SEGURANÇA

Obama sanciona lei que limita espionagem, mas que terá pouco efeito prático

Luís Osvaldo Grossmann ... 03/06/2015 ... Convergência Digital

Dois anos depois das primeiras denúncias do espião Edward Snowden sobre os abusos dos serviços de inteligência dos Estados Unidos, Barack Obama sancionou uma lei que, ao menos nominalmente, limita a capacidade de agências como NSA e FBI de coletar massivamente as comunicações. As primeiras reportagens foram publicadas pelo jornal inglês The Guardian em 6 de junho de 2011.

Em tese, a apelidada ‘Lei Libertadora’ [Freedom Act] encerra 14 anos de coleta em massa de registros de ligações domésticas – ou seja, tendo norte-americanos como alvo. No lugar, mantém esses registros em poder das operadoras de telecomunicações, exigindo que o governo faça requisições específicas às teles.

Além disso, joga um pouco de luz sobre as cortes de vigilância e inteligência internacional [FISA, na sigla em inglês] – em essência tribunais secretos que autorizam determinadas operações de espionagem, que também são secretas. A nova lei passa a exigir a participação de defensores públicos nessas sessões.

Mas como destacam mesmo os que comemoram a aprovação e sanção do Freedom Act, seus efeitos práticos são pequenos – e em essência inexistentes sobre quem não é estadunidense. Grosso modo, espionar os próprios americanos vai exigir um pouco mais de burocracia.

“Celebramos porque, ainda que pequena vitória, a Lei marca um dia que alguns imaginavam jamais chegaria – o dia em que a NSA viu seus poderes de vigilância reduzidos. Mas se o Freedom Act castra o programa de vigilância sobre os registros telefônicos e garante maior transparência à sigilosa Corte FISA que supervisiona a espionagem, ele não resolve o problema da ampla vigilância digital”, frisou a entidade de direitos humanos Electronic Frontier Foundation.

Na verdade, o Freedom Act permite à NSA retomar a coleta massiva que foi (ou deveria ter sido) suspensa desde às 0h de 1o/6, quando parte da Lei Patriótica – criada na esteira dos atentados de 11 de setembro de 2001 – perdeu sua validade. É que a nova lei estabelece um período de transição de seis meses entre essa coleta massiva e a necessidade de requisições específicas às teles.

A ‘Lei Libertadora’ tampouco mexe em outros programas de espionagem da NSA e de outras agências dos EUA – como aqueles que ostensivamente miram estrangeiros, mas acabam permitindo a vigilância colateral de americanos. E, como já mencionado, nada muda na capacidade dos Estados Unidos de vigiarem as comunicações de não-americanos.

Sobram sinais de que a impressionante capacidade tecnológica dos EUA em espionar qualquer comunicação do planeta não gera os resultados esperados. No ano passado, um relatório sobre algumas centenas de ações terroristas concluiu que a coleta telefônica “não teve impacto discernível na prevenção dos atos terroristas”.

Alguma mudança legal era esperada, particularmente depois que, ainda em maio último, a corte federal de apelações dos EUA considerou ilegal a coleta de registros telefônicos pela NSA. Mas não há qualquer sinal de que a agência de segurança nacional americana deixará de utilizar o gigantesco datacenter de R$ 1,5 bilhão concluído em 2013 – que para guardar todas as chamadas telefônicas feitas nos EUA durante um ano ocupa menos de 2% de sua capacidade.

 


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Golpe do 14º salário no WhatsApp atinge 770 mil brasileiros

Os golpistas pedem para o usuário conferir se tem direito a um dinheiro extra.

TSE fecha acordo de cooperação em TI com a Sociedade Brasileira de Computação

Acordo é abrangente e pode abordar tanto a segurança da urna eletrônica como questões internas de informática do Tribunal. 

Guerra cibernética passa a ter mesmo status de armas atômicas nos EUA

Comando Cibernético foi elevado em decisão anunciada por Donald Trump e com o propósito de "enfatizar o desenvolvimento de armas cibernéticas para impedir ataques, punir intrusos e enfrentar adversários".

STF autoriza extradição de hacker que teria fraudado US$ 4,85 milhões nos EUA

Tribunal deferiu pedido do governo dos Estados Unidos para extraditar Michael Knighten, que seria integrante de um grupo de criminosos cibernéticos autodenominado Techie Group.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G