SEGURANÇA

Nove em cada 10 empresas no Brasil admitem violações graves na segurança

Ana Paula Lobo* ... 18/05/2016 ... Convergência Digital

Nove em cada 10 organizações no Brasil foram atingidas, por pelo, menos uma violação de segurança no ano passado, sendo que a maioria das violações foram classificadas como graves, de acordo com o novo relatório divulgado pela CompTIA, associação do setor de TI, sem fins lucrativos e reconhecida mundialmente como referência em certificações vendor-neutral.

A pesquisa aponta que 73% das organizações relataram alguma brecha no ano passado. Na comparação com os demais países pesquisados, o Brasil ficou entre os mais vulneráveis a riscos de segurança. "Apenas 13% das empresas brasileiras afirmaram não ter tido qualquer tipo de experiência com violação de segurança", destacou a executiva de negócios da CompTIA, Tatiana Falcão. O relatório Tendências Internacionais em Segurança Cibernética revela que as organizações estão alterando as práticas e políticas de segurança devido à maior dependência da computação em nuvem e soluções de tecnologia móvel.

"Nossa pesquisa também constatou que 90% das empresas brasileiras esperam que cibersegurança torne-se uma prioridade mais elevada ao longo dos próximos dois anos", disse Tatiana. Ainda segundo a executiva, existe uma forte tendência no País de direcionamento de recursos para o aprimoramento do desenvolvimento profissional dos funcionários. A CompTIA tem realizado grandes volumes de investimentos no Brasil e a procura pelas certificações duplicou no último ano, esse aumento também reflete a demanda crescente sobre cibersegurança no Brasil.

No Brasil 87% das organizações disseram que experimentaram pelo menos uma violação de segurança cibernética ou incidente nos últimos 12 meses. Oitenta e um por cento das empresas brasileiras relatam violações de segurança cibernética relacionadas a dispositivos móveis, tais como dispositivos perdidos, malware móvel e ataques de phishing, além da desativação dos recursos de segurança pelos funcionários. Os erros humanos são os que mais causam riscos a segurança cibernética com 58%, contra 42% de erros tecnológicos.

Os principais pontos que necessitam de atenção na abordagem da cibersegurança no Brasil são:

Mudanças nas operações de TI;
Mudanças nas operações comerciais ou na base de clientes;
Adquirir conhecimento por meio de treinamento e certificação;
Foco em uma nova indústria vertical;
Relatórios de violações na cibersegurança de outras empresas.
Nove em cada 10 executivos e gerentes no Brasil acreditam que é importante testar o funcionário após o treinamento de segurança cibernética para confirmar os ganhos de conhecimento, enquanto que 93% indicam que as certificações para profissionais de TI são valiosas ou muito valiosas como uma forma de validar conhecimentos e habilidades relacionadas à segurança cibernética.

Mais de 1.500 executivos de negócios e de tecnologia em 12 países foram pesquisados. O relatório inclui dados da Austrália, Brasil, Canadá, Alemanha, Índia, Japão, Malásia, México, África do Sul, Tailândia, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Reino Unido (UK). No Brasil, 126 executivos foram pesquisados. O relatório International Trends in Cybersecurity é baseado em uma pesquisa online com 1.509 executivos de negócios e de tecnologia realizada em janeiro e fevereiro de 2016. Para baixar o relatório visite https://www.comptia.org/resources/international-trends-in-cybersecurity.

*Com informações da CompTIA






NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Accenture compra divisão de segurança cibernética da Symantec

Os valores da transação não foram revelados. Com a aquisição a Accenture Security passa a fazer parte dos principais fornecedores de serviços de segurança gerenciados e terá a nuvem como plataforma de desenvolvimento.

Adiar a LGPD para ganhar tempo não vai resolver o problema das empresas

“Existe um viés de adiamento, mas isso não vai resolver o problema”, afirma o gerente de contas do grupo Binário, Leandro Alves.

Serpro faz a plataforma para consentimento ao uso de dados no Governo

“O governo coleta informações para usos obrigatórios, mas para outros usos precisa de consentimento”, explica o superintendente de segurança da informação da estatal, João Vieira de Almeida Junior.

Cyberseason se alia à NEC e diz que LGPD vai mudar a cibersegurança no Brasil

"O hacker brasileiro é único. Ele não quer atacar fora da fronteira. Ele ataca internamente. É um comportamento diferente", afirmou o co-fundador e CEO da Cyberseason, Lior Div. O 5G também trará mudanças relevantes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G