Home - Convergência Digital

Home Office dispara no Brasil, mas trabalhadores reclamam das empresas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 10/11/2016

O teletrabalho chegou para ficar no Brasil. De acordo com o levantamento Future Workforce Study, realizado pela Penn Schoen Berland, a pedido da Dell e da Intel, constatou que os brasileiros estão entre os que mais trabalham remotamente. No país, 53% dos entrevistados afirmam que realizam tarefas profissionais de casa em algum momento da semana – sendo que 24% todos os dias -, contra uma média de 34% nos demais países.

Sobre os principais benefícios dessa flexibilidade de não ter de trabalhar necessariamente no escritório, 38% dos brasileiros afirmam que isso permite mais concentração nas atividades, 36% conseguem um melhor equilíbrio de vida (pessoal e profissional) e 29% são mais produtivos ao não perder tempo com deslocamentos para o trabalho. O estudo consultou 3,8 mil profissionais de pequenas, médias e grandes companhias, em dez países, entre eles, o Brasil.

Apesar da preferência dos profissionais pelo trabalho remoto, a pesquisa aponta que nem todos os brasileiros entrevistados se sentem totalmente amparados pela empresa, em termos de suporte tecnológico, quando estão atuando de forma remota. Quando questionados sobre se a empresa resolve qualquer problema com tecnologia quando estão fora do escritório, metade (50%) dos profissionais consultados no Brasil concorda apenas em parte com essa situação e só 31% apontam que a companhia dá total suporte.

“Essa pesquisa reforça a percepção de que o hábito das pessoas tem, muitas vezes, mudado mais rápido do que a TI das organizações. No entanto, as empresas precisam estar preparadas para as transformações nos ambientes de trabalho, para evitar riscos associados à segurança e gestão das informações, assim como para garantir a satisfação dos profissionais”, aponta Jacques Fogliarini, Diretor de Marketing da Dell Brasil.

Ainda segundo o estudo Future Workforce Study, 51% dos brasileiros consideram que a tecnologia torna o trabalho bem mais fácil – contra uma média mundial de 34%. Apesar disso, as pessoas no Brasil ainda tendem a priorizar as interações pessoais. Quando questionados sobre a melhor forma de contato com os colegas de trabalho, 55% apontam que preferem conversar face-a-face, enquanto apenas 7% optam pelo uso do telefone, 7% pelo vídeo e 31% não têm um formato preferido.

Por outro lado, dos entrevistados no Brasil, 60% concordam que a disseminação do trabalho remoto no país e o aprimoramento das tecnologias utilizadas para comunicação a distância tendem a tornar a interação face-a-face obsoleta no futuro. Para mais informações sobre os resultados do Future Workforce Study, acesse: http://www.dellworkforcestudy.com/br/ 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/07/2018
Home office não existe para quase 70% dos servidores públicos no Brasil

07/08/2017
Reforma trabalhista: jornada de trabalho não se aplica ao home office

11/05/2017
O teletrabalho e a reforma trabalhista

13/04/2017
Reforma Trabalhista regulamenta teletrabalho em substitutivo

08/02/2017
Reforma trabalhista: relator na Câmara defende regulamentação do teletrabalho e jornada móvel

10/11/2016
Home Office dispara no Brasil, mas trabalhadores reclamam das empresas

28/10/2016
Prodam faz projeto piloto de teletrabalho

12/08/2016
Justiça Federal de SP regulamenta teletrabalho

03/08/2015
Home office: CNJ abre consulta para normatizar opção para servidores

07/07/2015
Ir à luta por conta própria. Você está preparado?

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TRT julga dissídio coletivo de TI em São Paulo

Decisão garante reajuste de 3,43% em todas as cláusulas econômicas e ainda prevê que nenhum trabalhador pode ser demitido nos 90 dias a contar de 28 de agosto. 

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

A posição é defendida pelo diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani. Segundo ele, acumular tarefas e colocar prazos em conflito é um risco alto.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site