INTERNET

Anatel abre debate público sobre franquia na banda larga fixa

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/11/2016 ... Convergência Digital

A Anatel abre nesta sexta-feira, 11/11, uma consulta online para colher opiniões sobre a adoção de franquia nas conexões fixas à internet. Em 29 perguntas, a agência espera colher subsídios para uma posição final sobre o assunto, que por enquanto encontra-se pendurado em uma medida cautelar adotada em abril e que vem impedindo as operadoras de usarem esse modelo de precificação. 

Para tentar se aprofundar nesse debate, as perguntas serão colocadas no portal da agência na internet (anatel.gov.br). Entre elas, a existência efetiva de risco de esgotamento de capacidade das redes, os impactos desses modelos de limites de download sobre o ecossistema da rede, outras alternativas de cobrança, experiências internacionais e mesmo questões sobre a legalidade desse tipo de precificação. 

“A regulamentação é deficiente? Precisa ser alterada ou complementada? Temos elementos suficientes para iniciar um processo de alteração regulatória? É um problema que pode ser resolvido com o que já temos, a partir de uma interpretação mais ou menos rigorosa? É preciso contratar consultoria diante do volume de respostas? Há pouca certeza em relação a essas questões e nessa etapa vamos tentar concatenar esses problemas”, explica o relator do tema na Anatel, conselheiro Otávio Rodrigues Jr. 

Em que pese se tratar de um processo aberto a quem quiser responder, a agência dará uma deferência especial a especialistas e entidades selecionadas – cerca de 150, como OAB, órgãos de defesa do consumidor, Ministério Público, órgãos de Estado, etc – que serão diretamente procurados para que participem do debate. “Uma audiência pública às vezes não consegue contar com grandes especialistas. Daí uma posição mais ativa de convidar essas pessoas”, pondera o conselheiro. Em princípio, terão 30 dias para responder, mas o prazo pode ser prorrogado. 

As perguntas foram costuradas na agência ao longo dos últimos cinco meses em um esforço de torná-las acessíveis ao público amplo, mas também para evitar indicar alguma tendência. “A ideia foi fazer uma tábula rasa para que não houvesse qualquer tipo de pré concepção, para não dizer preconceito, de que a Anatel estaria de alguma forma enviesada. Partimos de uma certa humildade para questões amplas”, diz Rodrigues, ciente de que a agência é alvo de críticas por ter inicialmente sinalizado apoiar as franquias. “Entendemos que esse modelo precisa ser testado, que o momento adequado é esse até como recuperação, ou antes reforço, na credibilidade desse tipo de análise regulatória”.

O resultado, porém, é um questionário que por não ser específico em certas questões – por exemplo, quanto consome um ‘heavy user’, ou quais os problemas de congestionamentos já enfrentados efetivamente – corre o risco de terminar no mesmo clima de ‘fla-flu’ que esse debate apresentou até aqui, com muita opinião e poucos fatos. A expectativa, porém, é de que esse tipo de subsídio surja naturalmente a partir dos especialistas. 

“Temos de fato alguns mitos que ainda precisam ser comprovados. Daí que talvez pessoas na condições de expertos, sem conexão direta com interesses setoriais, possam trazer algumas informações. Mas não há solução fácil nem espaço para um maniqueísmo de bons e maus. Estamos em momento de transição de modelo de negócios, de tecnologia, do modo como os serviços são remunerados”, avalia o conselheiro-relator. 


2018: o ano para o Facebook apagar da sua história

Rede social admitiu que houve roubo de dados de 29 milhões de usuários na brecha de segurança descoberta no mês passado. De 15 milhões de usuários violados, foram roubados dois conjuntos de informações: nome e detalhes de contato, incluindo número de telefone, e-mail ou ambos, dependendo do que os indivíduos tinham em seus perfis.

Brasil é o segundo país do mundo a ter portal do Cidadão do Facebook

Ferramenta, criada por conta das eleições nos EUA em 2016, permite a conexão entre eleitores e autoridades eleitas.

Teles seguem governo dos EUA e processam Califórnia contra neutralidade

Quatro associações de empresas do setor de telecom dos Estados Unidos ingressaram na Justiça para tentar bloquear a legislação estadual que retomou regras para a oferta de internet.

Brasil chega aos 4 milhões de endereços ‘.br’

Marca atingida neste 1º/10 inclui as mais de 120 categorias de domínios, sendo que o ‘com.br’ é o mais popular, com 3,6 milhões, ou 91% dos registros. Desse total, 1 milhão já são de registros no padrão mais seguro conhecido como DNSSEC.

Abranet: conceito de ‘pequeno’ da Anatel desconsidera realidade da Internet

Associação Brasileira de Internet adverte à agência que 68% do segmento tem no máximo 500 clientes. Só 158 empresas chegam a 5 mil acessos. "É um risco classificar todos da mesma maneira", sinaliza o representante da entidade, Edmundo Matarazzo.

Revista Abranet 25 . ago-set-out 2018
Veja a Revista Abranet nº 25 Ordenar o uso e organizar o compartilhamento das infraestruturas aérea e terrestre são medidas imperativas para as empresas de energia, telecomunicações e de internet. E muito mais...
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G