INTERNET

Projeto Temer para um novo plano de banda larga pode ficar para o próximo governo

Ana Paula Lobo ... 31/05/2017 ... Convergência Digital

Sem um prazo para a votação do PLC 79/16 no Senado Federal - e com grande possibilidade de o projeto ser modificado e ter que retornar à Câmara Federal - o projeto do Governo Temer de criar um novo Plano Nacional de Banda Larga, rebatizado de Plano Nacional de Conectividade, pode ficar apenas para o próximo governo. O plano do MCTIC, de acordo com o secretário de Telecomunicações, André Borges, será conhecido até o final de junho, já define novas regras, mas ele é 100% dependente dos recursos da revisão do modelo do setor.

"O PLC 79/16 é a curto e a médio prazo, a única fonte de financiamento para políticas públicas", admitiu Borges, ao participar da cerimônia de abertura do Abrint 2017, evento voltado para provedores regionais, em São Paulo, nesta quarta-feira, 30/05. Apesar dos pesares, o Plano Nacional de Conectividade anda. Borges anunciou que a intenção é fazer leilão reverso para permitir que pequenos provedores tenham condições de competir com as grandes operadoras. O leilão reverso vai beneficiar quem apresentar a proposta de melhor investimento, recebendo o menor valor.

"Esse é o desenho para que recursos não fiquem vinculados ao interessado, a operadora que o gerou, e é uma forma de dar participação a todos", explicou Borges, que recebeu por parte da Abrint o recado: os provedores regionais estão incomodados com a falta de concorrência justa com as grandes operadoras. "É preciso que o governo defina que esses recursos do plano nacional de conectividade sejam, de fato, destinados para municípios sem banda larga. E não para onde as operadoras querem investir e podem vir a concorrer de forma não assimétrica com os provedores", afirmou Erick Rodrigues, presidente da Abrint.

A viabilidade do Plano apenas em 2019 foi explicada pelo presidente da Anatel, Juarez Quadros. Segundo ele, mesmo que o PLC 70/16 venha a ser aprovado ainda este ano, será necessário pelo menos um ano para que as determinações possam vir a ser aplicadas - entre elas a opção das próprias concessionárias (Oi, Embratel, Telefônica e Algar) se vão querer migrar ou não. São condicionantes reais e que exigem trabalhos".


"Nem todos os robôs utilizados na Internet são ruins", adverte o TSE

Segunda reunião do Tribunal Superior Eleitoral para tratar das chamadas fake news discutiu, entre outros temas, modelagem API ea criação de um ambiente virtual para receber denúncias e sugestões.

CGI.br: Multissetorialismo se mantém como base para a Governança da Internet

O CGI.br entregou as suas recomendações ao MCTIC para o aperfeiçoamento da estrutura da governança da Internet. Iniciativa reúne consensos entre os setores acadêmico, empresarial e terceiro setor. Há sugestões de mudança na estrutura do próprio Comitê Gestor.

FCC derruba neutralidade de rede e EUA se preparam para guerra judicial

Sem surpresas, a decisão se deu em bases partidárias: a maioria Republicana matou as regras que impediam operadoras de discriminarem tráfego na internet. Mas a decisão vai ser questionada nos tribunais. 

Assespro vai ao STF obrigar juízes a usarem MLAT nos dados fora do Brasil

Com filiados como Facebook, Microsoft e Uber, entidade quer a prevalência do acordo de cooperação judiciária com os EUA para acesso a informações de usuários, mesmo brasileiros, que estejam em datacenters no exterior.  

Brasil tem 91% dos sistemas autônomos com alocação IPv6

NIC.br prevê o esgotamento dos endereços IPv4 para fevereiro de 2019. Números do Brasil estão bem acima da média mundial que é de 55%, revela Ricardo Patara, que participa da 7ª semana da Infraestrutura da Internet.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G