Home - Convergência Digital

Brasileiros são campeões mundiais no uso das redes de mensagens instantâneas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 03/05/2016

Um estudo conduzido em 23 países pelo ConsumerLab, da Ericsson, indica que os brasileiros são mais conectados que a média dos usuários globais – em especial, no uso de plataformas de mensagens instantâneas e redes sociais. Enquanto a média global dos internautas que usam mensagens instantâneas no celular pelo uma vez por semana é de 59%, a porcentagem brasileira atingiu 83% em 2015.

A tendência é que essa forma de interação cresça ainda mais, já que, em 2014, a parcela foi de 72%. Quando o assunto são as redes sociais, o consumo semanal do brasileiro também se distancia da média global: enquanto o Brasil atinge 83%, a média fica em 65%.

No relatório “Compartilhamento de Informações”, produzido pela Ericsson, 51% dos entrevistados brasileiros consideram que expor nas redes sociais organizações com comportamentos inadequados tem um impacto maior do que ir à polícia e as autoridades responsáveis.

A confiança em conteúdos postados online é questionada nesse novo comportamento do usuário. Verificar o que há de verdadeiro ou falso em uma postagem na internet é uma necessidade entre os usuários, seja para checar o status de um amigo como até uma notícia ou um conteúdo institucional. Embora os internautas pensem que a internet tenha dado mais voz ao consumidor, 61% dos paulistanos entrevistados para este estudo gostariam de ter acesso a uma ferramenta que checasse a autenticidade de uma reportagem ou de uma postagem.

"Mais da metade dos proprietários de smartphones entrevistados acreditam que a internet aumentou as denúncias, que expõem o comportamento inadequado de empresas e organizações. Isso é entendido como positivo. Essa é uma tendência dos usuários, que cada vez mais agem como “jornalistas cidadãos”, acreditando que o compartilhamento de informações e de opiniões online aumentam a sua influência sobre as organizações", salienta André Gualda, especialista do ConsumerLab da Ericsson.

A pesquisa também aponta que, como o compartilhamento de informações e influência dos consumidores crescem à medida que mais pessoas ganham acesso à Internet, está se tornando cada vez mais importante criar uma cultura de compartilhamento sustentável de informações, onde todos podem se beneficiar e, ao mesmo tempo, proteger a privacidade do indivíduo.

Esse comportamento também justifica a popularidade dos aplicativos de redes sociais e de comunicação. A primeira edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson de 2015 revelou que mais da metade do tráfego de dados de aplicativos em redes móveis estão concentrados em cinco plataformas.

O Facebook encabeça a lista e é responsável por 28% do tráfego móvel no Brasil. Em sequência, estão a versão móvel do navegador Chrome, com 16%, e o aplicativo do Youtube, que concentra 15%. O WhatsApp e o Instagram vêm logo atrás com 13% e 6%, respectivamente. 

*Com informações da Ericsson

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/08/2018
Facebook acirra disputa com TVs com transmissão ao vivo da Liga dos Campeões para América Latina

24/05/2018
Brasil entra no acordo Telefónica/Netflix até o final do ano

10/05/2018
Brasil emplaca conceito global de OTT na União Internacional de Telecomunicações

01/03/2018
Associação de OTTs quer mostrar que Brasil pode ter as suas próprias 'Netflixs'

20/02/2018
STJ afirma que acesso ao WhatsApp sem ordem judicial é ilegal

08/01/2018
Brasileiros enviaram 10 bilhões de mensagens via WhatsApp na virada do ano

26/10/2017
Mediastream quer ser a plataforma OTT de teles e emissoras de TV

21/09/2017
OTTs exigem mudanças, mas TV paga precisa entregar o que o consumidor quer

06/09/2017
Teles contra-atacam e derrubam as chamadas de voz pelo WhatsApp

05/09/2017
Itaú Unibanco e WhatsApp criam piloto para uso corporativo

Destaques
Destaques

4G já alcança metade dos celulares no Brasil

No fim do primeiro semestre de 2018, país contava com 118 milhões de chips de quarta geração.

Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

"Políticas de espectro que aumentam os preços e concentram-se em ganhos de curto prazo são incompatíveis com a economia digital", adverte o diretor da GSMA, Sebastián Cabello.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site