Home - Convergência Digital

Fundo de investimento tem R$ 250 milhões para aportar no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 05/09/2016

A Oria, companhia de Tecnologia da Informação (TI) especializada em private equity para empresas B2B, abriu o seu segundo fundo de investimento no Brasil. O momento coincide com a inauguração de sua nova marca e a conclusão dos investimentos do primeiro fundo de R$ 175 milhões, levantado com sua antiga marca, a DLM Private Equity, que investiu em empresas como Zenvia e Cipher e realizou a primeira saída de um investimento com a venda da Chaordic Systems para Linx S.A..

Parte dos recursos deste novo fundo, que tem como objetivo investir o total de R$ 250 milhões em até oito empresas ao longo de três anos, vem da aprovação da gestora na Segunda Chamada Multissetorial do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e de investidores individuais do mercado de TI que participaram do primeiro fundo.

O novo fundo representa a continuidade dos investimentos do time em acelerar o crescimento de empresas com faturamento líquido anual superior a R$ 15 milhões e com potencial de Ebitda acima de 20%. O foco são empresas com modelos de negócios digitais já comprovados, em média com receita anual de R$ 30 a 60 milhões, que possuam empresas como clientes (B2B) e que promovam a inovação dentro de cerca de vinte diferentes teses de investimento proprietárias do time da Oria, como Big Data, Internet das Coisas (IoT), FinTech e TI para Saúde, por exemplo.

“Buscamos empresas já estabelecidas e bem posicionadas em seus mercados, com tecnologias operando principalmente no modelo SaaS (do inglês, Software as a Service) que resolvam o processo de negócios de alguma cadeia de valor e, por fim, ajudem pessoas no dia a dia de suas atividades. E, o mais importante, com um time que tenha visão, capacidade de execução e ambição em crescer”, pontua Piero Rosatelli, sócio da Oria, que cita, como exemplo, o crescimento médio de 36% ao ano nos últimos dois anos nas empresas do portfólio, mesmo em um período de crise no País, e o exemplo da Chaordic Systems, empresa de big data investida antes do primeiro fundo da Oria e vendida em 2015 para a Linx S.A.

Longe de ser mais uma gestora de fundos de private equity, a Oria chega ao mercado carregando uma bandeira que a diferencia da concorrência: sua meta é multiplicar o conhecimento e a capacidade de crescimento de empresas inovadoras a partir de uma gestão especialista, com uma equipe que vem do setor de tecnologia e não apenas do mercado financeiro, utilizando o modelo de private equity como meio para essa transferência de conhecimento.

“O capital é necessário, mas não é o suficiente. Nossa atuação é baseada no aconselhamento estratégico e execução de projetos por uma equipe que entende do core business das empresas investidas, ou seja, são empreendedores falando com empreendedores“, explica Rosatelli.

Entre o time da Oria estão Paulo Caputo, sócio-fundador da empresa, que tem uma carreira de 23 anos de atuação no mercado de TI, passando pela Datasul, além de Jorge Steffens, também sócio-fundador, que acumula 31 anos no mercado de TI, sendo 20 anos como executivo da Datasul.

Para a Oria, o investimento na economia real contribui não só para maximizar o retorno para os cotistas através do crescimento acelerado das empresas investidas, mas também estimula a produtividade e a inovação, resultando no desenvolvimento econômico do País, que gera competitividade e emprego em longo prazo. “O setor de TI, especialmente SaaS, tem se mostrado resiliente e anticíclico, com taxas de crescimento de dois dígitos”, finaliza Jorge Steffens, sócio da Oria.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/11/2019
Internacionalização é foco de plano decenal do MCTIC, com medidas em seis áreas

24/10/2019
Cimatec inaugura na Bahia o novo supercomputador brasileiro

22/10/2019
Itamaraty e Economia levam 19 startups para China

15/10/2019
NEGER Telecom lança sistema de alerta para barragens e áreas de risco

15/10/2019
Claro premia soluções móveis de estudantes e recém-formados

14/10/2019
Smartphone, vídeo online e aplicativos mudam cálculo da inflação no Brasil

10/10/2019
Maganine Luiza abre concurso para escolher startups

09/10/2019
Bateria de celular dá prêmio Nobel a três cientistas

03/10/2019
TOTVS abre laboratório de inovação nos EUA

26/09/2019
Finep tem crédito de R$ 200 milhões para projetos de indústria 4.0

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

Negócios na nuvem vão gerar 491 mil empregos diretos no Brasil até 2024

A batizada, 'economia Salesforce', formada pelo ecossistema de parceiros e clientes da companhia, vai gerar nos próximos seis anos, 780 mil empregos indiretos e uma receita de R$ 247 bilhões em novos negócios. Transformação digital será responsável por 50% dos gastos com software e computação em nuvem.

Cientista de Dados, desenvolvedor, CTO e analista de segurança da Informação são os mais procurados em TI

Essa é a constatação do Guia Salarial 2020, produzido pela consultoria Robert Half, com atenção às pequenas, médias e grandes empresas. Cientista de Dados pode ter salário inicial em torno de R$ 13 mil nas pequenas empresas e de R$ 26 mil nas grandes corporações.

Informação sigilosa pelo WhatsApp caracteriza justa causa para demissão

Mesmo com estabilidade provisória como cipeiros, Tribunal Superior do Trabalho deu validade à dispensa de três empregados que divulgaram nomes de futuros demitidos pelo app de mensagens. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site