Clicky

Home - Convergência Digital

Conexões Internet das Coisas vão triplicar nos próximos quatro anos

Ana Paula Lobo - 07/06/2016

A Internet das Coisas (IoT) chegou para ficar e, especialmente, para mudar o modelo de Internet. Aplicações como vídeo vigilância, medidores de energia inteligentes, monitores de saúde digitais e uma série de outros serviços M2M têm implicado novos requisitos de rede e um aumento considerável de tráfego. Mundialmente, sustenta o estudo Cisco Visual Networking Index (VNI), divulgado nesta terça-feira, 07/06, as conexões M2M devem aumentar quase três vezes, de 4,9 bilhões em 2015 para 12,2 bilhões em 2020, o que representa quase metade (46%) do total de dispositivos conectados.

A área de saúde vai quintuplicar o uso de conexões M2M, aumentando de 144 milhões em 2015 para 729 milhões em 2020. O segmento de domicílios conectados terá o maior volume de conexões M2M no período, subindo de 2,4 bilhões em 2015 para 5.8 bilhões em 2020 - quase metade de todas as conexões M2M.

As casas conectadas também terão papel central, especialmente, com o uso de chips para controle de acesso, sensores de presença e câmeras. O relatório da Cisco diz que o segmento de domicílios conectados terá o maior volume de conexões M2M no período, subindo de 2,4 bilhões em 2015 para 5,8 bilhões em 2020 - quase metade de todas as conexões M2M. Depois aparecem  os escritórios conectados e os carros conectados.

Os jogos online apresentarão o crescimento mais rápido entre os serviços de Internet domiciliar, passando de 1,1 bilhão de usuários em 2015 para 1,4 bilhão de usuários em 2020. No ambiente corporativo, os serviços móveis baseados em localização (LBS) apresentarão a maior taxa de crescimento entre os serviços para consumidores, crescendo de 807 milhões de usuários em 2015 para mais de 2,3 bilhões de usuários até 2020.

Também aparece com destaque a videoconferência em desktop ou dispositivo pessoal será o serviço corporativo de Internet com taxa de crescimento mais rápida, passando de 95 milhões de usuários em 2015 para 248 milhões de usuários em 2020.

O estudo da Cisco para o período de 2015 a 2020, projeta que o tráfego IP global quase triplicará, a uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 22%, nos próximos cinco anos. Haverá mais de um bilhão de novos usuários na comunidade global da Internet, que passará de três bilhões em 2015 para 4,1 bilhões, em 2020.

A transformação digital, com base na adoção de dispositivos pessoais e na implantação de conexões máquina-a-máquina (M2M), terá um impacto ainda maior no aumento de tráfego. Nos próximos cinco anos, as redes IP globais irão suportar até 10 bilhões de novos dispositivos e conexões, passando de 16,3 bilhões em 2015 para 26,3 bilhões em 2020. Haverá 3,4 dispositivos e conexões per capita em 2020, superando os 2,2 per capita registrados em 2015.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/02/2021
Anglo American contrata a TIM para cobertura 4G LTE no Brasil

08/02/2021
Por IoT global, japonesa compra fabricante britânica de chips da Apple, Samsung e Xiaomi

15/01/2021
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

17/12/2020
Teles questionam vetos do governo ao uso do FUST em inclusão digital

17/12/2020
Sancionada, isenção de taxas para internet das coisas vale a partir de 2021

03/12/2020
Provedora de IoT Cubic Telecom contrata infraestrutura da TIM para atuar no Brasil

19/11/2020
Congresso aprova isenção de taxas para internet das coisas até 2025

17/11/2020
Senado pauta PL do Fust e isenção de taxas para IoT

29/10/2020
Nova regra da Anatel reforça que IoT é valor adicionado para fugir de ICMS

23/10/2020
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

Destaques
Destaques

5G será muito mais B2B e vai injetar R$ 13,5 bilhões no mercado nos próximos dois anos

Finalmente o 5G entrou na lista das dez previsões para os mercados de Tecnologia e Informação e Telecomunicações da IDC para 2021/2022. Consultoria prevê que a receita virá de novos negócios com IA, IoT, cloud, segurança, robótica e realidade aumentada e virtual.

5G só começa depois de garantia de recepção nas parabólicas

Pelo cronograma previsto na proposta de edital, oferta do 5G tem início 300 dias depois de formalizada a ‘compra’ das frequências – portanto no segundo semestre de 2022.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site