SEGURANÇA

'Trancar' as fronteiras cibernéticas é legítimo, mas invalida a Internet

Por Roberta Prescott e Rodrigo dos Santos ... 11/11/2016 ... Convergência Digital

Muitos países tratam a cibersegurança como parte de sua segurança nacional e muitos querem "trancar" suas fronteiras cibernética, o que é, na opinião do vice-presidente do Information Technology Industry Council (ITI), John S. Miller, bastante legítimo, mas não é compatível com a maneira que a internet foi desenvolvida e a medida impede a interoperabilidade para se transferir dados.

O especialista em segurança da informação falou à CDTV, do portal Convergência Digital, durante o IX Seminário TelComp, realizado no dia 08 de novembro, em São Paulo. Para Miller, os governos terão de trabalhar com o setor privado para desenhar a política de cibersegurança e devem analisar múltiplos modelos antes de escolher um. "Privacidade é absolutamente essencial para as pessoas, companhias e governos. E ambos, segurança e privacidade, são essenciais para se ter confiança", destacou.

Confira a entrevista, na qual Miller também responde a perguntas sobre aumento da complexidade da segurança com o advento da internet das coisas e orienta os legisladores a não olhar apenas para um sistema, mas para o conjunto e as diferentes abordagens na hora de fazer uma lei de privacidade e proteção de dados.


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Guerra cibernética passa a ter mesmo status de armas atômicas nos EUA

Comando Cibernético foi elevado em decisão anunciada por Donald Trump e com o propósito de "enfatizar o desenvolvimento de armas cibernéticas para impedir ataques, punir intrusos e enfrentar adversários".

STF autoriza extradição de hacker que teria fraudado US$ 4,85 milhões nos EUA

Tribunal deferiu pedido do governo dos Estados Unidos para extraditar Michael Knighten, que seria integrante de um grupo de criminosos cibernéticos autodenominado Techie Group.

GhostCtrl: o malware que transforma o celular em espião

Segunda versão do GhostCtrl pode bloquear a tela do dispositivo, redefinir sua senha e também rotear o aparelho infectado.

Em dois anos, ransomware levou R$ 80 milhões

Estudo apresentado nesta terça,25/7, em duas universidades dos Estados Unidos, além da Google, investigou 34 famílias de vírus desde o início de 2016. 



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G