GOVERNO » Compras Governamentais

Em nota oficial, Planejamento nega que esteja abrindo mercado governamental para Microsoft

Da redação ... 03/11/2016 ... Convergência Digital

O Ministério do Planejamento encaminhou nesta quinta-feira, 03/11, uma nota oficial ao Portal Convergência Digital, que a publica na sua íntegra.

"Sobre a matéria ‘Megacompra de licenças da Microsoft interessa ao ministério do Planejamento’, o Ministério do Planejamento repudia qualquer ilação de que a gestão setorial em TI realizada pelo órgão se baseia em quaisquer interesses particulares por se tratar de uma política institucional. Neste sentido, cabe esclarecer ainda:

Não há uma mudança na política pública de uso de software livre ou público. O projeto de contratação conjunta de software não visa interferir nesta estratégia. O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) realiza desde 2008 aquisições de Tecnologia da Informação por meio de aquisições conjuntas, que geram economia para os cofres públicos.

O processo para esta aquisição começou em maio de 2015, quando o ministério fez uma pesquisa com mais de 200 órgãos federais para verificar a necessidade de aquisição de soluções com licenciamento. Destes 48 órgãos responderam, sendo que 20 incluíram necessidades para produtos da Microsoft. Vale ressaltar que esta compra conjunta é para atualização e ampliação das licenças já existentes e não para substituição de softwares livres. Lembrando que para participar da aquisição conjunta, os órgãos ainda deverão justificar a necessidade, que será avaliada por técnicos da Secretaria de Tecnologia da Informação (STI).

Vale ainda esclarecer que uma Ata de Registro de Preço não oficializa uma compra. Ela registra a necessidade dos órgãos e garante ainda um menor preço por se tratar de uma compra conjunta. 

É importante dizer ainda que o software livre continua sendo a primeira opção a ser considerada pela administração pública. Essa exigência é trazida com força normativa pelo principal instrumento de contratação de TI do Governo Federal, a Instrução Normativa nº 4, de 2014. A norma estabelece que a avaliação das soluções disponíveis deve ser iniciada por estudo da viabilidade do uso de software público e/ou livre.

Ao contrário do escrito na matéria, os comitês técnicos não foram extintos. Foram transformados nas Redes de Conhecimento (http://www.governoeletronico.gov.br/egd/redes-de-conhecimento). A proposta é promover o debate de novas tecnologias que facilitem a prestação de serviços públicos digitais, o acesso à informação e a participação social. Uma das redes trata exclusivamente do fomento ao software livre e público.

Inclusive, foi publicada, em 4 de outubro, a Portaria nº 46, que reforça a importância da política voltada para software livre, pois todos os softwares desenvolvidos por órgãos públicos deverão ser disponibilizados no Portal do Software Público.

Além disso, incentivamos o compartilhamento de soluções a partir do Catálogo de Software do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação, o SISP. Esse catálogo foi oficializado com a publicação da Portaria nº 48, também de 4 de outubro. 

Em relação à Segurança da Informação e Comunicação (SIC), o ministério assinou um acordo com o Inmetro em agosto deste ano para implantar o Programa Nacional de Certificação e Homologação de Ativos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Com a medida, o governo federal somente fará a aquisição de produtos de TIC certificados por organismos acreditados pelo Instituto que sigam as regras estabelecidas pelo Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro).​

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO

*Nota da Redação

A guinada na política de uso do Software Livre no governo é fato, conforme comprovou o portal em diversas ações em que este ministério esteve presente. A alegação de que a Comunidade voltada para esta solução continua contemplada após a perda do Comitê de Implementação do Software Livre é uma afirmação que não condiz com o pensamento dos próprios envolvidos com essa política. Este portal não quis fazer ilação alguma ou pretendeu sugerir, que o ministro Dyogo Oliveira esteja pensando em ganhar dinheiro com essa licitação. Isso foi manifestado previamente à Assessoria de Imprensa quando essa nos solicitou a publicação de nota oficial. Por fim, o portal em nenhum momento tratou da questão de segurança da informação.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Resolução abre estudos para privatização de Serpro e Dataprev

Quase um mês depois da decisão anunciada, Conselho do Programa de Parceria de Investimentos determina a análise, que deve ficar com o BNDES, “de alternativas de desestatização ou parceria com a iniciativa privada”.

Entidades de TI se mobilizam contra aumento de imposto para serviços

Proposta da Reforma Tributária, em discussão no governo, poderá causar um incremento de 11 pontos percentuais na tributação dos serviços, reclamam a Fenainfo e a Feninfra.

Congresso debate impacto das TICs no futuro do Brasil

Câmara e Senado vão promover um fórum para discutir temas como inteligência artificial, propriedades de dados pessoas, cidades inteligentes e internet das coisas. "Os dados pessoais serão o ativo mais importante de um País", afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Privatização da Telebras e perda da soberania antagoniza deputados e Governo

Enquanto representantes do governo Bolsonaro afirmam que 'é cedo' para discutir o impacto real da possível venda da estatal, parlamentares da CCTI da Câmara, entre eles, o deputado Luis Miranda, do DEM/DF, criticam a decisão por interferir em dados sensíveis ao Estado.

Zona Franca reivindica prazo máximo de 180 dias para a concessão de PPB

O prazo de concessão do benefício fiscal tem sido, em média, de dois anos, conforme dados apurados junto à Suframa. Situação da Zona Franca ganha contornos estratégicos com o prazo apertado para fazer a revisão obrigatória da Lei de Informática.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G