Convergência Digital - Home

Nuvem foi a estrela da infraestrutura de TI na Olimpíada 2016

Convergência Digital
Convergência Digital* - 23/08/2016

A Nuvem foi a estrela da infraestrutura de Tecnologia da Informação nos Jogos Olímpicos 2016. Dados da ATOS, fornecedora de serviços de TI do Comitê Olímpico Internacional (COI), mostram que as aplicações em cloud foram decisivas para o sucesso da infraestrutura. Cloud foi usada pela primeira vez no megaevento e serviu para hospedar o portal do voluntário, sistemas de credenciamento e trabalho voluntário.

"Na nuvem houve o gerenciamento de mais de 300 mil credenciais para toda a família Olímpica", conta Elly Rezende, diretor de Tecnologia do Rio 2016. Em números, a ATOS atendeu a 37 locais de competição, sendo que duas delas foram incluídas em 2016: Golfe e Rugby de sete. Dado curioso é que o Golfe, sozinho, gerou mais dados de resultado do que todos os outros esportes juntos.

Em termos de incidentes de TI, o evento do Rio mais que dobrou em relação a 2016. Foram 400 incidentes de segurança registrados por segundo. Em Londres, foram 200 por segundo. Também foram enviadas mais de 100 milhões de mensagens para a mídia compartilhar os dados e resultados em tempo real sobre todos os 42 esportes Olímpicos e 306 eventos. Isso significou um aumento de 58.8 milhões desde Londres 2012. 

* Com informações da Assessoria da ATOS


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Destaques
Destaques

Taesa faz transformação digital baseada em dados

Concessionária de energia impulsionou a transformação digital por meio de uma estratégia de gestão da tecnologia baseada em dados e integração.

Fleury cria empresa baseada em ciência de dados e inteligência artificial

Saúde ID funcionará como um marketplace de serviços ligados à saúde e recebeu investimentos de R$ 50 milhões. O paciente terá todas suas informações de saúde integradas em uma única plataforma, que poderá oferecer às empresas e operadoras um serviço com algoritítimos preditivos.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site