INTERNET

Austrália proíbe servidor público de ‘curtir’ ou comentar contra o governo nas redes sociais

Convergência Digital ... 09/08/2017 ... Convergência Digital

O governo da Austrália lançou um guia para a relação dos servidores públicos com as redes sociais. Como sustenta a Public Service Comission, algo equivalente ao que seriam funções do Ministério do Planejamento, no Brasil, as responsabilidade limitam a participação do funcionalismo nos debates públicos.

O guia defende “julgamento cuidadoso” antes de postagens na rede e argumenta que “a velocidade e o alcance das comunicações online significam que o material postado é imediatamente disponível a uma ampla audiência. Pode ser difícil apagar e pode ser replicado infinitamente. Pode ser enviado, ou visto, por pessoas que o autor jamais pretendeu alcançar”. 

“As novas diretrizes alertam que os servidores públicos estarão sob alcance do código de conduta se ‘curtirem’ de postagens antigoverno, enviarem e-mails privados com material negativo ou não removerem ‘comentários sórdidos’ postado por outros sobre o governo. As novas políticas se aplicam mesmo aos empregados que usam redes sociais em caráter privado e fora do horário de trabalho”, diz a Comissão.  

No Brasil, o Ministério do Planejamento tem um Código de Conduta Ética (PDF) que vale para os funcionários da pasta e que tem um artigo específico (26o) para redes sociais: “Sem prejuízo do pensamento crítico e da liberdade de expressão, o agente público não deve, de forma deliberada, realizar ou provocar exposições nas redes sociais e em mídias alternativas que causem prejuízos à imagem institucional do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e de seus agentes públicos.”


Índia multa Google em R$ 70 milhões por abuso de posição dominante

Comissão de Competição do país entendeu que o motor de buscas favorecia seus próprios sistemas comerciais nos resultados das pesquisas. 

CCJ do Senado aprova projeto que exige consentimento para grupos em redes sociais

PLS 347/16 prevê que aplicações como Facebook, Whatsapp ou Telegram precisam de anuência prévia dos usuários para a criação de novos grupos.

Senador quer cadeia para ‘fake news’, mas só as divulgadas na Internet

Projeto de lei de Ciro Nogueira (PP-PI) prevê reclusão de um a três anos se a notícia falsa for publicada na rede mundial. Se for na televisão ou em jornais impressos, a pena é menor e em regime aberto. TSE chama Google, Twitter e Facebook para conversar.

Pequenos provedores puxam mercado e banda larga fixa cresce 7,15% em 2017

Os ISPs responderam por mais de dois terços do crescimento no número de conexões e viram fatia de mercado passar de 10,9% para 14,6% no Serviço de Comunicação Multimídia. 

Metalúrgica reduz R$ 1 milhão/ano em consumo de água com Internet das Coisas

CBA (Companhia Brasileira de Alumínio) investiu em tecnologia para monitorar o consumo de água e reduziu o consumo de 3.146 para 52 metros cúbicos por mês.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G