INTERNET

Anatel abre debate público sobre franquia na banda larga fixa

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/11/2016 ... Convergência Digital

A Anatel abre nesta sexta-feira, 11/11, uma consulta online para colher opiniões sobre a adoção de franquia nas conexões fixas à internet. Em 29 perguntas, a agência espera colher subsídios para uma posição final sobre o assunto, que por enquanto encontra-se pendurado em uma medida cautelar adotada em abril e que vem impedindo as operadoras de usarem esse modelo de precificação. 

Para tentar se aprofundar nesse debate, as perguntas serão colocadas no portal da agência na internet (anatel.gov.br). Entre elas, a existência efetiva de risco de esgotamento de capacidade das redes, os impactos desses modelos de limites de download sobre o ecossistema da rede, outras alternativas de cobrança, experiências internacionais e mesmo questões sobre a legalidade desse tipo de precificação. 

“A regulamentação é deficiente? Precisa ser alterada ou complementada? Temos elementos suficientes para iniciar um processo de alteração regulatória? É um problema que pode ser resolvido com o que já temos, a partir de uma interpretação mais ou menos rigorosa? É preciso contratar consultoria diante do volume de respostas? Há pouca certeza em relação a essas questões e nessa etapa vamos tentar concatenar esses problemas”, explica o relator do tema na Anatel, conselheiro Otávio Rodrigues Jr. 

Em que pese se tratar de um processo aberto a quem quiser responder, a agência dará uma deferência especial a especialistas e entidades selecionadas – cerca de 150, como OAB, órgãos de defesa do consumidor, Ministério Público, órgãos de Estado, etc – que serão diretamente procurados para que participem do debate. “Uma audiência pública às vezes não consegue contar com grandes especialistas. Daí uma posição mais ativa de convidar essas pessoas”, pondera o conselheiro. Em princípio, terão 30 dias para responder, mas o prazo pode ser prorrogado. 

As perguntas foram costuradas na agência ao longo dos últimos cinco meses em um esforço de torná-las acessíveis ao público amplo, mas também para evitar indicar alguma tendência. “A ideia foi fazer uma tábula rasa para que não houvesse qualquer tipo de pré concepção, para não dizer preconceito, de que a Anatel estaria de alguma forma enviesada. Partimos de uma certa humildade para questões amplas”, diz Rodrigues, ciente de que a agência é alvo de críticas por ter inicialmente sinalizado apoiar as franquias. “Entendemos que esse modelo precisa ser testado, que o momento adequado é esse até como recuperação, ou antes reforço, na credibilidade desse tipo de análise regulatória”.

O resultado, porém, é um questionário que por não ser específico em certas questões – por exemplo, quanto consome um ‘heavy user’, ou quais os problemas de congestionamentos já enfrentados efetivamente – corre o risco de terminar no mesmo clima de ‘fla-flu’ que esse debate apresentou até aqui, com muita opinião e poucos fatos. A expectativa, porém, é de que esse tipo de subsídio surja naturalmente a partir dos especialistas. 

“Temos de fato alguns mitos que ainda precisam ser comprovados. Daí que talvez pessoas na condições de expertos, sem conexão direta com interesses setoriais, possam trazer algumas informações. Mas não há solução fácil nem espaço para um maniqueísmo de bons e maus. Estamos em momento de transição de modelo de negócios, de tecnologia, do modo como os serviços são remunerados”, avalia o conselheiro-relator. 


Netshoes vai pagar R$ 500 mil por vazamento de dados de quase 2 milhões de clientes

Acordo foi firmado entre a empresa e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Vazamento das informações aconteceu em janeiro do ano passado e comprometeu dados pessoais como nome, CPF, e-mail, data de nascimento e histório de compras.

Fusões e aquisições vão marcar ano dos ISPs no Brasil

Prestadores de serviços ganham a preferência dos consumidores por oferecerem velocidade e estabilidade na oferta da banda larga. Segundo a IDC Brasil, chegou a vez dos provedores avançarem no B2B.

CGI.br: Política de cibersegurança tem de respeitar privacidade e direitos humanos

Em nota, Comitê Gestor endossa o documento 'Chamado de Paris', produzido no IGF 2018. E alerta que decisões sobre o ciberespaço preciisam de uma abordagem multissetorial.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G