Convergência Digital - Home

No big data, SAS desafia SAP e Oracle

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 15/08/2012

O big data - ou o grande volume de informações armazenados - entrou, de forma definitiva, na agenda dos gestores de TI e, exatamente por isso, acirra a disputa entre os provedores de serviços. Mais do que 'guardar' um dado, o grande diferencial concorrencial será o de tirar 'valor' dessa informação. Nessa nova era, a SAS, por exemplo, desafia seus rivais SAP e Orace com a plataforma High-Performance Analytics(HPA).

"Temos a convicção que o big data criou uma nova corrida do ouro. O vencedor será aquele que souber tirar o proveito dessa informação", afirmou o CEP da SAS, Jim Goodnight, que veio ao Brasil para um encontro com clientes e para mostrar o valor da nova plataforma, considerada estratégica para os negócios nos países emergentes.

Para marcar o diferencial da sua plataforma, o SAS diz que, comparando com as outras semelhantes disponíveis no mercado, como a SA Hanna e a da Oracle, Goodnight diz que um processador só pode fazer até dois bilhões de cálculos por segundo. Como o HPA da SAS trabalha com vários processadores em palarelo, é possível reduzir esse tempo.

Goodnight sustentou que é possível reduzir um processamento de 200 trilhões, que durava em média 18 horas, para 15 minutos. "Desafiamos o tempo e a necessidade da análise dos dados", frisou o executivo. Recém-lançada, a HPA ainda não tem clientes no Brasil, mas já há negociações em andamento com duas instituições financeiras - para soluções de detecção de fraude - e com uma operadora de telecomunicações, revela o presidente do SAS para o Cone Sul, Márcio Dobal.

Apesar de otimista, o executivo acredita que, em 2012, não repetirá a performance de 2011 quando registrou um crescimento de 30%. "A economia está parada. acreditamos que o segundo semestre possa vir a ser mais movimentado, mas, agora, estamos prevendo um crescimento entre 10% e 15%", disse o executivo. Apesar dessa tendência menor de crescimento, as expectativas ainda são elevadas.

O Brasil, hoje, por exemplo, já ocupa a sexta posição no ranking mundial da companhia e segue sendo tratado como 'jóia da coroa'. "Acreditamos que num período de sete anos, o mercado brasileiro seguirá em franca expansão e nos ajudará a aumentar nossa performance", sentenciou o vice-presidente executivo da SAS Americas, Carl Farrell.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Cloud massifica, mas sem estratégia definida pelas empresas

Empresas têm obstáculos a superar para tirar o real valor do uso da nuvem nos negócios. Nuvem híbrida é a opção preferencial.

Empresas brasileiras de nuvem protestam contra concorrência desleal

Para a Associação Brasileira das Empresas de Infraestrutura de Hospedagem na Internet, empresas estrangeiras não pagam impostos, nem atendem o Código de Defesa do Consumidor ou a CLT. Mercado local é projetado em US$ 1.2 bilhão/ano.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

De Byte a Yottabyte em muito pouco tempo...

Por Wilson Grava*

O Big data impulsiona os negócios, mas tem riscos. Eles passam pelo uso inadequado, pelas violações e perda de dados até a preocupação do usuário final com a privacidade e segurança desses dados.

Mitos e verdades sobre ERPs em nuvem

Por Grasiela Tesser*

Ainda que Cloud Computing esteja se popularizando e sendo cada vez mais natural nas operações das empresas, muitas companhias ainda relutam em utilizar sistemas de gestão – os ERPs - na nuvem. É o medo da inovação.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site