SEGURANÇA

Nove em cada 10 empresas no Brasil admitem violações graves na segurança

Ana Paula Lobo* ... 18/05/2016 ... Convergência Digital

Nove em cada 10 organizações no Brasil foram atingidas, por pelo, menos uma violação de segurança no ano passado, sendo que a maioria das violações foram classificadas como graves, de acordo com o novo relatório divulgado pela CompTIA, associação do setor de TI, sem fins lucrativos e reconhecida mundialmente como referência em certificações vendor-neutral.

A pesquisa aponta que 73% das organizações relataram alguma brecha no ano passado. Na comparação com os demais países pesquisados, o Brasil ficou entre os mais vulneráveis a riscos de segurança. "Apenas 13% das empresas brasileiras afirmaram não ter tido qualquer tipo de experiência com violação de segurança", destacou a executiva de negócios da CompTIA, Tatiana Falcão. O relatório Tendências Internacionais em Segurança Cibernética revela que as organizações estão alterando as práticas e políticas de segurança devido à maior dependência da computação em nuvem e soluções de tecnologia móvel.

"Nossa pesquisa também constatou que 90% das empresas brasileiras esperam que cibersegurança torne-se uma prioridade mais elevada ao longo dos próximos dois anos", disse Tatiana. Ainda segundo a executiva, existe uma forte tendência no País de direcionamento de recursos para o aprimoramento do desenvolvimento profissional dos funcionários. A CompTIA tem realizado grandes volumes de investimentos no Brasil e a procura pelas certificações duplicou no último ano, esse aumento também reflete a demanda crescente sobre cibersegurança no Brasil.

No Brasil 87% das organizações disseram que experimentaram pelo menos uma violação de segurança cibernética ou incidente nos últimos 12 meses. Oitenta e um por cento das empresas brasileiras relatam violações de segurança cibernética relacionadas a dispositivos móveis, tais como dispositivos perdidos, malware móvel e ataques de phishing, além da desativação dos recursos de segurança pelos funcionários. Os erros humanos são os que mais causam riscos a segurança cibernética com 58%, contra 42% de erros tecnológicos.

Os principais pontos que necessitam de atenção na abordagem da cibersegurança no Brasil são:

Mudanças nas operações de TI;
Mudanças nas operações comerciais ou na base de clientes;
Adquirir conhecimento por meio de treinamento e certificação;
Foco em uma nova indústria vertical;
Relatórios de violações na cibersegurança de outras empresas.
Nove em cada 10 executivos e gerentes no Brasil acreditam que é importante testar o funcionário após o treinamento de segurança cibernética para confirmar os ganhos de conhecimento, enquanto que 93% indicam que as certificações para profissionais de TI são valiosas ou muito valiosas como uma forma de validar conhecimentos e habilidades relacionadas à segurança cibernética.

Mais de 1.500 executivos de negócios e de tecnologia em 12 países foram pesquisados. O relatório inclui dados da Austrália, Brasil, Canadá, Alemanha, Índia, Japão, Malásia, México, África do Sul, Tailândia, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Reino Unido (UK). No Brasil, 126 executivos foram pesquisados. O relatório International Trends in Cybersecurity é baseado em uma pesquisa online com 1.509 executivos de negócios e de tecnologia realizada em janeiro e fevereiro de 2016. Para baixar o relatório visite https://www.comptia.org/resources/international-trends-in-cybersecurity.

*Com informações da CompTIA






Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Corporações se unem contra ataques cibernéticos

Pelo acordo a ser assinado, grandes empresas de tecnologia prometem "proteção igualitária" a clientes contra o uso indevido de sua tecnologia. "Independente da nacionalidade, geografia ou motivação do ataque", asseguram. Entretanto, o comunicado do acordo não deixa claro quanto isso vai custar aos clientes.

NIC.br contrata plataforma para proteger centro de operações de ataques DDOs

Brasil foi o 5º país mais visado por esse tipo de ataque no ano passado. "Não se trata de ser ou não atacado. O ataque vai acontecer, o que precisa é estar preparado", diz o  Gerente de Sistemas do NIC.br, Marcelo Gardini.

Golpe de recarga grátis afeta mais de 20 mil pessoas em menos de 24 horas

Apenas no mês de abril, revela o laboratório especializado em cibercrime Dfnder Lab, foram bloqueados mais de 15 golpes diferentes envolvendo compartilhamento no WhatsApp.

Quadruplica o número de ataques DDoS originados por dispositivos IoT no Brasil

Foram mais de 220 mil reportados voluntariamente ao CERT.br no ano passado. Entidade diz ainda que parte dos ataques DDoS também foi originada por roteadores e modems de banda larga no Brasil, seja porque estavam comprometidos ou porque possuíam serviços mal configurados, permitindo amplificação de tráfego.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G