GOVERNO » Compras Governamentais

Em nota oficial, Planejamento nega que esteja abrindo mercado governamental para Microsoft

Da redação ... 03/11/2016 ... Convergência Digital

O Ministério do Planejamento encaminhou nesta quinta-feira, 03/11, uma nota oficial ao Portal Convergência Digital, que a publica na sua íntegra.

"Sobre a matéria ‘Megacompra de licenças da Microsoft interessa ao ministério do Planejamento’, o Ministério do Planejamento repudia qualquer ilação de que a gestão setorial em TI realizada pelo órgão se baseia em quaisquer interesses particulares por se tratar de uma política institucional. Neste sentido, cabe esclarecer ainda:

Não há uma mudança na política pública de uso de software livre ou público. O projeto de contratação conjunta de software não visa interferir nesta estratégia. O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) realiza desde 2008 aquisições de Tecnologia da Informação por meio de aquisições conjuntas, que geram economia para os cofres públicos.

O processo para esta aquisição começou em maio de 2015, quando o ministério fez uma pesquisa com mais de 200 órgãos federais para verificar a necessidade de aquisição de soluções com licenciamento. Destes 48 órgãos responderam, sendo que 20 incluíram necessidades para produtos da Microsoft. Vale ressaltar que esta compra conjunta é para atualização e ampliação das licenças já existentes e não para substituição de softwares livres. Lembrando que para participar da aquisição conjunta, os órgãos ainda deverão justificar a necessidade, que será avaliada por técnicos da Secretaria de Tecnologia da Informação (STI).

Vale ainda esclarecer que uma Ata de Registro de Preço não oficializa uma compra. Ela registra a necessidade dos órgãos e garante ainda um menor preço por se tratar de uma compra conjunta. 

É importante dizer ainda que o software livre continua sendo a primeira opção a ser considerada pela administração pública. Essa exigência é trazida com força normativa pelo principal instrumento de contratação de TI do Governo Federal, a Instrução Normativa nº 4, de 2014. A norma estabelece que a avaliação das soluções disponíveis deve ser iniciada por estudo da viabilidade do uso de software público e/ou livre.

Ao contrário do escrito na matéria, os comitês técnicos não foram extintos. Foram transformados nas Redes de Conhecimento (http://www.governoeletronico.gov.br/egd/redes-de-conhecimento). A proposta é promover o debate de novas tecnologias que facilitem a prestação de serviços públicos digitais, o acesso à informação e a participação social. Uma das redes trata exclusivamente do fomento ao software livre e público.

Inclusive, foi publicada, em 4 de outubro, a Portaria nº 46, que reforça a importância da política voltada para software livre, pois todos os softwares desenvolvidos por órgãos públicos deverão ser disponibilizados no Portal do Software Público.

Além disso, incentivamos o compartilhamento de soluções a partir do Catálogo de Software do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação, o SISP. Esse catálogo foi oficializado com a publicação da Portaria nº 48, também de 4 de outubro. 

Em relação à Segurança da Informação e Comunicação (SIC), o ministério assinou um acordo com o Inmetro em agosto deste ano para implantar o Programa Nacional de Certificação e Homologação de Ativos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Com a medida, o governo federal somente fará a aquisição de produtos de TIC certificados por organismos acreditados pelo Instituto que sigam as regras estabelecidas pelo Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro).​

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO

*Nota da Redação

A guinada na política de uso do Software Livre no governo é fato, conforme comprovou o portal em diversas ações em que este ministério esteve presente. A alegação de que a Comunidade voltada para esta solução continua contemplada após a perda do Comitê de Implementação do Software Livre é uma afirmação que não condiz com o pensamento dos próprios envolvidos com essa política. Este portal não quis fazer ilação alguma ou pretendeu sugerir, que o ministro Dyogo Oliveira esteja pensando em ganhar dinheiro com essa licitação. Isso foi manifestado previamente à Assessoria de Imprensa quando essa nos solicitou a publicação de nota oficial. Por fim, o portal em nenhum momento tratou da questão de segurança da informação.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.

MPF: Governo não precisa de consentimento para cruzamento de dados

Em ação do Instituto Nacional Anísio Teixeira (INEP) contrária a entrega de dados pessoais individualizados de estudantes ao TCU, Ministério Público alega que administração não precisa de autorização dos titulares mesmo no caso de dados sensíveis. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G