OPINIÃO

Os desafios de segurança das redes 4G/LTE

Por Jorge Mendes *
05/04/2016 ... Convergência Digital

As redes que fornecem serviços de mobilidade evoluíram rapidamente, indo muito além de seu propósito original de prover serviços móveis de voz.  Com as redes de próxima geração 4G/LTE (Long Term Evolution), que são baseadas totalmente em IP, é possível suportar transmissão de dados em altas velocidades, da ordem de Mbps, além dos serviços tradicionais de voz.

Essa estrutura é fundamental na construção de novos modelos de negócios baseados em serviços móveis, como mobile banking, Internet das coisas (com aplicações em serviços médicos, vigilância doméstica e telemetria, por exemplo) computação em nuvem, distribuição de conteúdo em vídeo e provedores de aplicações e aplicativos, entre outros.

Mas junto com essa tecnologia chegam também as questões de segurança, que ganham grande relevância sobre as redes LTE/4G (por serem baseadas em protocolo IP). Em decorrência disso, novas ameaças a uma operadora de serviços móveis podem ser identificadas como violação de confidencialidade (como tentativas maliciosas de espionagem de tráfego de usuário), violação de integridade (manipulação de dados da operadora de forma não autorizada, incluindo tráfego de controle e sinalização), redução de disponibilidade (abuso da infraestrutura de rede da operadora, exaurindo seus recursos) e fraude (acesso a serviços originalmente não autorizados), entre outras.

As ameaças são pontencializadas à medida que os assinantes terão em suas mãos smartphone cada vez mais potentes, pelo fato de a arquitetura 4G considerar o uso de redes externas (como WLANs não controladas por operadoras) como novas formas de acesso e de ameaças avançadas (malwares) se propagarem cada vez mais rápido em redes IP.

Do ponto de vista quantitativo, o cenário ganha mais relevância no mercado brasileiro onde, segundo a Telebrasil, o número de acessos de banda larga móvel é aproximadamente oito vezes maior do que o acesso fixo. E, segundo a IDC, até 2017, 87% dos dispositivos conectados à internet serão smartphones ou tablets.

Neste cenário, as operadoras devem se preparar para desafios por meio da construção de uma arquitetura de segurança robusta e flexível, e que, ao mesmo tempo, garanta pelo menos a interoperabilidade com sistemas legados (redes 2G/3G/3.5G), uma transição suave para IPv6 e o suporte à virtualização de sua infraestrutura.

Lembrando que, como em qualquer outra tecnologia, o uso de segurança não pode afetar o desempenho do sistema, muito menos prejudicar a experiência do usuário. Os Next Generation Firewalls (NGFw), com arquiteturas de hardware e de software especializadas, juntamente com plataformas de gerenciamento associadas, estão preparados para estes desafios, ao mesmo tempo que devem ser capazes de proteger recursos críticos na rede contra ataques cibernéticos e processar o crescente volume de tráfego demandado por seus usuários.

Os NGFw também podem suportar a oferta de novos serviços e proporcionar um aumento de receita das operadoras. Pacotes de valor adicionado, como filtragem de conteúdo web, filtros de malware, serviços antispam e prevenção de perda de dados, entre outros, podem ser oferecidos a usuários individuais, grupos de usuários (como clientes corporativos possuidores de smartphones) ou ainda específicos para dispositivos como sensores usados em tecnologias de Internet das Coisas.  As novas tecnologias são bem-vindas, mas não podemos negligenciar um assunto tão vital quanto a segurança.

* Jorge Mendes é Systems Engineer da Fortinet, empresa provedora de soluções de segurança de rede e líder em Next Generation Firewall e UTM.


Carreira
Empregados de Telecom questionam jornada intermitente no STF

Federação dos Trabalhadores em empresas de Telecomunicações, Fenattel, sustenta que as novas regras permitem a remuneração abaixo do salário mínimo. No todo, o STF recebeu 10 ações contestando a nova legislação. STF julgará o mérito, sem prévia análise do pedido de liminar.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G