Convergência Digital - Home

Para IDC, é hora dos aplicativos complexos irem para a nuvem

Convergência Digital
Fabio Barros - 10/04/2012

A IDC realizou nesta terça-feira, 10, em São Paulo, o IDC LA Cloud Solutions Road Show. Reunindo fornecedores de produtos e serviços, a consultoria avaliou as tendências para o conceito e, mais que isso, sua evolução até aqui.

Desde o ano passado, a IDC vinha defendendo que a computação em nuvem personifica a terceira era da TI – depois do mainframe e do PC – e que tem como marca a popularização de aplicativos, plataformas, diferentes dispositivos e modelos distintos de entrega de serviços. Para a consultoria, o conceito avançou muito nos últimos doze meses.
 
“Em apenas um ano o mercado avançou tremendamente em termos de maturidade de adoção. As empresas usuárias de nuvem ainda não são maioria, mas o avanço é claro”, afirma Mauro Peres, presidente da IDC Brasil. Para comprovar a tese, Ricardo Villate, vice-presidente de pesquisas e consultoria da IDC para a América Latina, apresentou um estudo que constatou:

• 80% das empresas da região já reconhecem o cloud computing como modelo de migração de aplicações.

• 12% já implementaram soluções na nuvem e, desse número, 5% estudam expansão dessa tecnologia.

• Entre as companhias que contam com soluções em cloud, 10% estão na nuvem privada, 6% na pública e 4% na híbrida.

• Entre as 3,5 mil maiores empresas da região, o modelo privado prevalece com 21%, enquanto 12% estão na pública e 11% na híbrida.

• As principais preocupações das empresas com a nuvem ainda são a segurança (56%), custo (29%) e regulamentação (18%).

“Existem novos paradigmas de adoção de tecnologia que podem transformar os processos. O mercado está mais maduro e partindo para um modelo consistente de contratação”, avalia Villate.

Outro estudo, apresentado por Anderson Figueiredo, gerente de pesquisa e consultoria da IDC Brasil, aponta que a virtualização e automatização são os caminhos mais naturais para adoção de serviços no modelo IaaS e PaaS (infraestrutura e plataforma como serviço). De março a novembro de 2011, a IDC perguntou aos executivos das empresas se elas utilizam internamente algum serviço em cloud e 20% utilizam e-mail na nuvem, seguido de editores de texto e planilhas com 7%.

A previsão da consultoria é que, em 2012 e 2013, o conceito deve evoluir para aplicativos mais complexos, como os ERPs. “Depois do período de avaliação do modelo de nuvem, este ano, as empresas começarão a migrar soluções inteligentes para ambientes de nuvem, como BI, CRM e ERP”, diz. “Dos 41 cases de sucesso de implementação de cloud inscritos para esse evento, 50% tratam de aplicações sensíveis de áreas estratégicas das empresas”, revelou.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Software reina e dita os negócios na nuvem pública

Receita estimada para software como serviço é de US$ 96,5 bilhões em 2016. Para 2020, esse montante vai mais do que dobrar.

Oito em cada 10 empresas vão investir em nuvem e data center definido por software

Estudo global mostra que TI e Negócios estão alinhadas em priorizar os investimentos em computação na nuvem como tendência de Tecnologia mais relevante este ano.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

De Byte a Yottabyte em muito pouco tempo...

Por Wilson Grava*

O Big data impulsiona os negócios, mas tem riscos. Eles passam pelo uso inadequado, pelas violações e perda de dados até a preocupação do usuário final com a privacidade e segurança desses dados.

Mitos e verdades sobre ERPs em nuvem

Por Grasiela Tesser*

Ainda que Cloud Computing esteja se popularizando e sendo cada vez mais natural nas operações das empresas, muitas companhias ainda relutam em utilizar sistemas de gestão – os ERPs - na nuvem. É o medo da inovação.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site