INTERNET

Max Martinhão: Consulta não foi feita para enfraquecer o CGI.br

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/08/2017 ... Convergência Digital

O Ministério de Ciência e Tecnologia abriu nesta semana uma consulta pública que discute mudanças na composição do Comitê Gestor da Internet. Como foi feita, segundo parte dos integrantes do CGI.br de surpresa, a iniciativa gerou reações imediatas. Mas para seu idealizador, o secretário de Políticas de Informática e coordenador do CGI.br, Maximiliano Martinhão, não há motivos para polêmica. 

“Sempre fui transparente na relação com os ativistas digitais. Foram várias preocupações ao longo desse ano, pós mudanças no governo, e sempre tranquilizei”, diz Martinhão, referindo-se a diferentes queixas de entidades de direitos digitais de movimentos que buscariam enfraquecer o CGI.br.  “Por uma conjuntura política, houve uma escolha de polarizar politicamente. Não têm razão de pensar que o Ministério vai fazer algo dessa natureza”, completou. 

“A gente jamais vai desprestigiar o CGI.br. A gente colocou que vai prestigiar o modelo multissetorial, o governo vai ser minoria. Não há mudanças radicais na proposta de consulta pública. Eu tenho minha opinião. O setor privado tem a dele. A academia tem sua opinião. O Terceiro Setor tem sua opinião. A consulta é aberta para ouvir todo mundo. Não tem nenhum direcionamento na consulta pública”, emenda Martinhão. 

A reação, porém, persiste. Depois de uma nota da Coalizão Direitos na Rede pelo cancelamento da consulta, na quinta, 10/8, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que é o relator do projeto de lei de proteção de dados pessoais, engrossou o coro contra a proposta do MCTIC. 

“De modo surpreendente, sem nenhum tipo de diálogo, abriu-se uma consulta para alterar a composição do Comitê Gestor da Internet. Vou fazer um pedido de informações para que o MCTIC explique a justificativa para tomar essa medida autoritária, e que pode ter consequência na vida das pessoas, porque é o órgão que regula a atividade da internet”, sustentou o parlamentar. 

Para Silva, “o Congresso Nacional deve acompanhar essa medida e atuar para que seja revogada essa consulta pública e respeitada a atual composição do Comitê Gestor da Internet. Vamos acompanhar de perto todo esse processo”, completou o parlamentar.


Banda larga fixa: ISPs adicionam o dobro de novos acessos do que as teles

Foram 122 mil novos acessos de banda larga por parte dos provedores Internet. Já as teles, somadas, adicionaram 60 mil acessos no mês de junho.

Austrália proíbe servidor público de ‘curtir’ ou comentar contra o governo nas redes sociais

País criou um guia de conduta nas redes sociais com regras rigorosas. Uma delas exige que os funcionários públicos removam comentários desagradáveis, mesmo que de terceiros, ainda que naveguem fora de horário de trabalho. 

Banco Central adia regulamentação dos marketplaces

Autoridade Monetária atendeu pleito do setor varejista da Internet e deu mais tempo para a adequação às novas regras. De acordo com a FECOMÉRCIO/SP, pelo menos, 25 mil empresas seriam afetadas com a medida.

STJ diz que Facebook não é obrigado a fazer controle prévio das postagens

Para a ministra do Tribunal, Nancy Andrighi, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam “traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas”.

ICANN dá vitória à Amazon na briga de domínio com os governos do Brasil e do Peru

Três anos depois de perder a primeira batalha, a provedora conseguiu uma revisão do processo na ICANN e recuperou o dominio .Amazon.

Revista Abranet 21 . junho/agosto 2017
Veja a Revista Abranet nº 21 Convenção Abranet 2017 reuniu provedores de Internet na Bahia para debater não apenas o mercado, mas também a atual situação do Brasil.
Veja também: Oportunidades no Wi-Fi; A revolução do blockchain; WannaCry para a Internet e muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G