TELECOM

Nos EUA, teles se unem contra roubo de celulares

Da redação ... 10/04/2012 ... Convergência Digital

As maiores empresas de telefonia celular dos Estados Unidos fecharam um acordo com o governo para criar um banco de dados de celulares roubados — parte de uma iniciativa maior para conter a explosão de furtos dos aparelhos no país, revela reportagem do Wall Street Journal.

Segundo relatório da polícia, em 2011, a cidade de Nova York teve mais de 26 mil casos de furto de eletrônicos, sendo que 80% são de celulares, de acordo com relatório policial. O levantamento mostra que o roubo de celulares supera, inclusive, os de dinheiro vivo.

O banco de dados será construído e mantido pelas operadoras móveis. Ele será projetado para localizar celulares dados como perdidos ou roubados e bloquear seus serviços de voz e dados. A ideia é reduzir a criminalidade, tornando difícil ou impossível usar de fato um aparelho roubado, o que diminui também o seu valor de revenda.

As operadoras americanas Verizon Communications Inc. e Sprint Nextel Corp. já bloqueiam celulares que os donos afirmam ter perdido, impedindo que sejam reativados. A AT&T Inc. e a T-Mobile USA, filial da Deutsche Telekom AG, ainda não fazem isso. Todas quatro concordaram em integrar o novo banco de dados.
"Novas tecnologias criam novos riscos", disse Julius Genachowski, presidente da Comissão Federal das Comunicações (FCC, na sigla em inglês), a autoridade reguladora do setor, que negociou o projeto do banco de dados com as operadoras. "Queríamos encontrar uma maneira de reduzir o valor dos celulares roubados."

O roubo de celulares é um dos crimes que tem aumentado mais nos EUA, segundo a polícia. O acordo entre a FCC e as maiores operadoras de celular é resultado, em parte, da pressão de chefes de polícia frustrados. A Associação dos Chefes das Grandes Cidades, que congrega 70 chefes de polícia de grandes cidades dos EUA e do Canadá, publicou em fevereiro uma resolução solicitando que a FCC obrigasse as telefônicas a implementar novas tecnologias para desativar aparelhos roubados.

Por trás da alta nesse tipo de crime está o lucrativo mercado de celulares usados. Os ladrões podem vender os aparelhos roubados para lojas locais ou vendedores ambulantes — ou oferecer os aparelhos em sites como eBay.com, Amazon.com ou Craigslist.org, onde um iPhone usado, por exemplo, pode chegar a valer centenas de dólares.

Bancos de dados parecidos para celulares roubados já existem em países como Reino Unido, Alemanha, França e Austrália. O banco de dados do Reino Unido foi criado em 2002. O da Austrália em 2004. As iniciativas não impediram os crimes, mas o número de incidentes diminuiu.


Conselho Consultivo: Relatório anual da Anatel é raso e pouco transparente

Relatório anual da agência foi duramente criticado pela escassez de dados sobre a revisão do modelo em andamento e por não abordar questões sensíveis com profundidade.

Anatel ajusta regras de compartilhamento de torres

Quase uma década depois da previsão legal de que não podem ser instaladas essas estruturas a menos de 500 metros umas das outras, agência regulamenta os procedimentos para que as operadoras façam os ajustes necessários. São cerca de 15 mil estruturas inicialmente.

Justiça abre prazo para objeções a plano de recuperação da Oi

Divulgada no início de setembro, proposta da operadora prevê até 70% de desconto a depender do credor ou carência de 10 anos. Também está cogitada a venda de ativos, inclusive a operação de telefonia celular. Prazo de 30 dias conta a partir da lista dos credores, divulgada em 21/9 pela Oi.

CADE pede condenação de empresas do mercado de recarga de telefones celulares

A prática anticompetitiva do mercado de distribuição de recarga eletrônica no pré-pago teria acontecido entre 2007 e 2009, quando o mercado movimentou cerca de R$ 3,5 bilhões.

Revista do 59º Painel Telebrasil 2015
Veja a revista do 59º Painel Telebrasil 2015 As principais empresas prestadoras de serviços e da indústria de telecomunicações e autoridades governamentais e do Legislativo se dedicaram a discutir o tema escolhido para este ano: A evolução dos modelos de negócio das telecomunicações: Desafios políticos e regulatórios.
Clique aqui para ver outras edições


  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G