TELECOM

São Paulo vai à justiça contra teles móveis

Da redação ... 18/04/2012 ... Convergência Digital

A Telcomp - Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas,por meio de comunicado, faz sérias críticas à prefeitura de São Paulo que quer, por meio de ações judiciais, retirar cerca de 2.000 antenas de telefonia móvel da capital paulista, instaladas pela Vivo, Claro e Oi. A alegação é que as antenas ocupam de forma desordenado o município e são prejudiciais à saúde da população.

"A argumentação é antiga, não tem fundamento legal e já deveria ter sido superada há muito tempo", sustenta a Telcomp no informe. Segundo ainda a entidade, a legislação vigente garante competência exclusiva à União para legislar sobre radiação envolvendo as comunicações sem fio.

De acordo ainda com a Telcomp, "as redes de comunicação sem fio são estruturadas com pontos inter dependentes. A eliminação de alguns pontos (ou antenas) compromete a comunicação numa área bem mais extensa, prejudicando não só quem está próximo à antena, mas, potencialmente, todos os usuários dos serviços. A proximidade de hospitais e escolas, tendo em vista o efeito neutro sobre a saúde, não é argumento válido para obrigar a retirada de antenas".

“Pergunte a um médico como seria sua vida e a de seus pacientes, se não estiver disponível para atender ao telefone móvel quando estiver num hospital. O mesmo para um estudante, ou sua família, se não puder ter acesso à internet pelo seu tablet ou telefone enquanto estiver na escola. É um contra senso”, afirma João Moura, Presidente Executivo da TelComp.

A entidade, ainda no comunicado, diz que "é absolutamente legítimo que a Prefeitura elabore diretrizes urbanísticas para conciliar a necessidade de implantação de redes com o planejamento urbano, pois afinal a população merece viver numa cidade organizada e bonita", mas diz que muitas formas de fazer o planejamento urbano e conciliar as necessidades de comunicação com o planejamento de cidades, com regras claras, consistentes do ponto de vista legal e com processo transparente e ágil.


TIM quer relação com teles fora da recuperação judicial da Oi

Presidente da operadora, Stefano De Angelis, deixou claro que a situação da Oi tem impacto na indústria como um todo. "Há  muitos contratos de interconexão, de swap e de aluguel de links", observou.

Anatel: Mais de 20 mil frequências serão usadas exclusivamente na Rio 2016

Até este momento, segundo a agência, cerca de 15 mil equipamentos, em especial no Maracanã, onde serão realizadas as cerimônias de abertura e encerramento, foram testados e etiquetados. Agência terá 200 servidores dedicados para garantir a oferta dos serviços.

Oi deixa para Justiça decidir sobre troca no Conselho de Administração

Ao analisar o pedido para a troca de nomes no colegiado, Conselho de Administração da operadora respondeu que convocação de assembleia deve passar pelo crivo da 7ª Vara Empresarial do RJ, onde corre a recuperação judicial.

Anatel manda à Justiça nomes de administradores para a Oi

Agência reguladora selecionou quatro empresas, mas duas serão avaliadas por possível impedimento - Delloite e PwC. Decisão final é da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro.

Revista do 59º Painel Telebrasil 2015
Veja a revista do 59º Painel Telebrasil 2015 As principais empresas prestadoras de serviços e da indústria de telecomunicações e autoridades governamentais e do Legislativo se dedicaram a discutir o tema escolhido para este ano: A evolução dos modelos de negócio das telecomunicações: Desafios políticos e regulatórios.
Clique aqui para ver outras edições


  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G