TELECOM

Oi promete IPTV em multiplataformas para o 3º tri no Rio e em BH

Ana Paula Lobo, do Rio de Janeiro ... 17/04/2012 ... Convergência Digital

A Oi planeja ser a primeira operadora no país a ofertar IPTV, depois da aprovação da nova Lei do Cabo. A concessionária planeja lançar o serviço no final do 3º trimestre nas cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O serviço é uma das grandes apostas da concessionária para reforçar presença junto ao mercado residencial de maior poder aquisitivo. Ideia é ter a programação da TV simultaneamente nos smartphones e tablets para marcar a ideia de operadora convergente.

Os planos da Oi foram divulgados nesta terça-feira, 17/04, durante o Investor Day, realizado no Rio de Janeiro. No planejamento, a tele se compromete a investir R$ 24 bilhões - uma média de R$ 6 bilhões/ano. Em 2011, por exemplo, a Oi aportou R$ 5 bilhões. Valim, que assumiu o comando da Oi em agosto do ano passado, salientou que a Oi sofreu nos últimos dois anos, as 'dores' de ter comprado a Brasil Telecom -uma empresa tão grande como a Oi - e de ter apostado no mercado de São Paulo.

"Tudo isso mexeu com a organização, com as estruturas. Não foi fácil, mas temos um ativo sem igual. Vale lembrar que temos, hoje, 115 mil kms de rede - três vezes maior do que de qualquer concorrente. Nosso valor seria de R$ 50 bilhões, se levarmos em conta o quanto que a nossa rival pagou na compra da Atimus (empresa da AES, referindo-se à TIM, que comprou a rede por R$ 1,6 bilhão)", atiçou Valim.

No planejamento estratégico - que será apresentado também na Bolsa de Nova York, na quinta-feira, 19 - a tele revela que planeja superar os 100 milhões de Unidades Geradoras de Receita (UGRs) até 2015, com crescimento de 10% em relação ao total de 75,9 milhões esperado no final de 2012. Entre os segmentos de negócios, a maior taxa de expansão deverá ser registrada no segmento Empresarial/Corporativo, com aumento de 13% em 2015; seguido pelo de Mobilidade Pessoal, com 12% e o Residencial, com 11%.

IPTV - Um marco em 2012

Sem dúvida alguma, um dos pilares da Oi será a oferta de IPTV. O diretor de Novos Negócios da Oi, Pedro Ripper, sustenta que a operadora será a primeira concessionária a oferecer comercialmente o produto. Ideia é lança-lo no final do terceiro trimestre nas cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte, para depois expandir para a área de cobertura da Oi.

Uma das primeiras medidas para viabilizar o negócio é a duplicação da capacidade de transmissão dos 115 mil Kms de rede da concessionária. "A ideia é oferecer acessos de alta velocidade - acima de 200 Mbits - e telefone ilimitado. Além disso, o conteúdo estará acessível nos tablets, nos smartphones. Enfim, haverá interatividade e para isso precisamos de infraestrutura robusta", detalha o executivo da Oi.

Para a oferta do serviço, a tele, acrescenta ainda Ripper, já homologou fornecedores de conversores, entre eles, a Cisco. A plataforma escolhida foi a da Microsoft, utilizada pela Meo, da Portugal Telecom,acionista da Oi. "A PT e a AT&T são os melhores exemplos que temos de IPTV nos moldes que planejamos ofertar aqui".

Sem querer revelar preço do serviço ao consumidor, Ripper assume que o IPTV será, sim, um produto para o assinante de maior poder aquisitivo. Proposta da empresa é alcançar 2,5 milhões de clientes até 2015. A Oi planeja ainda ter 1,5 milhão de domicílios cobertos com Fiber-to-the-Node (FTTN), que permite outras soluções de banda larga como VDLS e ADSL2, que eventualmente também poderão vir a ser utilizados para a oferta de IPTV.

Rede, aliás, foi um ponto-chave, na apresentação de Valim. "Fala-se muito que a rede da Oi é velha. Não é. Hoje, 80% da nossa rede já é baseada em IP. 70% das nossas conexões acontecem por DSLAM IP. Temos NGN. Não estamos defasados como afirmam", disse, mais uma vez, referindo-se aos rivais.

A aposta em maior infraestrutura de rede está ligada à demanda de consumo de dados. A Oi acredita que esse potencial poderá quintuplicar no país nos próximos quatro anos. E se diz preparada para enfrentar essa nova exigência. "Não entendo quem reclama do consumo maior de dados. Essa é a nossa razão de ser. Quem reclama é porque não tem musculatura para entrar nesse jogo de Telecom", completou Valim.


CADE pede condenação de empresas do mercado de recarga de telefones celulares

A prática anticompetitiva do mercado de distribuição de recarga eletrônica no pré-pago teria acontecido entre 2007 e 2009, quando o mercado movimentou cerca de R$ 3,5 bilhões.

Brasília revoga lei que restringia instalação de antenas de celular

Projeto assinado por 20 dos 24 deputados distritais foi aprovado em menos de um mês e revoga a Lei 3446/2004, que impedia a instalação de ERBs em escolas e a menos de 50 metros de qualquer habitação. 

Claro amplia vantagem sobre TIM em mercado que continua em queda

São 252,5 milhões de chips de celular ativos no país, um recuo de 31,5 milhões desde o pico, em maio de 2015. Queda se concentra no pré-pago, enquanto 4G segue em alta. 

Não interessa a ninguém a Oi quebrar

A Anatel terá de usar todos os seus chapéus e fazer de tudo para não ser confundida como representante do Estado na recuperação judicial da operadora, pontua Eduardo Ramires, advogado doManesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques.

Revista do 59º Painel Telebrasil 2015
Veja a revista do 59º Painel Telebrasil 2015 As principais empresas prestadoras de serviços e da indústria de telecomunicações e autoridades governamentais e do Legislativo se dedicaram a discutir o tema escolhido para este ano: A evolução dos modelos de negócio das telecomunicações: Desafios políticos e regulatórios.
Clique aqui para ver outras edições


  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G