INOVAÇÃO

Mercado aposta que internet das coisas terá ‘privacidade por design’

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/02/2017 ... Convergência Digital

Provavelmente o tema mais sensível diante do avanço tecnológico e da conectividade ubíqua, a defesa da privacidade dos usuários da internet das coisas é vista com abordagens distintas, como mostra a consulta pública do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, que objetiva subsidiar um plano nacional de IoT. 

Para o mercado privado, operadoras de telecomunicações e fabricantes de equipamentos, a privacidade já é devidamente protegida até por ser um princípio constitucional. Daí a melhor forma de protegê-la estar na incorporação dessa proteção desde o desenvolvimento de serviços e produtos. 

“As normas já vigentes, principalmente a Constituição Federal trazem princípios e garantias fundamentais, que protegem o indivíduo nas questões atinentes à segurança, intimidade, privacidade, de modo que o indivíduo estará amplamente amparado nas mais diversas situações. Portanto, o arcabouço normativo existente atualmente já contempla dispositivos que asseguram de maneira equilibrada e eficiente a segurança dos cidadãos em ambientes digitais”, defendeu a Telefônica na consulta. 

Entendimento semelhante tem a indústria de software e serviços, para quem, conforme aponta a Brasscom, “é prematuro, na fase atual, elaborar legislação que restrinja IoT a determinados limites (incluindo-se uma legislação específica que verse sobre proteção de dados pessoais) entendendo que se deve permitir o crescimento deste ecossistema, incentivando empresas e usuários a trabalharem em conjunto para desenvolver melhores práticas para este mercado, incluindo-se, práticas relacionadas à privacidade”.

Entre essas melhores práticas, a indústria sustenta que as proteções sejam prevista desde a prancheta. “Do ponto de vista tecnológico, a segurança e a privacidade devem ser abordadas no dispositivo, na camada de aplicação, na camada da conectividade e na nuvem. A Abinee entende que as empresas de tecnologia responsáveis pelo desenvolvimento de produtos e serviços de TIC devem adotar o princípio da “Privacy by Design” com o objetivo de criar salvaguardas para a privacidade dos usuários desde a sua criação, passando pela fase de elaboração até o lançamento de seus produtos e serviços, buscando prever potenciais ameaças desde o seu processo de concepção.”

A privacidade por design também é algo defendido por entidades sociais. “As regras de segurança devem ser aplicadas no processo de design e não posteriormente. As empresas precisam conduzir avaliação de risco e privacidade, minimizar o conjunto de dados coletados e retidos (princípio da necessidade), e testar as medidas de segurança antes de lançar produtos”, ressalta o Idec. Mas não só. Para a entidade “o fomento da indústria de Internet das Coisas sem a aprovação da lei geral de proteção de dados pessoais é extremamente danosa”. 

Nas palavras do Intervozes, “um Plano Nacional de Internet das Coisas deve estar conectado com este esforço de regulamentação ampla e unificada. A pressa não pode ser argumento para desconsiderar este enquadramento institucional global para a temática da proteção de dados”. Por isso, a entidade também defende a aprovação do PL 5276/16 – a proposta de lei de proteção de dados como enviada ainda na gestão de Dilma Rousseff ao Congresso.  

“A emergência do Big Data é uma realidade. Mas não pode ser vista como dado inexorável que justifique a violação de direitos consagrados e positivados em marcos normativos internacionais e nacionais. É exatamente em um ambiente de computação pervasiva e de interesses crescentes na coleta, processamento e uso de dados pessoais que o Estado, como representantes dos titulares de direitos, deve ser o guardião dessas garantias. O PL 5276/2016 apresenta um tratamento adequado para grande parte dos aspectos tratados na consulta”, diz o Intervozes.


Cloud Computing
FGV oferece curso online gratuito de Ciências de Dados

Com duração de 60 horas, as aulas são baseadas em língua inglesa. A instituição oferece outros 85 cursos gratuitos durante a pandemia de Covid-19, entre eles, Gestão de TI nos negócios.

Pesquisa de inovação mostra investimento baixo e falta de política pública

Segundo o IBGE, as empresas inovadoras do Brasil investiram menos de 2% da receita em P&D. “A agenda de inovação é urgente e deveria ser prioridade”, aponta a Confederação Nacional da Indústria. 

Laura, a IA nacional que já salvou 12 mil vidas, entra no combate ao Coronavírus

Tecnologia será disseminada em todo o Brasil, depois de um acordo com o governo federal. Em setembro do ano passado, no Rio Info 2019, o Convergência Digital entrevistou um dos idealizadores da Laura.

Brasil precisa formar massa crítica de empreendedores para inovação

A posição é defendida pelo CEO da Fábrica de Startups, Hector Simões, que tem como meta se tornar o maior hub de inovação do Rio de Janeiro.

Investimentos em fintechs disparam para R$ 7,6 bilhões no Brasil

Aportes triplicaram puxados pela injeção de R$ 1,9 bilhão no Nubank e R$ 1,6 bilhão no Banco Inter.  Brasil ocupa o quinto lugar entre os maiores centros de captação de fundos de fintechs no mundo.

Governo seleciona entidades para compor GT de propriedade intelectual

Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, originalmente parte da Camex e agora sob tutela do Ministério da Economia, terá 10 representantes da sociedade civil. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G