INTERNET

Bloqueio de sites pedido por Hollywood é o nó da discórdia na CPI Ciber

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/04/2016 ... Convergência Digital

Diluída a maior parte das controvérsias, a mais recente versão do relatório final da CPI dos Crimes Cibernéticos, a ser votado nesta quarta, 27/4, centra fogo no bloqueio de sites e remoção de conteúdos, tratados em dois projetos de lei distintos propostos pela comissão parlamentar.

O primeiro deles permite a remoção de conteúdo sem nova ordem judicial no caso de “conteúdo infringente idêntico ao objeto de ordem judicial anterior”. A intenção é evitar ações repetidas contra o mesmo conteúdo, mas há uma brecha – fica isenta de responsabilidade a “eventual falta de correspondência entre os conteúdos”.

O segundo projeto é algo que os estúdios de Hollywood tentam há anos inserir em diferentes legislações, mas que não existe apesar da sugestão de que “as economias mais desenvolvidas do mundo” o praticam: o bloqueio de aplicações da internet que contenham conteúdo infringente aos direitos autorais. 

A proposta é inserir o bloqueio via ordem judicial como uma das exceções à neutralidade de rede, como previstas no Marco Civil da Internet – que, por sinal, sequer foi regulamentado até aqui. A justificativa é coibir pedofilia, tráfico e até terrorismo, mas o alvo principal são as infrações ao direito autoral.

O relator da CPI, Espiridião Amin (PP-SC), mudou redação para o projeto em busca do entendimento, mas reconhece que é o tema que ficou para ser decidido no voto. “Esse assunto não está pacificado”, afirmou durante a reunião da véspera, na Câmara dos Deputados.

Com base em alegações dos grandes estúdios, o relatório incorpora a ideia de que “democracias ocidentais” se valem desse dispositivo. A versão final, porém, ficou mais cautelosa e ressalta que tal informação se dá “conforme amplamente divulgado por diversas entidades de proteção aos direitos autorais”.

Ao contrário, os países europeus citados pelos representantes dos estúdios estão sob uma decisão da Corte de Justiça da UE que entende medidas de bloqueio como uma violação aos direitos dos cidadãos europeus – algo sublinhado também na véspera da reunião de votação. 

“Coréia do Norte, Arábia Saudita e China que fazem o bloqueio de aplicações. Não entramos em um acordo sobre este ponto e, se não chegarmos a um entendimento, provavelmente vamos apresentar destaque supressivo em relação a essa questão do bloqueio de aplicações”, afirmou Leo de Brito (PT-AC).

No mais, o relatório final até desistiu do projeto de lei que permite à polícia e ao Ministério Público obter informações de IP sem ordem judicial – a polêmica fica concentrada no projeto que já foi aprovado no Senado (730/15).


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G