no sentido de que sejam representados, de forma equilibrada, os setores que são os atuais atores da internet brasileira”, sustenta a sugestão, subscrita separadamente pela Oi, Telefônica, Algar e pelo sindicato nacional do setor, Sinditelebrasil. “Equilibrada”, no caso, significa quatro cadeiras para as empresas, cinco para o governo e outras quatro, direcionadas para o Terceiro Setor. 

As vagas das empresas seriam para telecom, provedores de conteúdo, prestadores de serviço e setores tradicionais. As cinco vagas do governo seriam para MCTIC (duas), Justiça, Itamaraty e Anatel. Já as quatro do Terceiro Setor iriam para entidades que representem usuários, defesa de direitos civis, educação e telecomunicações. 

Outras quatro vagas seriam destinadas à comunidade acadêmica, mas apenas para fazer observações. Esse grupo, a ser formado pelo representante de notório saber e por especialistas em roteamento e endereçamento IP, segurança de redes e sistemas DNS, não teria direito a voto. 

A mudança mais substancial da proposta é na concentração dos votos nesses grupos. Ou seja, ‘empresas’, ‘governo’ e ‘Terceiro Setor’ reuniriam um total de três votos, um único para cada grupo. Na prática, transforma o que atualmente é minoria nas votações em majoritário, com os votos do MCTIC e das teles sendo capazes de formar maioria absoluta. 

Claro

Além dessas mudanças, vale mencionar uma proposta à parte apresentada pela Claro (América Móvil). Ela mantém um total de 21 assentos no CGI.br, sendo que dos 9 votos do governo, dois seriam reservados ao MCTIC e outros dois à Anatel, sendo os demais da Casa Civil, Justiça, Defesa, Indústria, Relações Exteriores. 

Cresce, porém, a participação das empresas. Hoje, são quatro votos para o setor empresarial como um todo, quatro para sociedade civil e quatro para comunidade científica. A proposta separa em quatro grupos, com três votos cada: empresas de infra & telecom; empresas usuárias; sociedade civil e academia. 


"Nem todos os robôs utilizados na Internet são ruins", adverte o TSE

Segunda reunião do Tribunal Superior Eleitoral para tratar das chamadas fake news discutiu, entre outros temas, modelagem API ea criação de um ambiente virtual para receber denúncias e sugestões.

CGI.br: Multissetorialismo se mantém como base para a Governança da Internet

O CGI.br entregou as suas recomendações ao MCTIC para o aperfeiçoamento da estrutura da governança da Internet. Iniciativa reúne consensos entre os setores acadêmico, empresarial e terceiro setor. Há sugestões de mudança na estrutura do próprio Comitê Gestor.

FCC derruba neutralidade de rede e EUA se preparam para guerra judicial

Sem surpresas, a decisão se deu em bases partidárias: a maioria Republicana matou as regras que impediam operadoras de discriminarem tráfego na internet. Mas a decisão vai ser questionada nos tribunais. 

Assespro vai ao STF obrigar juízes a usarem MLAT nos dados fora do Brasil

Com filiados como Facebook, Microsoft e Uber, entidade quer a prevalência do acordo de cooperação judiciária com os EUA para acesso a informações de usuários, mesmo brasileiros, que estejam em datacenters no exterior.  

Brasil tem 91% dos sistemas autônomos com alocação IPv6

NIC.br prevê o esgotamento dos endereços IPv4 para fevereiro de 2019. Números do Brasil estão bem acima da média mundial que é de 55%, revela Ricardo Patara, que participa da 7ª semana da Infraestrutura da Internet.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G