Clicky

Convergência Digital - Home

A10Networks adota o modelo do hardware como serviço

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 30/08/2017

A A10 Networks trouxe para o Brasil o modelo do 'pagou, usou' para a aquisição de suas soluções de hardware e software para infraestrutura de rede, revela a diretora de canais para a América Latina, Bruna Wells. A executiva revela que também foi fechada parcerias com as provedoras de cloud - Amazon e Microsoft Azzure - para consolidar a iniciativa.

"Só vendemos por meio de canal. O cliente quer essa facilidade. Temos os data centers e os provedores Internet, este ano, em função da migração para o IPv.6, como grandes verticais no país", pontua Bruna Wells. A executiva admite que a comercialização é nova e que foram necessárias adaptações da própria fabricante. "Estamos em treinamento do nosso canal. Mas esse é o modelo da transformação digital", acrescenta.

2017 não está sendo um ano fácil, mas para a A10 Networks os provedores Internet têm sido responsáveis por boa parte dos negócios, e hoje, já representam quase 30% da receita da companhia. "As operadoras ainda são o grande mercado", reforça Bruna Wells. Com um índice de migração do IPv.4 - já esgotado na América Latina - para o IPv.6 entre 18%, segundo dados do NIC.br, ou 20%, de acordo com o Google, a Unifique, operadora catarinense de telecomunicações e Provedora de Serviços de Internet (ISP) com atendimento em mais de 100 cidades, adotou a plataforma Thunder CGN 3030 da fabricante A10 Networks com objetivo de ganhar escalabilidade e adaptar sua infraestrutura para o novo protocolo da Internet.

Sediada em Timbó (SC), a Unifique possui, hoje, uma rede com mais de cinco mil quilômetros de fibra óptica, três data center próprios, mais de 600 funcionários diretos e atendimento físico em 21 unidades. "Tivemos que agir rápido para não parar a expansão da Unifique e precisávamos acabar com nossos problemas de esgotamento de IPs", revela Jorge Scoz Junior, gerente de Redes da Unifique.

A solução escolhida é a série A10 Thunder CGN da A10 Networks para o cenário enfrentado pela Unifique e outros provedores de serviços de internet. Com a capacidade de estender a conectividade por meio de Carrier Grade Network Address Translation (CGNAT) ou Large Scale NAT, é possível criar uma nova camada de “tradução” de endereço em grande escala e a partir de um IPv4 público, atribuir endereços privados aos clientes da Unifique.

Além disso, o equipamento ajuda ISP’s na transição gradual e simultânea para o IPv6. A A10 Network já está preparada para este cenário desde 2010, trazendo ao Brasil a experiência similar ocorrida em 2011 na Ásia, quando se esgotaram os protocolos IPv4.

Os Thunder CGN 3030 instalados atendem picos de mais de 60 mil usuários, que geram tráfego superior a 30GB por segundo. “A solução da A10 Networks funciona sem paradas há cerca de um ano. Não temos problemas e ficamos seguros de oferecer aos nossos usuários a melhor tecnologia de CGN do mercado”, complementa Scoz, que ainda planeja expandir suas aquisições em tecnologia com o sistema de proteção de DDoS da A10 Networks.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site