Home - Convergência Digital

App brasileiro de vídeo busca investidor para fazer diferente

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 16/05/2016

Empreender no Brasil não é tarefa simples e passa por obter captação de recursos. E esse foi o caminho feito pela Tecvidya, desenvolvedora do aplicativo Lynx, disponível para Android e iOS. O App é voltado para a transmissão ao vivo, bastante similar ao Periscope, do Twitter, ou o Facebook Live, do Facebook. Mas o alvo de mercado são as corporações.

"Admitimos que a banda larga é um gargalo, mas as empresas descobriram o vídeo e querem ter ferramentas para isso. Nossa ferramenta é para fomentar o uso de vídeo", sustentou em entrevista ao portal Convergência Digital, o CEO da Tecvidya, Rafael Multedo. Oito meses após seu lançamento, o app já possui 15 mil usuários por mês e 30 clientes. Até o fim do ano, a expectativa é o que o aplicativo consiga ter 100 mil pessoas utilizando a plataforma mensalmente.

Além das WebTVs, a Tecvidya conta com a plataforma corporativa Meritum (lançada em meados de 2015), produto de comunicação e treinamento que conta com uma tecnologia sofisticada possibilitando a criação e gestão de vídeos para empresas de médio e grande porte. Entre outras vantagens, o Meritum proporciona uma redução drástica nos custos de logística – substituindo viagens e horas de profissionais por apresentações em vídeo.

A plataforma de aplicação dos cursos em vídeo de compliance (ou seja, de governança corporativa, obrigatória nas empresas desde a promulgação da lei "anticorrupção", promulgada em dezembro de 2014), uma alternativa muito mais em conta aos cursos presenciais. “Hoje são oito clientes, contemplando mais de 5 mil colaboradores, que utilizam esse serviço customizável para aplicar treinamentos, cursos e comunicados importantes. Com painel de controle intuitivo, os processos de auditoria e administração do conteúdo e dos usuários se tornam fáceis e rápidos”, ressalta Multedo.

Questionado de como é complexo empreender no Brasil, o CEO da Tecvidya diz que falta cultura no Brasil para apostar no novo. "Há cobrança para se ter algo diferente. Mas os investidores querem investir no que já está explorado. São poucos que avançam no novo. Empreender é errar e acertar. Estamos buscando investidores para criar. Para avançar", pontua.

O Lynx seguiu em frente, conta Multedo, pelo esforço dos sócios da empresa e porque foi aprovado na primeira fase da aceleradora InovAtiva Brasil, frente 1400 concorrentes que disputam o programa. Graças ao app, a Tecvidya foi aceita no programa de mentoria Facebook Start, que renderá contatos diretos com os engenheiros e equipe comercial do Facebook, acesso a eventos privados, além de US$ 80 mil para investir em desenvolvimento.



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/02/2020
Tribunal de Justiça suspende regulamentação do Uber no Rio de Janeiro

13/02/2020
Na guerra do streaming, YouTube reina absoluto com 70% da atenção nos celulares

05/02/2020
Turma do TST nega vínculo de emprego entre Uber e motorista

03/02/2020
TJSP: iFood é responsável por furto cometido em entrega

03/02/2020
Fintechs, empresas de internet e consumidores pedem ajustes em regras do Open Banking

30/01/2020
Aplicativo do governo mostra devedores da União e FGTS

24/01/2020
Com apps ecológicos, equipes do Brasil vencem concurso da NASA

16/01/2020
Distrito Federal e Paraná aderem ao Táxigov, o app de transporte do governo

14/01/2020
Distrito Federal proíbe entrada de relógios inteligentes nas prisões

13/01/2020
Startup Grudi cria plataforma de serviços para o mercado imobiliário

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site