INTERNET

Anatel apoia - desde que avisado - o bloqueio na internet fixa

Luís Osvaldo Grossmann ... 18/04/2016 ... Convergência Digital

Tal como visto na polêmica sobre o bloqueio de internet nas conexões móveis, a Anatel  manteve uma postura de que é necessário um modelo de negócios que prevê limite de consumo de dados. “Precisa ter algum tipo de equilíbrio, se não quem consome menos acaba pagando mais”, sustentou o presidente da agência, João Rezende, ao apresentar a cautelar que impede, por enquanto, a suspensão do serviço ao fim da franquia.

É que embora exija uma comunicação melhor das empresas, a agência concorda com o uso de limites de dados como "educação para o consumo". E, na prática, assumiu para si pelo menos parte da tarefa de comunicar aos consumidores brasileiros de que o sistema de cobrança na banda larga vai mudar. As principais empresas nesse mercado já adotam franquias nos contratos (em geral, entre 200 MB e 500 MB por mês), mas ainda não impedem o acesso nem cobram mais quando o consumo ultrapassa essas marcas.

Como visto, um despacho da Superintendência de Relações com os Consumidores passou a exigir das empresas (com mais de 50 mil clientes) que antes de adotar bloqueio ou cobrança extra forneçam aos clientes ferramentas para medir o consumo e comparar diferentes pacotes de serviço. “A Anatel primeiro tem que aprovar as ferramentas. Feito isso, em 90 dias elas podem adotar essas novas práticas”, resumiu a superintendente Elisa Peixoto.

O que a agência não explica direito é que está obrigando as empresas a respeitarem prazos que a própria Anatel permitiu a elas abrir mão. Há dois anos, em março de 2014, a agência aprovou seu Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC), com a promessa de fortalecer os clientes frente as empresas. Lá estão previstas as ferramentas de medição de consumo e comparação de preços, só que não foram adotadas.

Como explica a superintendente de Relações com os Consumidores, um grupo de implementação do RGC flexibilizou os prazos previstos. Mais do que isso, decidiu que nem todas as exigências lá contidas precisariam ser cumpridas. “No caso dessas ferramentas, decidiu-se que elas só seriam exigidas das empresas que efetivamente resolvessem aplicar os bloqueios ou cobranças”, diz Elisa Leonel. As conclusões do grupo podem ser conferidas aqui

Portanto, a principal medida da cautelar desta segunda, 18/04, que exige as ferramentas de medição e comparação, simplesmente retoma um prazo que a Anatel abriu mão. E como foi reconhecido que as empresas estavam avaliando começar a bloquear ao fim da franquia em 2017, é possível que a agência tenha, ainda que involuntariamente, antecipado esse movimento.

E não deixa de ser curioso que a Anatel sequer ache necessário ir além da análise de que ‘pacotes ilimitados são insustentáveis’. João Rezende, por exemplo, não vê nenhuma relação entre a adoção de limites de downloads nos pacotes com o fato de que os principais provedores também fornecem TV por assinatura – de onde teriam um incentivo para impor desestímulos ao consumo de vídeos na internet, por exemplo.  


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 

Facebook anuncia exclusão de mais de 50 milhões de postagens falsas

Trabalho de filtragem de conteúdo é  feito por algoritmos de inteligência artificial que identificam conteúdos abusivos com expressões de discurso de ódio, nudez adulta e atividades sexuais, violência e conteúdo explícito, bullying e assédio.

MPF: Expor em redes sociais quem descumpre isolamento é obrigação

Em nota técnica, Procuradoria dos Direitos do Cidadão defende ato de denunciar ou expor pessoas que promovem festas, reuniões ou outras atividades temporariamente proibidas.

MPF pede ao Google para tirar do ar vídeo de pastor vendendo feijão como cura da Covid-19

Valdemiro Santiago de Oliveira, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, vende por R$ 100 a até R$ 1 mil, sementes de feijão "mágico". 

CGI.br quer uso dos fundos de Telecom para garantir Internet na pandemia

Entidade recomenda a Executivo e Legislativo o uso de fundos setoriais para subsidiar a conectividade dos mais pobres, além de ampliação de infraestrutura e ações que facilitem a instalação de antenas de celular. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G