INTERNET

Franquia de banda larga: Anatel descarta regular ou controlar provedores Internet

Por Roberta Prescott ... 01/06/2016 ... Convergência Digital

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) não vai regular ou controlar os modelos de negócio das empresas prestadoras de acesso à Internet, deixando-as livres para optar entre colocar ou não a franquia de dados, defendeu o presidente da agência, João Rezende, durante o 8º ISP, evento realizado pela Abrint nesta semana em São Paulo. Interferir nos modelos de negócio, alega Rezende, seria um desincentivo à expansão de rede.

O debate sobre franquia de dados ganhou força depois de a Vivo anunciar a intenção de incorporar a franquia na banda larga fixa. Na sua participação na Abrint, o secretário de inclusão digital e internet do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Maximiliano Martinhão, classificou a decisão da tele como uma 'falha muito grande de comunicação' que terminou por gerar uma polêmica desnecessária, uma vez que a medida está prevista na legislação.

Após a repercussão, a Anatel proibiu por 90 dias as operadoras de serviços de Internet em banda larga de restringir a velocidade, suspender serviços ou cobrar excedente caso seja ultrapassado limites da franquia. Para Rezende, qualquer alteração nos contratos deve seguir regras claras, mas o presidente da Anatel lembrou que nada impede a cobrança da franquia.

O maior empecilho, destacaram ambos os representantes do governo, é a falta de ferramentas para monitorar o consumo de dados, principalmente, por parte dos usuários. “Melhores mecanismos para detalhar o uso de dados têm de ser apresentados. Os usuários precisam de ferramentas para acompanhar o consumo de dados”, pontuou Rezende, para quem a maioria das empresas provedoras de banda larga fixa não tem hoje capacidade de adotar ferramentas para usuários acompanharem consumo de dados.

“A Internet deixou de ser lazer e passou a ser trabalho, educação, saúde. É normal que as pessoas reajam com a intensidade que foi”, destacou Maximiliano Martinhão. “É fundamental que o consumidor não seja prejudicado e abusos não serão aceitos no processo de estabelecer franquia, mas precisamos entender que o sistema tem de ser rentável”, ressaltou o secretário.

Martinhão disse ainda que o ministério realizou benchmarking para entender os modelos de negócios praticados em outros países. “Não vimos nenhum país que determine que só haja um determinado tipo de plano; existe liberdade e o usuário escolhe o seu em função da característica de consumo e renda escolhe o plano mais adequado", completou.


Com domínio 'rio.br', o NIC.br termina a campanha Cidades.br

Os domínios "sampa.br", "curitiba.br", "poa.br" e "floripa.br" estão entre os DPNs mais populares. De acordo com o NIC.br, mais de 40 mil domínios de cidades já foram registrados, o que representa quase 8% da base de domínios sob o '.br', que não são '.com.br'.

"Nem todos os robôs utilizados na Internet são ruins", adverte o TSE

Segunda reunião do Tribunal Superior Eleitoral para tratar das chamadas fake news discutiu, entre outros temas, modelagem API ea criação de um ambiente virtual para receber denúncias e sugestões.

CGI.br: Multissetorialismo se mantém como base para a Governança da Internet

O CGI.br entregou as suas recomendações ao MCTIC para o aperfeiçoamento da estrutura da governança da Internet. Iniciativa reúne consensos entre os setores acadêmico, empresarial e terceiro setor. Há sugestões de mudança na estrutura do próprio Comitê Gestor.

FCC derruba neutralidade de rede e EUA se preparam para guerra judicial

Sem surpresas, a decisão se deu em bases partidárias: a maioria Republicana matou as regras que impediam operadoras de discriminarem tráfego na internet. Mas a decisão vai ser questionada nos tribunais. 

Assespro vai ao STF obrigar juízes a usarem MLAT nos dados fora do Brasil

Com filiados como Facebook, Microsoft e Uber, entidade quer a prevalência do acordo de cooperação judiciária com os EUA para acesso a informações de usuários, mesmo brasileiros, que estejam em datacenters no exterior.  

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G