TELECOM

Ministério Público processa Oi e Anatel por orelhões que não funcionam

Luís Osvaldo Grossmann* ... 10/07/2017 ... Convergência Digital

Enquanto as concessionárias reclamam da manutenção dos telefones públicos sem geração de receita suficiente, o Ministério Público Federal resolveu atacar o caso específico do estado de Pernambuco, onde metade dos orelhões não funciona, e processou a Oi e a Anatel na tentativa de que os serviços sejam regularizados em 10 dias.

“Levantamento realizado pela [Anatel], sobre a situação dos TUPs em Pernambuco, atesta a insatisfação dos consumidores devido ao mau funcionamento dos aparelhos. A média é de apenas 50% dos terminais individuais em funcionamento”, sustenta o MPF/PE, que acrescenta ter recomendado à Oi, desde 2014, a solução dos problemas. 

“No entanto, mesmo após a recomendação, foi verificado que a disponibilidade dos TUPs continua aquém do determinado pela Anatel e recomendado pelo MPF. Além de a empresa não garantir o funcionamento mínimo dos TUPs, conforme estabelecido pela Anatel, o MPF reforça que a autarquia se omitiu do dever de tomar as medidas cabíveis para resolver o problema.”

Orelhões que não funcionam são problema antigo. Em um levantamento feito em 2011, a Anatel identificou que praticamente metade dos orelhões do país não funcionava, ou mais do que isso a depender da região. Na época, somente 44% deles operava em Alagoas, 46% na Paraíba, 51% no Maranhão e 61% em estados como Paraná e Santa Catarina.

A Anatel pressionou as concessionárias, especialmente a Oi, que detém oito em cada 10 orelhões do país, quando chegou a determinar que se fosse encontrado um telefone público em funcionamento, as chamadas seriam gratuitas. As teles se queixam de que as receitas são muito aquém das despesas, mas jamais a Anatel questionou o impacto dos aparelhos que não funcionam sobre esse faturamento. 

A situação continua ruim. Como indicado no mais novo relatório da Anatel, divulgado no fim de junho, “na última aferição, realizada em agosto de 2016, os patamares mínimos estabelecidos não haviam sido atingidos em 12 estados – Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraíba, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul – onde permanecia em vigor a gratuidade para chamadas”. No Pará, do presidente da Anatel Juarez Quadros, apenas 38% dos orelhões funciona. 

Depois das reduções gradativas no número de orelhões, a Anatel preparou o corte total dessa obrigação no que seria o novo Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU 4), mas o documento acabou cancelado depois que as empresas se recusaram a assinar a revisão quinquenal dos contratos. Como lembra o MPF, apesar dessa discussão, as obrigações permanecem. 

“O sistema de telefonia público está sendo remodelado para que as empresas de telefonia reforcem ações referentes à expansão dos sinais de internet. Entretanto, enquanto os modelos desses contratos não forem finalizados pelo poder público, o MPF entende que as obrigações de manutenção dos TUPs devem ser cumpridas, porque os telefones públicos trazem receitas para as empresas e parte do lucro da exploração do serviço de telefonia deve ser destinado, por força de contrato e de lei, para a manutenção dos TUPs.”

* Com informações do MPF


AmericaNet: Não faz sentido ter de construir rede por conta de direito de passagem

Inovação é a palavra-chave para a operadora competitiva competir no mercado de telecom, diz o vice-presidente da AmericaNet, José Luiz Pelosini. Ele lamenta que aspectos regulatórios inviabilizem a expansão dos negócios. "Compartilhamento ainda é um entrave".

Use Telecom: "Não conseguimos um real sequer do BNDES e da FINEP"

André Costa, CEO da operadora, com atuação na Bahia e no Sergipe, diz que o governo cobra muito e devolve pouco. Sobre o compartilhamento é taxativo: "O acordo entre a Anatel e Aneel pelos postes não é praticado em nenhum lugar do Brasil".

TIM abre laboratório para projeto de rede do Facebook na América Latina

Operadora será responsável pelo primeiro Telecom Infra Project Community Lab ("Laboratório Comunitário TIP") da região.

Faltam dinheiro e apoio para a construção de rede no Brasil

"Falta apoio dos órgãos públicos, falta financiamento acessível, falta vontade de fazer", diz Rui Gomes, CEO da UMtelecom, empresa que atua na Região Nordeste.

Juarez Quadros: "Estamos prontos para arbitrar disputas pelo compartilhamento"

O presidente da Anatel admite que para as operadoras competitivas há mais dificuldades para celebrar acordos com as concessionárias, mas diz que é preciso levar o embate para o órgão regulador.

Teles afirmam que bloqueio de celular em presídios é exigência inconstitucional

Em nota, o SindiTelebrasil adverte que o Supremo Tribunal Federal já decidiu sobre o tema em leis dos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Se o PL 3019/15 for aprovado no Senado, as operadoras terão de instalar, manter e gerenciar os sistemas.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G