Home - Convergência Digital

Brasileiros são campeões mundiais no uso das redes de mensagens instantâneas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 03/05/2016

Um estudo conduzido em 23 países pelo ConsumerLab, da Ericsson, indica que os brasileiros são mais conectados que a média dos usuários globais – em especial, no uso de plataformas de mensagens instantâneas e redes sociais. Enquanto a média global dos internautas que usam mensagens instantâneas no celular pelo uma vez por semana é de 59%, a porcentagem brasileira atingiu 83% em 2015.

A tendência é que essa forma de interação cresça ainda mais, já que, em 2014, a parcela foi de 72%. Quando o assunto são as redes sociais, o consumo semanal do brasileiro também se distancia da média global: enquanto o Brasil atinge 83%, a média fica em 65%.

No relatório “Compartilhamento de Informações”, produzido pela Ericsson, 51% dos entrevistados brasileiros consideram que expor nas redes sociais organizações com comportamentos inadequados tem um impacto maior do que ir à polícia e as autoridades responsáveis.

A confiança em conteúdos postados online é questionada nesse novo comportamento do usuário. Verificar o que há de verdadeiro ou falso em uma postagem na internet é uma necessidade entre os usuários, seja para checar o status de um amigo como até uma notícia ou um conteúdo institucional. Embora os internautas pensem que a internet tenha dado mais voz ao consumidor, 61% dos paulistanos entrevistados para este estudo gostariam de ter acesso a uma ferramenta que checasse a autenticidade de uma reportagem ou de uma postagem.

"Mais da metade dos proprietários de smartphones entrevistados acreditam que a internet aumentou as denúncias, que expõem o comportamento inadequado de empresas e organizações. Isso é entendido como positivo. Essa é uma tendência dos usuários, que cada vez mais agem como “jornalistas cidadãos”, acreditando que o compartilhamento de informações e de opiniões online aumentam a sua influência sobre as organizações", salienta André Gualda, especialista do ConsumerLab da Ericsson.

A pesquisa também aponta que, como o compartilhamento de informações e influência dos consumidores crescem à medida que mais pessoas ganham acesso à Internet, está se tornando cada vez mais importante criar uma cultura de compartilhamento sustentável de informações, onde todos podem se beneficiar e, ao mesmo tempo, proteger a privacidade do indivíduo.

Esse comportamento também justifica a popularidade dos aplicativos de redes sociais e de comunicação. A primeira edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson de 2015 revelou que mais da metade do tráfego de dados de aplicativos em redes móveis estão concentrados em cinco plataformas.

O Facebook encabeça a lista e é responsável por 28% do tráfego móvel no Brasil. Em sequência, estão a versão móvel do navegador Chrome, com 16%, e o aplicativo do Youtube, que concentra 15%. O WhatsApp e o Instagram vêm logo atrás com 13% e 6%, respectivamente. 

*Com informações da Ericsson

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/09/2017
Teles contra-atacam e derrubam as chamadas de voz pelo WhatsApp

05/09/2017
Itaú Unibanco e WhatsApp criam piloto para uso corporativo

27/07/2017
Oi oferece conteúdo OTT para aumentar base de assinantes

21/07/2017
Facebook, com WhatsApp e Facebook Messenger, é monopolista na mensageria móvel

12/07/2017
São Paulo endurece regras para aplicativos de Táxi

06/07/2017
Facebook, Twitter e Snap entram na briga pelo vídeo online da Copa de 2018

24/05/2017
TRT revê decisão e nega vínculo trabalhista para motorista do Uber

16/05/2017
ANCINE: Netflix deve ter cota nacional e YouTube pagar a taxa do Condecine

12/05/2017
OTTs entram em guerra e denunciam práticas desleais na Internet

09/05/2017
Comissão mantém a intenção de cobrar ICMS do Netflix e WhatsApp

Destaques
Destaques

4G mostra força diante da expectativa pelo 5G

Na América Latina,o crescimento das conexões LTE foi expressivo e a participação da tecnologia deve chegar a 28% até dezembro, alcançando 198,6 milhões de conexões ativas. No mundo, foram 2,37 bilhões de assinaturas LTE, um impulso de 59% de junho de 2016 a junho de 2017.

Internet das Coisas: redes LPWA serão um mercado de US$ 1,8 trilhão

Projeção da GSMA é de que as teles móveis alcancem esta receita em 2026. As casas conectadas vão impulsionar o consumo mais do que os carros conectados. Estimativa é que 483 milhões das conexões ativas em 2022 serão em redes comerciais de baixa potencia e grande alcance (LPWA, na sigla em inglês).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Inteligência Artificial já faz parte da sua vida

Por Eduardo Prado*

Existem aplicações que já estão dando o que falar e a IA será cada vez mais onipresente, aponta o especialista e consultor Eduardo Prado, em artigo exclusivo para o Portal Convergência Digital.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site